Relação de variáveis meteorológicas com o crescimento das árvores de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze em povoamentos implantados

Magda Lea Bolzan Zanon, César Augusto Guimarães Finger

Resumo


Este trabalho foi realizado na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS, e teve como objetivo avaliar a periodicidade do crescimento das árvores de Araucaria angustifolia, correlacionando-a com variáveis meteorológicas. O comportamento do crescimento foi obtido partindo do acompanhamento quinzenal de periodicidade por meio da instalação de cintas dendrométricas à altura do peito de 48 árvores femininas e 48 árvores masculinas, avaliadas durante o período de agosto de 2003 a agosto de 2006. Os resultados deste trabalho permitiram concluir que o início do crescimento anual em diâmetro das árvores ocorre em setembro, tendo seu pico no mês de janeiro, começando a decrescer a partir de março. As variáveis meteorológicas, como temperatura e precipitação, estão diretamente correlacionadas com o incremento. O aumento da temperatura e da precipitação influi positivamente no incremento e a ocorrência de precipitação acompanhada de temperaturas baixas reduz o crescimento em diâmetro.


Palavras-chave


incremento; diâmetro; cintas dendrométricas; fatores climáticos

Texto completo:

PDF

Referências


BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do sul: guia de identificação e reconhecimento ecológico. Porto Alegre: Ed. Pallotti, 2002. 325 p.

BOTOSSO, P. C.; VETTER. R. E. Alguns aspectos sobre a periodicidade e taxa de crescimento em oito espécies arbóreas tropicais de floresta de terra firme (Amazônia). Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 3, n. 2, p.163-180, 1991.

CARDOSO, N. S. Caracterização da estrutura anatômica da madeira, fenologia e relações com a atividade cambial de árvores de teça (Tectona grandis) – Verbanaceae. 1991. 117 f. Dissertação (Mestrado em Biologia) – Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1991.

CLARK, D. A.; CLARK, D. B. Climate-induced annual variation in canopy tree growth in Costa Rican tropical rain forest. Journal of Ecology, v. 82, n. 4, p. 865-872, Dec. 1994.

DÉTIENNE, P. Apperarance and periodicity of growth rings in some tropical woods. IAWA Bulletin new series, Leiden, v.10, n. 2, p. 123-132, 1989.

FERREIRA, L. Periodicidade do crescimento e formação da madeira de algumas espécies arbóreas de florestas estacionais semidecíduas da região sudeste do Estado de São Paulo. 2002. 103 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.

HIGUCHI, N. et. al. Uso de bandas metálicas e dendrômetros automáticos para a definição do padrão de crescimento individual das principais espécies arbóreas da floresta primária da região de Manaus, Amazonas, Brasil. In: PROJETO JACARANDÁ FASE II: Pesquisas Florestais na Amazônia Central, Manaus: INPE, p. 55-68, 2003.

HUSCH, B.; MILLER, I. C.; BEERS, T. W. Forest mensuration. New York: John Wiley & Sons, 1982. 402 p.

IBAMA. Floresta Nacional de São Francisco de Paula-RS. Brasília: 2000. 6 p. (Folder).

ISHII, I. H. Estudos dendrocronológicos em matas ciliares do pantanal. In: COLETÂNEA DE SEMINÁRIOS TÉCNCICOS DO CPA-PANTANAL, 1996/1997. Corumbá, MS. Embrapa Pantanal. Doc. 23, p. 43-44, Out., 2000.

JACOBY, G. C. Overview of tree-rings analysis in tropical regions. IAWA Bulletin new series, Leiden, v. 10, n.2, p. 99-108. 1989.

KRAMER, P. J.; KOZLOWSKI, T. Fisiologia das árvores. Lisboa: Fundação Caloustre. Gulbenkian, 1960. 745 p.

LOJAN, L. Aspectos del crescimento diamétrico quincenal del algunos arboles tropicales. Revista Turrialba, v.15, n. 3, p. 231-237, July/Sept. 1965.

LOJAN, L. Periodicidad del clima y del crecimiento de espécies forestales em Turrialba. Costa Rica. Revista Turrialba, v. 17, n. 1, p. 71-83, Enero/Mar, 1967.

LOJAN, L. Tendências del crescimento radial de 23 especies forestales del tropico. Revista Turrialba, v.18, n. 3, p. 275-281, Jul/Set. 1968.

MARIA, V. R. B. Estudo da periodicidade do crescimento, fenologia e relação com a atividade cambial de espécies arbóreas tropicais de florestas estacionais semidecíduas. 2002. 126 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) - Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 41 p.

POORTER, L.; BONGERS, F. Ecology of tropical forests. Wageningen: Agricultural University, 1993. 223 p.

SMITH, R. B. et al. Periodicidade do crescimento do tronco em cinco espécies no sul da Bahia. Brasil. Revista Agrotropica. Ilhéus, v. 9, n. 3, p. 99-106, set./dez. 1997.

SPURR, S. H.; BARNES, B. V. Forest ecology. Ronald Press Company, 1973. 571 p.

TEIXEIRA, L L Estudos Dendrocrolológicos de Crataeva tapia. In: COLETÂNEA DE SEMINÁRIOS TÉCNCICOS DO CPA-PANTANAL, 1996/1997. Corumbá, MS. Embrapa Pantanal. Doc. 23., p.47-48, Out, 2000.

THORNTHWAITE, C. W.; MATHER, J. R. Instructions and tables for computing potential evapotranspiration and the water balance. Centerton: Drexel Institute of Technology - Laboratory of Climatology, 1957. 311 p.

VETTER, R. E.; BOTOSSO, P. C. Remarks on age and growth rate determiantion of Amazoniam trees. IAWA Bulletin new series, Leiden, v. 10, n. 2, p. 133-145, 1989.

VILLALBA, R.; WEBLEN, T. T; OGDEN, J. Climatic influences on the growth of subalpine trees in the Colorado front range. Ecology, v. 75, n. 5, p. 1450-1462, July. 1994.

WORBES, M. How to measure growth dynamics in tropical trees: a review. IAWA Journal, Leiden, v. 16, n. 4, p. 337- 351, 1995.

WORBES, M.; JUNK, W. J. How old are tropical trees? The persistence of a myth. IAWA Journal, Leiden, v. 20, n. 3, p. 255-260, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050982061