Influência do ângulo de plantio sobre a brotação e o enraizamento de estacas de Phyllanthus sellowianus (Klotzsch) Müll. Arg.

Josita Soares Monteiro, Michele Benetti Leite, Charlote Wink, Miguel Antão Durlo

Resumo


A estabilização de encostas naturais ou artificiais de terrenos e margens de cursos de água é possível com a aplicação de técnicas propostas pela engenharia natural ou bioengenharia de solos, que utilizam a vegetação, sozinha ou combinada com materiais inertes. Para isso, a vegetação a ser empregada necessita preencher alguns requisitos relacionados a aspectos ecológicos, fitossociológicos e de reprodução. As técnicas de engenharia natural utilizam as plantas em diferentes posições em relação à horizontal. Por essa razão, o presente trabalho tem por objetivo avaliar os efeitos de diferentes ângulos de plantio de estacas de Phyllanthus sellowianus (Klotzsch) Müll. Arg. para a estabilização de taludes. Com isso, será possível sugerir a forma mais adequada para o plantio dessa espécie, ou seja, em quais práticas biotécnicas esta pode ser melhor utilizada. O experimento foi conduzido no Viveiro Florestal, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, no período de agosto a novembro de 2007. Os tratamentos consistiram no plantio de estacas de Phyllanthus sellowianus (Klotzsch) Müll. Arg., em três ângulos diferentes (10°, 30° e 90°). As estacas foram coletadas na região central do estado do RS e confeccionadas com 30 cm de comprimento (± 1 cm de variação), com diâmetro médio de 1,9 cm. Dois terços de sua base foram inseridos em substrato inerte (areia). O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com trinta repetições (estacas) por tratamento. Após 90 dias foram analisados as seguintes características: sobrevivência das estacas, número, comprimento e diâmetro dos brotos e raízes primárias, além da massa seca das raízes e brotos. A espécie apresentou altos valores de sobrevivência, com tendência de maiores resultados em estacas plantadas em ângulos de 10° e 90°. O plantio de estacas em ângulo de 90° também proporcionou os maiores valores da soma de comprimento e da massa seca dos brotos, enquanto que o diâmetro e o número de brotos não apresentaram diferenças significativas entre os ângulos de plantio. O número, a soma do comprimento e a massa seca das raízes, tiveram valores significativamente maiores em estacas plantadas em ângulo de 90°. O diâmetro da raiz mais longa apresentou maior média em estacas plantadas em ângulo de 10°, enquanto que o valor médio do comprimento da raiz mais longa por estaca não mostrou diferença estatística entre os três ângulos de plantio.


Palavras-chave


propagação vegetativa; estaquia; engenharia natural

Texto completo:

PDF

Referências


AWAD, M.; CASTRO, P. R. C. Introdução a Fisiologia Vegetal. 2. ed. São Paulo: Nobel, 1997, 177 p.

CABRERA, A. L. et al. Flora de la Província de Buenos Aires: Oxalidáceas a Umbelíferas. Parte IV. Buenos Aires: Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuário, 1965.

DURLO, M. A. Biotécnicas no manejo de cursos de água. Ciencia e Ambiente, Santa Maria, n. 21, p. 81-90, 2000.

DURLO, M. A.; SUTILI, F. J. Bioengenharia: Manejo de Cursos de Água. Porto Alegre: EST, 2005. 189 p.

FACHINELLO, J. C. et al. Propagação de plantas frutíferas de clima temperado. Pelotas: UFPEL, 1994. 179 p.

FLORINETH, F. Pflanzen statt Beton. Handbuch zur Ingenieurbiologie und Vegetationstechnik. Patzer Verlag Berlin – Hannover, ISBN 3-87617-107-5, 282 Seiten. 2004.

LOMBARDO, A. Flora arbórea y arborescente del Uruguay. 2. ed. Montevideo, 1964, 218 p.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961.

RAVEN, P. H. et al. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996, 728 p.

SCHIECHTL, H. M. Bioingegneria forestale: Basi - materiali da construzione vivi - metodi. Castaldi – Feltre, 1973.

SCHIECHTL, H. M.; STERN, R. Handbuch für naturnahen Erdbau: Eine Einleitung für ingenieurbiologische Bauweisen. Wien: Österreichischer Agrarverlag, Druck und Verlagsgesellschaft m.b.H., 1992.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas dicotiledôneas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005. 640 p.

SUTILI, F. J. Manejo biotécnico do arroio Guarda-Mor: princípios, processos e práticas. 2004. 114 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

SUTILI, F. J. Bioengenharia de solos no âmbito fluvial do sul do Brasil. 2007. 95 p. Tese de Doutorado (Instituto de Bioengenharia de Solos e Planejamento da Paisagem) - Universidade Federal de Viena, Viena, 2007.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Plant Physiology. California: Reedwood. 2007. 623 p.

VARGAS, C. O. Características biotécnicas de Phyllanthus sellowianus Müll. Arg., Salix x rubens Schanck e Sebastiania schottiana (Müll. Arg) Müll. Arg. 2007. 84 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050982066

Licença Creative Commons