Sobrevivência e vigor vegetativo de plantas de erva-mate (Ilex paraguariensis A. St.- Hil.) enxertadas diretamente a campo.

Danilo Martin Domingos, Ivar Wendling

Resumo


O presente trabalho objetivou avaliar a sobrevivência e o vigor vegetativo de material genético adulto selecionado de erva-mate (Ilex paraguariensis A.St.- Hil.) enxertado diretamente a campo. A enxertia foi realizada em plantas de aproximadamente 3 anos de idade, sendo o material vegetativo enxertado coletado do terço inferior ou próximo da base de duas árvores selecionadas com a idade estimada em torno de 70 anos. O método de enxertia utilizado foi o de garfagem em fenda cheia, onde foram enxertadas 48 plantas com material de cada uma das duas matrizes. Os dados de sobrevivência foram obtidos aos 60 e 90 dias após a enxertia, e de crescimento (quantidade e comprimento total de brotos por enxerto vivo) aos 90 e 120 dias da enxertia. Pôde-se concluir sobre a enxertia da erva-mate realizada diretamente a campo que: é viável tecnicamente, havendo um decréscimo na sobrevivência das plantas enxertadas em função do número de dias após a enxertia; as matrizes utilizadas apresentaram comportamentos distintos na porcentagem de sobrevivência e; os enxertos sobreviventes demonstraram um bom vigor de crescimento.


Palavras-chave


propagação vegetativa; enxertia; <i>Ilex paraguariensis</i>

Texto completo:

PDF

Referências


BERTOLOTI, G.; MORA A. L.; HIGA A. R.; GONÇALVES A. N.; FERREIRA M. Enxertia de Eucalyptus urophylla S. T. Blake pelos métodos de garfagem em fenda cheia e borbulhia em janela aberta. Silvicultura, São Paulo, v. 8, n. 32, p. 755–756, 1983a

BERTOLOTI, G.; MORA A. L.; HIGA A. R.; GONÇALVES A. N.; FERREIRA M. Enxertia homoplástica e heteroplástica entre Eucalyptus grandis Hill ex Maiden e Eucalyptus urophylla S. T. Blake pelo método de inglês complicado. Silvicultura, São Paulo, v. 8, n. 32, p. 753–754, 1983b

GURGEL FILHO, O. A. A propagação vegetativa de espécies florestais. Revista de Agricultura, n. 34, p. 119-130, 1959.

HARTMANN, H. T.; HUDSON, T.; KESTER, D.E.; DALE E. K.; DAVIES JR., F.T.; GENEVE, R. L. Plant propagation: principles and practices. 7.ed. London : Prentice-Hall, 2002.

HIGA, A. R. Propagação vegetativa de Eucalyptus grandis Hill Ex Maiden por enxertia. 1979. 60p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1979.

KAO, Y. P.; HUANG, S. G. Cuttings propagation of Cinnamomum kanehirae. Bulletin of the Taiwan Forestry Research Institute, v. 53, n. 8, p. 371-388, 1993. 1 CD-ROM.

MENZIES, M. I. Management of stock plants for the production of cutting material. In: SYMPOSIUM IN IUFRO’S CENTENNIAL YEAR-MASS PRODUCTION TECHNOLOGY FOR GENETICALLY IMPROVED FAST GROWING FOREST TREE SPECIES, 1992, Bordeaux. Syntheses... Paris: AFOCEL, IUFRO, 1992. p. 145-158. (Colloque AFOCEL - IUFRO).

NIKLAS, O. C. Injertacion de yerba mate. Citrus Misiones, Misiones, v. 20, p. 7-9, 1990.

OLISZESKI, A.; NEIVERTH, D. D. Recuperação de erveiras nativas por enxertia. Boletim de pesquisas florestais, Colombo, n. 44, p. 127–132, 2002. (EMBRAPA/CNPF).

ROCHA, M. G. B.; ROCHA, D.; CLEMENTE, V. C.; et al. Propagação vegetativa de espécies arbóreas nativas. In: Melhoramento de espécies arbóreas nativas. Belo Horizonte: Instituto Estadual de Florestas, Diretoria de Desenvolvimento Florestal Sustentável, 2002. 173 p.

STURION, J. A. Produção de mudas e implantação de povoamentos com erva-mate. Colombo: EMBRAPA–CNPF, 1998. 10 p. (Circular Técnica, 17).

SUITER FILHO, W.; YONEZAWA J. T. Survival of Eucalyptus saligna grafted by different methods. New Zeland Journal of Forestry Science, New Zeland, p. 235, 1974.

WENDLING, I.; SOUZA JUNIOR, L. Propagação vegetativa de erva-mate (Ilex paraguariensis Saint Hilaire) por miniestaquia de material juvenil. In: CONGRESSO SUL-AMERICANO DA ERVA-MATE, 3., 2003, Chapecó; FEIRA DO AGRONEGÓCIO DA ERVA-MATE, 2003, Chapecó. Anais... Chapecó: EPAGRI, 2003.

ZUNTI, A. C. Anatomia da soldadura do enxerto tipo garfagem no topo, em Eucalyptus saligna Smith. 1972. 29p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1972.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981892