Volumetria e sobrevivência de espécies nativas e exóticas no polo gesseiro do Araripe, PE

Bruno Coelho de Barros, José Antônio Aleixo da Silva, Rinaldo Luiz Caraciolo Ferreira, Ana Clara Moura Neves Rebouças

Resumo


Nos setores industriais e comerciais da região do Araripe, em Pernambuco, a utilização de combustíveis lenhosos está dirigida aos processos de desidratação da gipsita e produção de gesso em suas diferentes tecnologias. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo buscar opções para suprir a demanda por lenha no Polo Gesseiro do Araripe pernambucano, por meio da implantação de povoamentos florestais com espécies nativas e exóticas. O experimento foi instalado na Estação Experimental do Instituto Agrônomico de Pernambuco (IPA), utilizando nove espécies, entre nativas e exóticas: (Imburana - Amburana cearense (Allemão) A.C. Sm.; Angico - Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan var. cebil (Griseb.) Altschul; Jurema - Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir.; Sabiá - Mimosa caesalpiniaefolia Benth.; Acácia - Senna siamea (Lam.) H.S. Irwin & Barneby; Leucena - Leucaena leucocephala (Lam.) R. de Wit.; Algaroba - Prosopis juliflora (Sw.) D.C.; Ipês - Tabebuia sp.1 e Tabebuia sp.2), em um delineamento inteiramente casualizado com diferentes números de repetições. Foram avaliados os seguintes parâmetros: volume em metro cúbico (m³) e sobrevivência. Com relação ao volume em metro cúbico, o Sabiá teve a melhor produtividade. O Sabiá e a Jurema foram as espécies mais pesadas. E em relação à sobrevivência, Ipê 2 e Imburana tiveram as maiores mortalidades. Desta forma, o Sabiá e a Jurema são as espécies mais indicadas para a produção de lenha em plantios comerciais homogêneos na Chapada do Araripe em Pernambuco.


Palavras-chave


espécies arbóreas; volumetria

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, L. V. C.; PAULO, M. C. S.; PAES, J. B. Características dendrométricas e densidade básica da jurema-preta (Mimosa tenuiflora (WILLD,) POIR,) de duas regiões do estado da Paraíba. Revista Caatinga, Mossoró, v. 20, n. 1, p. 89-96, jan,/mar, 2007.

ARAÚJO, S. M. S. O pólo gesseiro do Araripe: Unidades geo-ambientais e impactos da mineração, Campinas: UNICAMP, 2004, 276f. Tese (Doutorado em Ciências, Área de Administração e Política de Recursos Minerais)-Universidade Estadual de Campinas, Cmpinas, 2004.

ATECEL – Associação Técnica Científica Ernesto Luiz de Oliveira. Diagnóstico energético do setor industrial do pólo gesseiro da meso região de Araripina-PE, Campina Grande, 2006, 126 p.

ENCARNAÇÃO, G. R. F. Observações meteorológicas e tipos e tipos climáticos das unidades e campos experimentais no IPA. Recife: IPA, 1980.

ENGEL, V. L.; POGGIANI, F. Influência do sombreamento sobre o crescimento de mudas de algumas essências nativas e suas Implicações ecológicas e silviculturais. Revista IPEF, Piracicaba, n. 43/44, p. 1-10, jan,/dez, 1990.

FIGUEIRÔA, J. M. et al., Madeireiras, In: SAMPAIO, E. V. S. B.; et al. Espécies da Flora Nordestina de Importância Econômica Potencial. Recife: APNE, 2005, p, 101-133.

FRANCO, E. J.; et al. Eficiência na estimativa do peso seco para árvores individuais e definição do ponto ótimo de amostragem para determinação da densidade básica Eucalyptus camaldulensis. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 77-99, nov, 1998.

HESS, A. F.; SCHNEIDER, P. R.; ANDRADE, C. M. Crescimento em volume de Araucaria angustifolia (Bertol,) Kuntze na serra do sudeste do estado do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 3, p. 247-256, jul,/set, 2007.

MACEDO, A. C.; KAGEYAMA, P. Y.; COSTA, L. G. S. Revegetação: matas ciliares e de proteção ambiental. São Paulo: Fundação Florestal, 1993, 24 p.

MACHADO, S. A.; MELLO, J. A.; BARROS, D. A. Comparação entre métodos para avaliação de volume total de madeira por unidade de área, para o pinheiro do paraná, na região sul do Brasil. Cerne, Lavras, v. 6, n. 2, p. 55-66, dez, 2000.

OLIVEIRA, E. et al. Estrutura anatômica da madeira e qualidade do carvão de Mimosa tenuiflora (willd,) Poir. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 311-318, mar/abr, 2006.

PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Disponível em: , Acesso em: 4 set, 2007.

SÁ, I. B.; SÁ, I. I. S.; SILVA, D. F. Geotecnologias conciliando preservação ambiental e fortalecimento das atividades produtivas na região do Araripe-PE. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13., 2007, Florianópolis. Anais... Florianópolis: INPE, 2007, p,1875-1882.

SANTOS-JUNIOR, N. A.; BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C. Estudo da germinação e sobrevivência de espécies arbóreas em sistema de semeadura direta, visando à recomposição de mata ciliar. Cerne, Lavras, v. 10, n. 1, p. 103-117, jun, 2004.

SERRÃO, D. R.; JARDIM, F. C. S.; NEMER, T. C. Sobrevivência de seis espécies florestais em uma área explorada seletivamente no município de Moju, Pará. Cerne, Lavras, v. 9, n. 2, p. 153-163, dez, 2003.

SINDUSGESSO – Sindicato da Indústria do Gesso do Estado de Pernambuco. Disponível em: . Acesso em: 06 jun, 2008.

THOMAS, C. et al. Comparação de equações volumétricas ajustadas com dados de cubagem e análise do tronco. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 3, p.319-327, jul,/set, 2006.

TONIOLO, E. R.; PAUPITZ, J.; CAMPELLO, F. B. Pólo gesseiro de Pernambuco: diagnóstico e perspectivas de utilização dos energéticos florestais na região do Araripe. Projeto Conservação e Uso Sustentável da Caatinga MMA/PNUD/GEF/BRA/02/G31, Fortaleza-CE, Brasil, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050982422

Licença Creative Commons