Crescimento de mudas de Jacaranda puberula Cham. em viveiro submetidas a diferentes níveis de luminosidade.

Lausanne Soraya de Almeida, Noemi da Maia, Adalgiza Robles Ortega, Alessandro Camargo Angelo

Resumo


Jacaranda puberula, conhecida como caroba, é uma espécie que apresenta potencial de uso para recomposição de áreas degradadas, por possuir rápido crescimento, agressividade e adaptar-se bem a solos arenosos e argilosos, ocorrendo em capoeiras e capoeirões. Com o intuito de se obter informações sobre espécies potenciais para uso em restauração de ambiente ripário foi estudado, no viveiro da prefeitura do município de Colombo, o desenvolvimento de mudas de Jacaranda puberula submetidas a 0, 30, 50 e 70% de sombreamento. Foram avaliadas as seguintes variáveis: altura (60, 90 e 120 dias) e diâmetro de coleto (90 e 120 dias) de 21 mudas e, área foliar e peso seco da raiz e parte aérea de seis mudas por tratamento, no final do experimento (120 dias após a repicagem). Mudas expostas a pleno sol apresentaram alto índice de mortalidade, portanto esse tratamento não foi discutido e comparado aos demais. O tratamento com 30% de sombreamento mostrou-se superior aos demais em todas as variáveis, sendo recomendado para a produção de mudas de Jacaranda puberula nas condições testadas. Já as menores médias das variáveis analisadas foram obtidas aos 120 dias para o sombreamento de 70%, indicando que esse tratamento não é recomendável para a produção de mudas dessa espécie em viveiro. A melhor condição para a introdução dessa espécie em uma área a ser recuperada é em clareiras (30 a 50% de sombreamento), uma vez que, na naturezas, também pode ser observado que a sua ocorrência em geral não é a pleno sol.


Palavras-chave


sombreamento; produção de mudas; floresta ripária

Texto completo:

PDF

Referências


BANZATTO, D.A.; KRONKA, S.N. Experimentação agrícola. Jaboticabal: FUNEP, 1995. 247p.

BUDOWSKI,G. Distribution of tropical american rain forest species in the light of successional processes. Turrialba, Turrialba, v. 15, n. 1, p. 40-42, 1965.

CARNEIRO, J.G.A. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba: FUPEF, 1995. 451p.

CAVALCANTE, A.M.B.; SOARES, J.J.; FIGUEIREDO, M. A. Comparative phytosociology of tree sinusiae between contiguous forests in different stages of succession. Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janerio, v. 60, n. 4, p. 551-562, 2000.

CHAVE, J. Spatial patterns and persistence of woody plant species in ecological communities. American Naturalist, Lancaster, v. 157, n. 1, p. 51-65, 2001.

DANIEL, O.; OHASHI, S.T.; SANTOS, R.A. et al. Produção de mudas de Goupia glabra (cupiúba): efeito de níveis de sombreamento e tamanho de embalagens. Revista Árvore, Viçosa, v. 18, n. 1, p. 1-13, 1994.

GLUFKE, C. Espécies florestais recomendadas para recuperação de áreas degradadas. Porto Alegre: Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 1999. 48p.

GONÇALVES, J.L.M.; SANTARELLI, E.G.; MORAES NETO, S.P. et al. Produção de mudas de espécies nativas: substrato, nutrição, sombreamento e fertilização. In: GONÇALVES, J.L.M; BENEDETTI, V. Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 310-350.

INOUE, M.T.; RODERJAN, C.V.; KUNIYOSHI, Y.S. Projeto madeira do Paraná. Curitiba: FUPEF, 1984. 206p.

LASSOIE, J. P.; DOUGHERTY P. M.; REICH, P. B. et al. Ecophysiological investigations of understory eastern redcedar in central Missouri. Ecology, v. 64, n. 6, p. 1355-1366, 1983.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1998. 352p.

MAZZEI, L. J.; FELFILI, J.M.; REZENDE, A.V. et al. Crescimento de plântulas de Schefflera morototoni (Aubl.) Maguire, Steyermark e Frondi em diferentes níveis de sombreamento no viveiro. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer, Brasília, v. 3, p. 27-36, 1998.

