Oxidação fenólica, tipo de explante e meios de cultura no estabelecimento in vitro de canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.) Taub.).

Josiana Scherer Bassan, Lia Rejane Silveira Reiniger, Beatriz Helena Gomes Rocha, Cássia Rejane Peiche Severo, Andressa Vasconcelos Flores

Resumo


A canafístula, Peltophorum dubium (Spreng.) Taub. é uma espécie florestal nativa e com ampla dispersão geográfica, desempenhando um papel pioneiro nas áreas abertas, em capoeiras e matas degradadas. Apresenta um rápido crescimento e se adapta facilmente, sendo muito recomendada para reflorestamento homogêneo. A madeira é utilizada em construções civis, indústria de móveis, construção naval e militar. A micropropagação é uma técnica utilizada com bastante sucesso, apresentando, entre outras vantagens, um rápido aumento no número de plantas geneticamente idênticas partindo de plantas selecionadas. Os objetivos do trabalho são avaliar a influência da luz no controle da oxidação fenólica dos explantes de canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.), determinar o meio nutritivo e o tipo de explante mais adequado para o estabelecimento in vitro de canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.). Foram realizados dois experimentos. No primeiro, ápices caulinares foram cultivados em meio base MS a 25 ± 3°C, por 7 dias no escuro e, posteriormente, sob fotoperíodo de 16 horas de luz e intensidade luminosa de 20 μmol.m2.s-1, fornecida por lâmpada fluorescente branca durante 21 dias ou permaneceram na câmara de crescimento com exposição à luz durante todo o experimento. Foi empregado o delineamento inteiramente casualizado com cinco repetições contendo quatro unidades experimentais (UE). A oxidação fenólica foi observada após 21 dias de cultivo. Não ocorreu oxidação fenólica em nenhum dos tratamentos analisados. No segundo experimento, ápices caulinares e segmentos nodais foram cultivados em meio base MS e meio WPM. Os explantes foram mantidos em sala de crescimento com fotoperíodo de 16 horas de luz e intensidade luminosa de 20 μmol.m2.s-1, fornecidas por lâmpada fluorescente branca fria e temperatura de 25 ± 3°C. A UE foi composta por um frasco de vidro de 150 mL contendo 30 mL de meio nutritivo e um explante. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 x 2 (meio nutritivo e tipo de explante) com cinco repetições por tratamento, cada repetição consistindo de quatro UE. Aos 49 dias de cultivo avaliaram-se as seguintes variáveis: sobrevivência, estabelecimento, presença de raiz, presença de calos, número de nós, número de folhas e altura da parte aérea (mm). Os dados de presença de raiz, presença de calo, sobrevivência e estabelecimento foram analisados pelo teste qui-quadrado. As demais variáveis foram submetidas à análise de variância. Neste experimento, o meio base MS é mais eficiente que o WPM no estabelecimento in vitro de canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.). Não existem diferenças entre a utilização dos explantes ápice caulinar e segmento nodal.


Palavras-chave


meio MS; meio WPM; ápice caulinar; segmento nodal

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, S.A.; SILVA,A. T. A.; MOTA, M. G. C. et al. Uso de tratamentos como antioxidantes de explantes (embrião, endosperma) de andiroba (Carapa guianensis). In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAP ; SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, 7., 1997, Belém. Anais... Belém: FCAP, 1997. p.122-124.

ANDRADE, M.W.; LUZ, J.M.Q.; LACERDA, A.S. et al. Micropropagação de aroeira (Myracrodrun urundeuva Fr. Allemao). Ciência Agrotecnologia, Lavras, v. 24, n.1, p.174-180, 2000.

ASSIS, T.F.; TEIXEIRA, S.L. Enraizamento de plantas lenhosas. In: TORRES, A.C.; CALDAS, L.S.; BUSO, J.A. (eds.) Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: EMBRAPA/CNPH, 1998. p.261-296.

