Banco de sementes do solo de uma Floresta Estacional Semidecidual, em Viçosa, Minas Gerais.

Juvenal Pinheiro Batista Neto, Maria das Graças Ferreira Reis, Geraldo Gonçalves dos Reis, Alexandre Francisco da Silva, Filipe Valadão Cacau

Resumo


Avaliou-se quantitativa e qualitativamente a florística do banco de sementes do solo de um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Montana, no município de Viçosa, MG. No final da estação chuvosa (março/2004), foram coletadas duas amostras de solo de 20 x 15 cm, com 5 cm de profundidade, no centro de seis subparcelas contíguas de 10 x 20 m, em dez parcelas permanentes de 20 x 60 m, em dez locais, totalizando 120 amostras (3,6 m2). As amostras de solo foram colocadas em estruturas de sombreamento de 11,5 % e 60 %, e as sementes germinadas foram identificadas em graminóides, herbáceo-cipós, arbustivas e arbóreas. Foram registradas 3.416 sementes germinadas, sendo 30,2 % graminóides, 29,2 % herbáceo-cipós, 17,5 % arbustivas e 23,1 % arbóreas, estas duas últimas distribuídas em 17 famílias, 25 gêneros e 31 espécies. Melastomataceae, Cecropiaceae e Piperaceae contribuíram com 31,8 %, 10,0 % e 8,8 % do total de espécies, respectivamente, sendo que Miconia cinnamomifolia e Leandra purpurascens foram responsáveis por 59,3 % das sementes arbustivo-arbóreas germinadas. As pioneiras se destacaram com 61,3 % das espécies e 88,5 % das sementes germinadas. Não foram registradas espécies secundárias tardias. A densidade média de sementes germinadas para todos os hábitos e locais foi de 949 sementes/m2. O número de espécies e de sementes germinadas do grupo arbustivo-arbóreo diferiu significativamente pelo teste Kruskal-Wallis (P ≤ 0,05) entre os locais estudados. Esses resultados indicam que, no banco de sementes do solo, há predomínio de espécies pioneiras que são importantes para a sucessão em clareiras ou após o corte da floresta. Porém, esse estoque de sementes não é suficiente para a continuidade do processo de sucessão, que inclui o estabelecimento de maior proporção de espécies secundárias iniciais e tardias. Isso indica que há necessidade de um manejo adequado do banco de plântulas para assegurar a continuidade da regeneração natural em florestas secundárias.


Palavras-chave


banco de sementes do solo; composição florística; fragmento florestal; floresta secundária

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M.M.; OLIVEIRA, F.A.; VIEIRA, I.C.G. et al. Densidade e composição florística do banco de sementes do solo de florestas sucessionais na região do Baixo Rio Guamá, Amazônia Oriental. Scientia Forestalis, Piracicaba, n.59, p.115-130, 2001.

ARAÚJO, M.M.; LONGHI, S.J.; BARROS, P.L.C. et al. Caracterização da chuva de sementes, banco de sementes do solo e banco de plântulas em floresta estacional decidual ripária Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 66, p.128-141, 2004.

ASHTON, P.M.S.; HARRIS, P.G.; THADANI, R. Soil seed bank dynamics in relation to topographic position of a mixed-deciduous forest in southern New England, USA. Forest Ecology and Management, v.111, p.15-22, 1998.

BAIDER, C.; TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. O banco de sementes de um trecho de uma floresta atlântica Montana (São Paulo-Brasil). Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v.59, n.2, p.319-328, 1999.

BAIDER, C.; TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. The soil seed bank during Atlantic forest regeneration in southeast Brazil. Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v.61, n.1, p.35-44, 2001.

BORÉM, R.A.T.; OLIVEIRA-FILHO, A.T. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma toposeqüência alterada de mata atlântica, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v.26, n.6, p.727-742, 2002.

BUDOWSKI, G. Distribution of tropical american rain Forest species in the light of successional processes. Turrialba, v.15, n.1, p.40-42, 1965.

CAETANO, R.S.X.; CHRISTOFFOLETI, P.J.; VICTORIA FILHO, R. "Banco" de sementes de plantas daninhas em pomar de laranjeira 'pera'. Scientia Agrícola, v.58, n.3, p.509-517, 2001.

CALDATO, S.L.; FLOSS, P.A.; CROCE, D.M. et al. Estudo da regeneração natural, banco de sementes e chuva de sementes na Reserva Genética Florestal de Caçador, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v.6, n.1, p.27-38, 1996.

COSTA, R.C.; ARAÚJO, F.S. Densidade, germinação e flora do banco de sementes no solo, no final da estação seca, em uma área de caatinga, Quixadá, CE. Acta Botânica Brasílica, v.17, n.2, p.259-264, 2003.

