Densidade básica e retratibilidade da madeira de clones de três espécies de Eucalyptus

Djeison Cesar Batista, Ricardo Jorge Klitzke, Carlos Vinícius Taborda Santos

Resumo


Dentre as florestas plantadas que abastecem a indústria madeireira nacional, as do gênero Eucalyptus estão entre as mais importantes. Essa importância é atribuída à velocidade de desenvolvimento de suas árvores, facilidade de implantação em grandes maciços e versatilidade de aplicação de sua madeira. A criação de híbridos e clones é uma realidade na silvicultura nacional, na qual o melhoramento genético busca sobretudo maiores incrementos volumétricos e resistência a condições extremas de implantação, tais como ataques de pragas, secas, geadas e baixa fertilidade do solo. A densidade básica é uma das propriedades físicas mais importantes da madeira por se relacionar diretamente com outras propriedades da madeira, inclusive a anisotropia de contração. Assim, tais propriedades da madeira norteiam a utilização racional de uma espécie em um determinado produto. O objetivo deste trabalho foi determinar a densidade básica e a anisotropia de contração da madeira de cinco clones das espécies Eucalyptus saligna, Eucalyptus grandis e Eucalyptus dunnii. O clone 5 de Eucalyptus saligna obteve a maior densidade básica (0,56 g/cm³) e foi o mais instável dimensionalmente. Dentre todas as espécies, observou-se relação direta entre densidade básica e contração volumétrica máxima e entre densidade básica e coeficiente de retratibilidade volumétrico máximo somente para o clone 5 de Eucalyptus saligna. Considerando-se como critério a contração volumétrica máxima, o clone 3 foi o mais estável dimensionalmente. Para o Eucalyptus grandis, os clones 2 e 3 obtiveram, respectivamente, a menor e maior densidade básica, com 0,40 e 0,49 g/cm³. Não foi possível distinguir dentre os clones 1, 3 e 4 qual foi o mais estável dimensionalmente e, considerando-se como critério o coeficiente de retratibilidade volumétrico máximo, o clone 5 foi o mais instável dimensionalmente. Para as espécies Eucalyptus saligna e Eucalyptus dunnii não foi possível concluir qual clone obteve a menor densidade básica. O clone 3 de Eucalyptus dunnii obteve a maior densidade básica (0,65 g/cm³) e, considerando-se como critério o coeficiente de retratibilidade volumétrico máximo, foi o clone mais instável dimensionalmente. Considerando-se a contração volumétrica máxima, o clone 1 foi o mais estável dimensionalmente. O Eucalyptus grandis foi a espécie de menor densidade e maior estabilidade dimensional, enquanto o Eucalyptus dunnii foi a espécie de maior densidade e maior instabilidade dimensional.


Palavras-chave


clones; madeira; densidade básica; anisotropia de contração

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A.; JANKOWSKY, I. P.; DUCATTI, M. A. Grupamento de madeiras para secagem convencional. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 59, p. 89-99, jun. 2001.

CINIGLIO, G. Avaliação da secagem de madeira serrada de E.grandis e E.urophylla. 1998. 73 f. Dissertação (Mestrado)–Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP, Piracicab, 1998.

COMISIÓN Panamericana de Normas Técnicas. Maderas: Método de determinación del peso específico aparente. Buenos Aires: COPANT, 1972. 461. 5 p.

COMISIÓN Panamericana de Normas Técnicas. Maderas: Método de determinación de la contracción. Buenos Aires: COPANT, 1972. 462. 5 p.

GONÇALEZ, J. C. et al. Características Tecnológicas das madeiras de Eucalyptus grandis W.Hill ex Maiden e Eucalyptus cloeziana F. Muell visando ao seu aproveitamento na indústria moveleira. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 3, p. 329-341. 2006.

GREEN, D. W.; WINANDY, J. E; KRETSCHMANN, D. E. Mechanical properties of wood. In: FPL. Wood handbook: wood as an engineering material. Madison: United States Department of Agriculture, 1999. Capítulo 4.

IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Disponível em: <( http://www.ipt.br/informacoes_madeiras3.php?madeira=13)> Acesso em: 1 de outubro de 2009.

KLITZKE, R. J. Secagem da Madeira. In: OLIVEIRA, J. T. S. et al. Tecnologias Aplicadas ao Setor Madeireiro. Jerônimo Monteiro: Suprema, 2007. p. 271-342.

KOLLMANN, F. F. P.; CÔTÉ JUNIOR, W. A. Principles of Wood Science and Technology. Berlin: Springer-Verlag, 1968. 592 p.

MARCHESAN, R., MATTOS, P. P., SHIMIZU, J. Y. Caracterização física, química e anatômica da madeira de Eucalyptus microcorys F. Muell. Colombo: Embrapa Florestas, 2005. 5 p.(Comunicado Técnico 133)

MELO, J. E. Madeira: características e aplicações. Brasília: LPF, 2002. 30 p.

NUTTO, L. Propriedades da madeira: qualidade da madeira em florestas plantadas. In: Palestra proferida em aula teórica da disciplina AT 702 (Propriedades da Madeira) no programa de pós-graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná. 2007. Curitiba, 60 p.

OLIVEIRA, J. T. SILVA, J. C. Variação radial da retratibilidade e densidade básica da madeira de Eucalyptus saligna Sm. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 3, p. 381-385, 2003.

PEREIRA, J. C. D. et al. Características de madeiras de algumas espécies de eucaliptos plantadas no Brasil. Colombo; Embrapa Florestas, 2000. 113 p. (Embrapa Florestas. Documentos, 38).

ROCHA, M. P. Eucalyptus grandis Hill ex Maiden e Eucalyptus dunnii Maiden como fontes de matéria-prima para Serrarias. 2000. 185 f. Tese (Doutorado)–Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2000.

SEVERO, E. T. D. Estudo sobre o efeito da vaporização nas propriedades e comportamento de secagem da madeira de Eucalyptus dunnii Maid. 1998. 200 f. Tese (Doutorado)–Universidade Federal do Paraná, Curitiba1998.

SILVA, J. C. et al. Variação da retratibilidade da madeira de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden, em função da idade e da posição radial no tronco. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 5, p. 803-810, 2006.

TOMAZELLO FILHO, M. Variação radial da densidade básica e da estrutura anatômica de Eucalyptus saligna e Eucalyptus grandis. IPEF, Piracicaba, n. 29, p. 37-45, abr.1985

TRUGILHO, P. F., LIMA, J. T., MENDES, L. M. Influência da idade nas características físico-químicas e anatômicas da madeira de Eucalyptus saligna. Cerne, Lavras, v. 2, n. 1, 1996.

TRUGILHO, P.F. et al. Deformação residual longitudinal (DRL) e tangencial (DRT) em seis clones de Eucalyptus spp. Cerne, Lavras, v. 12, n. 3, p. 279-286, jul/set, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050982425