BORGES JUNIOR, N.; SOBROSA, R.C.; MARTINS-CORDER, M.P. Multiplicação in vitro de gemas axilares de acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild.). Revista Árvore, Viçosa, v.28, n.4, p.493-498,

CALDAS, L.S.; HARIDASAN, P.; FERREIRA, M.E. Meios Nutritivos. In: TORRES, A.C.; CALDAS, L.S.; BUSO, J.A. (eds.) Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: EMBRAPA/CNPH, 1998. p.533-568.

CARVALHO, P.E.R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: EMBRAPA Florestas, 2003. 1039p.

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e usos da madeira. Colombo: EMBRAPA–CNPF, 1994. 640p.

CORDEIRO, I.M.C.C.; LAMEIRA, O.A.; OHASHI, S.T. et al. Efeito do BAP sobre a proliferação de brotos in vitro de Schizolobium amazonicum Huber ex Ducke (paricá). Cerne, Lavras, v.10, n.1, p.118-124, 2004.

DEBERGH, P.C.; READ, P.E. Micropropagation. In: DEBERGH, P. C., ZIMMERMAN, R. H. Micropropagation: technology and application. Dordrecht: Kluwer, 1991. p.1-13.

ERIG, A.C.; SCHUCH, M.W. Multiplicação in vitro de marmeleiro (Cydonia oblonga Mill.) CV. MC: Efeito do tipo e concentração da formulação salina do meio de cultura. Revista Científica Rural, Bagé, v. 10, n.1, p.71-77, 2005.

FACHINELLO, J.C.; HOFFMAN, A.; NACHTIGAL, J.C. et al. Propagação de plantas frutíferas de clima temperado. Pelotas: UFPEL, 1994. 179p.

FISHER, R.A. Statistical methods for research workers. 8.ed. London: Oliver and Boyd, 1941. 35p.

FLORES, R.; STEFANELLO, S.; FRANCO, E.T.H. et al. Regeneração in vitro de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart.). Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 4, n.3, p.2001-2005, 1998.

GAMBORG, O.L.; MILLER, R.A.; OJIMA, K. Nutrient requirements of suspension culture of soybean root cells. Experimental Cell Research, v.50, p.151-158, 1968.

GRATTAPAGLIA, D., MACHADO, M.A. Micropropagação. In: TORRES, A.C., CALDAS, L. S., BUSO, J.A. (eds.) Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: EMBRAPA/CNPH, 1998. p.183-260.

GUERRA, M.P.; HANDRO, W. Somatic embryogenesis in tissue cultures of Euterpe edulis Mart (Palmae). In: ARAUJA, R. (ed) Woody plant biotechnology. New York: Plenum Press, 1991. p.189-196.

HARTENEY, V.J. Vegetative propagation of Eucalyptus. Australian Forestry Research. v.10, p.191-211, 1979.

KIRST, M.; SEPEL, L.M.N. Micropropagação de Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert a partir de ápices caulinares de plântulas. In: SIMPÓSIO SOBRE ECOSSISTEMAS NATURAIS DO MERCOSUL, 1., 1996, Santa Maria. Anais... Santa Maria: UFSM, 1996. p.141-146.

JONES, T.C.; BATCHELOR, C.A.; HARRIS, P.J.C. In Vitro Culture and Propagation of Acacia Species (A. Bivenosa, A. Holosericea, A. Salicina, A. Saligna, and A. Sclerosperma). International Tree Crops Journal, Oxon, v.6, n.2/3, p.183-192, 1990.

LLOYD, G.; McCOW, B. Commercially feasible micropropagation of montaim laurel, Kalmia latifolia, by use of shoot tip culture. Combinet Proceedings International Plant Propagators Society, v. 30, p.421-427, 1981.

LOPES, S.C.; LAMEIRA, O.A.; FORTES, G.R.L. et al. Enraizamento in vitro de mogno (Swietenia macrophylla King). Cerne, Lavras, v.7, n.1, p.124-128, 2001.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 161p. v.1.

MALDONADO, G.C.C.; VILLALOBOS, M.C.R.; SIERRALTA, S.L. Tipo de explante en el establecimiento in vitro del guanábano (Annona muricata L.). Revista de la Faculdad de Agronomía, Maracaibo, n.18, p.258-265, 2001.