COSTALONGA, S.R.; REIS, G.G.; REIS, M.G.F. et al. Florística do banco de sementes do solo em áreas contíguas de pastagem degradada, plantio de eucalipto e floresta em Paula Cândido, MG. Floresta, v.36, n.2, p.239-250. 2006.

FAVRETO, R.; MEDEIROS, R.B. Banco de sementes do solo em área agrícola sob diferentes sistemas de manejo estabelecida sobre campo natural. Revista Brasileira de Sementes, v.28, n.2, p.34-44, 2006.

FRANCO, B.K.S. Análise do banco de sementes e da regeneração natural em um trecho de Floresta Estacional Semidecidual no Campus da Universidade Federal de Viçosa, MG. 2005. 72f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

GARWOOD, N.C. Tropical soil seed banks; a review. In: LECK, M.A.; PARKERV, V.T.; SIMPSON, R.L. (eds). Ecology of soil seed banks. San Diego: Academic Press, 1989. p.149-209.

HIGUCHI, P.; REIS, M.G.F.; REIS, G.G. et al. Composição florística da regeneração natural de espécies arbóreas ao longo de oito anos em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual, em Viçosa, MG. Revista Árvore, v.30, n.6, p.893-904, 2006.

LACERDA, A.L.S.; VICTORIA FILHO, R.; MENDONCA, C.G. Levantamento do banco de sementes em dois sistemas de manejo de solo irrigados por pivô central. Planta Daninha, v.23, n.1, p.1-7, 2005.

LEAL FILHO, N. Caracterização do banco de sementes de três estádios de uma sucessão vegetal na Zona da Mata de Minas Gerais. 1992. 116f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

LONGHI, S.J.; BRUN, E.J.; OLIVEIRA, D.M. et al. Banco de sementes do solo em três fases sucessionais de uma floresta estacional decidual em Santa Tereza, RS. Ciência Florestal, v.15, n.4, p.359-370, 2005.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 4. ed. São Paulo: Nova Odessa, 2002. v. 2. 368p.

LOUZADA, C. Composição florística e estrutura de vegetação arbórea em diferentes condições fisiográficas de um fragmento de floresta estacional semidecidual secundária, na Zona da Mata de Minas Gerais, Viçosa, MG, 2002. 149f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

MAIA, F.C.; MEDEIROS, R.B. de; PILLAR, V.P. et al. Composição, riqueza e padrão de variação do banco de sementes do solo em função da vegetação de um ecossistema de pastagem natural. Iheringia, v. 58, n.1, p.61-80, 2003.

MAIA, F. C.; MEDEIROS, R. B. de; PILLAR, V. de P. et al. Soil seed bank variation patterns according to environmental factors in a natural grassland. Revista Brasileira de Sementes, v. 26, n. 2, p.126-137, 2004.

MÔNACO, L.M.; MESQUITA, R.C.G.; WILLIANSON, G.B. Banco de sementes de uma floresta secundária amazônica dominada por Vismia. Acta Amazônica, v. 33, n. 1, p.41-52, 2003.

OLIVEIRA, R.R.; ZAÚ, A.S.; LIMA, D.F. et al. Significado ecológico da orientação de encostas do Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro. Oecologia Brasiliensis, v. 1, p. 523-541, 1995.

PEZZOPANE, J.E.M. Caracterização fitossociológica, microclimática e ecofisiológica em uma floresta estacional semidecidual secundária, Viçosa, MG. 2001. 225 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

SILVA, A. F.; OLIVEIRA. R. V.; SANTOS, N.R.L. et al. Composição florística e grupos ecológicos das espécies de um trecho de floresta semidecidual submontana da Fazenda São Geraldo, Viçosa-MG. Revista Árvore, Viçosa, v.27, n. 3, p.311-319, 2003.

SILVA, C.T., REIS, G.G., REIS, M.G.F. et al. Avaliação temporal da florística arbórea de uma floresta secundária no município de Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, v.28, n. 3, p.429-441, 2004.

SOUZA, P.A.; VENTURIN, N.; GRIFFITH, J.J. et al. Avaliação do banco de sementes contido na serapilheira de um fragmento florestal visando recuperação de áreas degradadas. Cerne, Lavras, v. 12, n. 1, p.56-67, 2006.

STATSOFT, Inc. STATISTICA (data analysis software system), version 6. 2001. (Software estatístico)

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. Clareiras naturais e a riqueza de espécies pioneiras em uma Floresta Atlântica Montana. Revista Brasileira de Biologia, v. 59, n.2, p.251-261, 1999.

VELOSO, H.P.; RANGEL FILHO, A.L.R.; LIMA, J.C.A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 123p.

VIANELLO, R.L.; ALVES, A.R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: UFV, Impr. Univ., 1991. 449 p.

VOLL, E.; TORRES, E.; BRIGHENTI, A.M. et al. Dinâmica do banco de sementes de plantas daninhas sob diferentes sistemas de manejo de solo. Planta Daninha, v.19, n.2, p.171-178, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981963