MORAES NETO, S.P.; GONÇALVES, J.L.M.; Efeitos da luminosidade sobre o estado nutricional de mudas de seis espécies arbóreas que ocorrem na mata atlântica. Revista Árvore, Viçosa, v. 25, n. 1, p. 29-38, 2001.

NARDOTO, G.B.; SOUZA, M.P.; FRANCO, A.C. Estabelecimento e padrões sazonais de produtividade de Kielmeyera coriacea (Spr) Mart. nos cerrados do Planalto Central: efeitos do estresse hídrico e sombreamento. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 313-319, 1998.

PARROTTA, J. A.; TURNBULL, J. W.; JONES, N. Catalyzing native forest regeneration on degraded tropical lands. Forest Ecology and Management, n. 99, p. 1-7, 1997.

PEREZ, S.C.J.G.A; MORAES, J.A.P.V. Determinação de potencial hídrico, condutância estomática e potencial osmótico em espécies dos estratos arbóreo, arbustivo e herbáceo de um cerradão. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, Botucatu, v. 3, n. 1, p. 27-37, 1991.

PIMENTA, J.A.; MEDRI, M.E.; BIANCHINI, E. et al. Aspectos de morfoanatomia e fisiologia de Jacaranda puberula Cham. (Bignoniaceae) em condições de hipoxia. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 215-220, 1996.

PINTO, A.M.; VARELA, V.P.; BATALHA, L.F.P. Influência do sombreamento no desenvolvimento de mudas de Louro pirarucu (Licaria canella (Meissn.) Kosterm.). Acta Amazônica, Manaus, v. 23, n. 4, p. 397-402, 1993.

REIS, M.G.F.; REIS, G.G.; LELES, P.S.S. et al. Exigências nutricionais de mudas de Dalbergia nigra (Vell.) Fr. Allem (jacaranda-da-Bahia) produzidas em dois níveis de sombreamento. Revista Árvore, Viçosa, v. 21, n. 4, p. 463-471, 1997.

REITZ, P.R. Bignoniaceae. In: ___. Flora catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1974. 172p.

REZENDE, A.V.; SALGADO, M.A.S.; FELFILI, J.M. et al. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Cryptocaria aschersoniana Mez. submetidas a diferentes regimes de luz em viveiro. Boletim-do-Herbário-Ezechias-Paulo-Heringer, Brasília, v. 2, p. 19-34, 1998.

RODERJAN, C.V. Morfologia do estágio juvenil de 24 espécies arbóreas de uma floresta com Araucária. 1983. 148p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1983.

SALGADO, M.A.S.; REZENDE, A.V.; SOUSA-SILVA, J.C. et al. Crescimento inicial de Zanthoxylum rhoifolium Lam. em diferentes condições de sombreamento. Boletim-do-Herbário-Ezechias-Paulo-Heringer, Brasília, v. 3, p. 37-45, 1998.

SANTARELLI, E.G. Produção de mudas de espécies nativas para florestas ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP/ FAPESP, 2001. p. 313-318.

SHROPSHIRE, C.; WAGNER, R. G.; BELL, F. W. et al. Light attenuation by early successional plants of the boreal forest. Canadian Journal of Forest Research, Ottawa, v. 31, n. 5, p. 812-823, 2001.

STURION, J.A. Influência da profundidade de semeadura, cobertura do canteiro e sombreamento, na formação de mudas de Prunus brasiliensis Schott ex Spreng. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 1, p. 50-75, 1980.

STURION, J.A.; IEDE, E.T. Influência da profundidade de semeadura, cobertura do canteiro e sombreamento, na formação de mudas de Ocotea porosa (Ness) Liberato Barroso (Imbuia). Silvicultura, São Paulo, n. 28, p. 513-516, 1982.

VARELA, V.P.; SANTOS, J. Influência do sombreamento na produção de mudas de Angelim pedra (Dinizia excelsa Ducke). Acta Amazônica, Manaus, v. 22, n. 3, p. 407-411, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981870