Capim-colonião e seus efeitos sobre o crescimento inicial de clones de Eucalyptus × urograndis

Michelle Barbeiro da Cruz, Pedro Luís da Costa Aguiar Alves, Décio Karam, Antônio Sérgio Ferraudo

Resumo


Esta pesquisa teve o objetivo de avaliar o efeito da convivência de capim-colonião sobre o crescimento inicial de plantas de clones de eucalipto. Foram instalados dois ensaios com mudas de clones de eucalipto e de capim-colonião, que cresceram em parcelas delimitadas lateralmente por paredes de alvenaria preenchidas com terra. O primeiro ensaio obedeceu ao delineamento experimental inteiramente casualizado, com três repetições, e tratamentos em esquema fatorial 5 x 2 (cinco clones de eucalipto, e a ausência ou presença de duas plantas de capim-colonião plantadas a 10 cm da muda de eucalipto). O segundo ensaio foi semelhante ao primeiro, porém, com apenas três clones de eucalipto, cinco repetições, e tratamentos em esquema fatorial 3 x 2 (três clones de eucalipto e a ausência ou presença de capim-colonião). Os clones de eucalipto não afetaram de modo diferenciado o crescimento de capim-colonião, sendo que aqueles que conviveram com a planta daninha não apresentaram diferença no seu desenvolvimento, igualando-os quando sob competição. As características dos clones de eucalipto mais sensíveis à convivência com capim-colonião foram: área foliar, matéria seca de folhas e caule. O clone 3 foi o que se mostrou mais sensível à convivência com capim-colonião e o clone 1 mais tolerante, porém todos os clones estudados tiveram influência negativa da convivência com capim-colonião.


Palavras-chave


<i>Panicum maximum</i>; competição; <i>Eucalyptus </i>× <i>urograndis</i>; interferência

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF: ano base 2005. Brasília, 2006. 80 p.

BREDONLAN, R. A.; PELLEGRINI, M. T.; ALVES, P. L. C. A. Efeitos da nutrição mineral na competição inter e intraespecífica de Eucalyptus grandis e Brachiaria decumbens: 1- crescimento. Scientia forestalis, Piracicaba, n. 58, p. 49-57, dez. 2000.

COSTA, A. G. F.; ALVES, P. L.C. A.; PAVANI, M. C. M. D. Períodos de interferência de erva quente (Spermacoce latifolia) no crescimento inicial de eucalipto (Eucalyptus grandis). Scientia forestalis, Piracicaba, n. 61, p. 103-112, jun. 2002.

COSTA, A. G. F.; ALVES, P. L.C. A.; PAVANI, M. C. M. D. D. Períodos de interferência de trapoeraba (Commelina benghalensis Hort.) no crescimento inicial de eucalipto (Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden). Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 4, p. 471-478, jul./ago. 2004.

DINARDO, W. et al. Efeito da densidade de plantas de Panicum maximum Jacq. sobre o crescimento inicial de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden. Scientia forestalis, Piracicaba, n. 64, p. 59-68, dez. 2003.

FERREIRA, E. M. et al. Determinação do tempo ótimo do enraizamento de mini-estacas de clones de Eucalyptus spp. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 2, p. 183-187, fev./mar. 2004

GONÇALVES, J. L. M. et al. Reflexos do cultivo mínimo e intensivo do solo em sua fertilidade e na nutrição das árvores. In: GONÇALVES, J. L.; BENEDETTI, V., ed. Nutrição e fertilização florestal, Piracicaba: IPEF, 2000. 427 p.

HIGASHI, E. N.; SILVEIRA, R. L. V. A.; GONÇALVES, A. N. Propagação vegetativa de Eucalyptus: princípios básicos e a sua evolução no Brasil. Circular Técnica IPEF, Piracicaba, n. 192, out. 2000.

PELLEGRINI, M. T. Interferência intra e interespecífica de Brachiaria decumbens, Panicum maximum e Eucalyptus grandis, por macronutrientes. 1999. 76 f. (Trabalho de Graduação) – Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 1999.

PITELLI, R. A. Interferência das plantas daninhas nas culturas agrícolas. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 11, n. 29, p. 16-27, 1985.

PITELLI, R. A. Competição e controle das plantas daninhas em áreas agrícolas. Série Técnica IPEF, Piracicaba, v. 4, n. 12, p. 1 – 24, set. 1987.

PITELLI, R. A., KARAM, D. Ecologia de plantas daninhas e sua interferência em culturas florestais. In: SEMINÁRIO TÉCNICO SOBRE HERBICIDAS EM REFLORESTAMENTOS, 1., 1988. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 1988. p. 44-64.

PITELLI, R. A. et al. Efeitos de períodos de convivência e controle das plantas daninhas na cultura do eucalipto. In: SEMINÁRIO TÉCNICO SOBRE PLANTAS DANINHAS E HERBICIDAS EM REFLORESTAMENTO, 1., Rio de Janeiro, 1988. Anais... Rio de Janeiro, 1988. p. 110-124.

PITELLI, R A.; MARCHI, S. R. Interferência das plantas invasoras nas áreas de reflorestamento. In: SEMINÁRIO TÉCNICO SOBRE PLANTAS DANINHAS E O USO DE HERBICIDAS EM REFLORESTAMENTO, 3., Belo Horizonte, 1991. Anais... Belo Horizonte, 1991. p.1-11.

SILVA, W. Tolerância de Eucalyptus spp. a herbicidas e a eficiência desses produtos no controle de plantas daninhas. 1993. 86 p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1993.

SILVA, W. et al. Altura e diâmetro de Eucalyptus citriodora e E. grandis, submetidos a diferentes teores de água em convivência com Brachiaria brizantha. Revista Floresta, Curitiba, v. 27, n. 1-2, p. 3-16. 1997.

SILVA, W. et al. Taxa transpiratória de mudas de eucalipto em resposta a níveis de água no solo e à convivência com braquiária. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 35, n. 5, p. 923-928, maio 2000.

TOLEDO, R. E. B. Efeitos da faixa de controle e dos períodos de controle e de convivência de Brachiaria decumbens Stapf. no desenvolvimento inicial de plantas de Eucalyptus urograndis. Piracicaba, 1998. 77 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo, 1998.

TOLEDO, R. E. B. et al. Efeito da densidade de plantas de Brachiaria decumbens sobre o crescimento inicial de mudas de Eucalyptus grandis W.Hill ex Maiden. Scientia forestalis, Piracicaba, n. 60, p. 109-117, dez. 2001.

ZEN, S. Influência da matocompetição em plantas de Eucalyptus grandis. Série técnica IPEF, Piracicaba, v. 4, n. 12, p. 25-35, 1987.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050982054

Licença Creative Commons