MANTOVANI, N.C.; FRANCO, E.T.H.; GUERRA, M.P. et al. Micropropagação de caixeta Dydimopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et Planch. Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.5, p.15-33, 1999.

MANTOVANI, N.C.; FRANCO, E.T.H.; VESTENA, S. Regeneração in vitro de louro-pardo (Cordia trichotoma (Vell.) Steud.). Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.2, p.93-101, 2001.

MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das angiospermas: leguminosas. Santa Maria: UFSM, 1997. 200p.

MARKS, T.R.; SIMPSON, S.E. Reduced phenolic oxidation at culture initiation in vitro following the exposure of field-grown stockplants to darkness or low levels of irradiance. Journal of Horticultural Science, Ashford Kent, v.65, n.2, p.103-111, 1990.

MONACO, L.C.; SÖNDAHL, M.R.; CARVALHO, A. et al. Applications of tissue culture in the improvement of coffee. In: REINERT, J.; BAJAJ, Y.P.S. Applied and fundamental aspects of plant cell, tissue, and organ culture. Berlin: Springer-Verlag, 1977. p.109-126.

MURASHIGE, T.; SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bio-assays with tobacco tissue ultures. Physiologia Plantarum, Copenhagen, n. 1, p. 437-496, 1962.

PARANJOTHY, K.; SAXENAIS, S.; BANERJEE, M. et al. Clonal multiplication of woody perennials. In: BHOJWANI, S.S. (ed) Plant tissue culture: aplications and limitations. Amsterdam: Elsevier, 1990, p.190-219.

PEARSON, E.S.; HARTLEY, H.O. Biometrika tables for staticians. Cambridge: University Press, 1970, 270p. v.1.

PERRANDO, E.R. Propagação vegetativa de acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild.). 2003. 123f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2003.

PINTO, J.E.B.P.; ARELLO,E.F.; PINTO, C.A. et al. Uso de diferentes explantes e concentrações de benzilaminopurina na multiplicação in vitro de brotos de Kielmeyera cariacea. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.29, n.6, p.867-873, 1994.

RADMANN, E.B.; GONÇALVES, E.D.; FORTES, G.R.L. Concentrações de acido indolbutírico e períodos de escuro, no enraizamento “in vitro” de amoreira-preta (Rubus sp.), CV EBANO. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.25, n.1, p 124-126, 2003.

REITZ, R.; KLEIN, M.; REIS, A. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Companhia Rio-Grandense de Artes Gráficas, 1988. 525p.

SABÁ, R.T.; LAMEIRA, O.A.; LUZ, J.M.Q. et al.. Micropropagação do jaborandi. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 20, n.1, 2002.

SATO, A.Y.; DIAS, H.C.T.; ANDRADE, L.A. et al. Micropropagação de Celtis sp. controle da contaminação e oxidação. Cerne, Lavras, v.7, n.2, p.117-123, 2001.

SERAFINI, L.A.; BARROS, N.M.; AZEVEDO, J.L. Biotecnologia na agricultura e na agroindústria. Guaíba: Agropecuária, 2001. 463p.

SINGH, N.K.; SEHGAL, C.B. Micropropagation of “Holy basil” ( Ocimum sanctum L. ) from young inflorescens of mature plants. Plant Growth Regulation, Ashford Kent, n.29, p.161-166, 1999.

STATSOFT. Statistica for windows. version 6.0. Tulsa : Statsoft, 1998.

TEIXEIRA, J.B. Limitações ao processo de cultivo in vitro de espécies lenhosas. Disponível em: Acesso em: 30 nov. 2005.

THORPE, T.A.; HARRAY, I.S.; KUMAR, P.P. Morphogenesis and regeneration. In: VASIL, I.K.; THORPE, T.A. Plant cell and tissue cult. Dordrecht: Kluwer, 1994. p.17-35.

VILLA, F.; ARAUJO, A.G.; PIO, L.A.S. et al. Multiplicação in vitro de amoreira-preta ‘ebano’ em diferentes concentrações de meio MS e BAP. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 29, n.3, p.582-589, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981919