Utilização do Quociente de de Liocourt na avaliação da distribuição diamétrica em fragmentos de Floresta Ombrófila Aberta em Pernambuco.

Francisco Tarcísio Alves Junior, Rinaldo Luiz Caraciolo Ferreira, José Antônio Aleixo da Silva, Luiz Carlos Marangon, Roberto Felix Costa Junior, Shirley de Oliveira Silva

Resumo


Grande parte da biodiversidade do ecossistema das florestas tropicais está se perdendo, antes mesmo que se tenha inteiro conhecimento de sua riqueza natural, assim, torna-se importante a realização de estudos, a fim de propiciar o conhecimento e a manutenção da sua estrutura, além de viabilizar a exploração de seus produtos, bens e/ou serviços provenientes de forma planejada e racional, garantindo o fluxo contínuo desses recursos. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi utilizar o quociente de De Liocourt na avaliação da distribuição diamétrica em fragmentos de Floresta Ombrófila localizados no município de Catende, Zona da Mata Sul do estado de Pernambuco, visando a descrever a estrutura diamétrica dos fragmentos estudados pelo seu Índice de Valor de Importância (IVI), bem como avaliar a degradação e o estado sucessional das áreas. A distribuição diamétrica comportou-se como o esperado para florestas inequiâneas, ou seja, curva de distribuição diamétrica assemelhando-se a um J-invertido. Os valores de área basal nos fragmentos foram de 23,6m2.ha-1, para a Mata das Caldeiras e de 20,9 m2.ha-1 para a Mata das Galinhas. Os fragmentos pesquisados encontram-se em estágio médio de sucessão. Algumas espécies apresentaram dificuldades na taxa de recrutamento, podendo gerar futuramente a sua extinção. Espécies como: Tapirira guianensis Aubl., Dialium guianense (Aubl.) Sandwith e Brosimum discolor Schott, demonstraram estrutura diamétrica distinta entre os fragmentos. A espécie Plathymenia foliolosa Benth. apresentou descontinuidade acentuada na estrutura diamétrica em ambas as áreas.

Palavras-chave


estrutura diamétrica; Floresta Ombrófila Aberta; fragmentação florestal; distúrbios antrópicos

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, E. The principles of forest yield: studies in the organic production, structure, increment and yield of forest stands. Oxford: Pergamon Press, 1970. 506 p.

AUSTREGÉSILO, S. L., et al. Comparação de métodos de prognose da estrutura diamétrica de uma Floresta Estacional Semidecidual secundária. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 2, p. 227-232, 2004.

CAMPOS, J. C. C.; RIBEIRO, J. C., COUTO, L. Emprego da distribuição diamétrica na determinação da intensidade de corte em matas naturais submetidas ao sistema de seleção. Revista Árvore, Viçosa, v. 7, n. 2, p. 110-122, 1983.

CLUTTER, J. L. et al. Timber management: a quantitative approach. New York: John Wiley & Sons. 1983. 333 p.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução Nº 31, de 7 de dezembro de 1994. Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica para o Estado de Pernambuco. Brasília-DF: CONAMA, 1994. Disponível em: . Acesso em: 18 fevereiro 2007.

CONDEPE. Catende. Recife, 1987. 62 p. (Monografias Municipais, 27).

DE LIOCOURT, F. De l’amenagement des sapinières. Tradução Maria Nygren. Société Forestière de Franche-Comté et Belfort, Bulletin trimestriel, p.396-409, juillet 1898.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de classificação de solos. 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2005.

FELFILI, J. M. Diameter and height distributions in a gallery forest community and some of its main species in central Brazil over a six-year period (1985-1991). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 20, p. 155-162, 1997.

FELFILI, J. M.; SILVA JUNIOR, M. C. Distribuição dos diâmetros numa faixa de cerrado na Fazenda Água Limpa (FAL) em Brasília-DF. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 104, n. 2, p. 85-104, 1988.

FELFILI, J. M.; SILVA JUNIOR, M. C.; NOGUEIRA, P. E. Levantamento da vegetação arbórea na região de Nova Xavantina, MT. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer, Brasília, n. 3, p. 63-81, 1998.

FERREIRA, R. L. C.; VALE, A. B. Subsídios básicos para o manejo florestal da caatinga. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 4, n. único, pt. 2, p. 368-375, 1992.

FERREIRA, R. L. C.; SOUZA, A. L.; JESUS, R. M. de. Dinâmica da estrutura de uma floresta secundária de transição. II - Distribuição diamétrica. Revista Árvore, Viçosa, v. 22, n. 3, p. 331-344, 1998.

FRANKE, C. R. et al. (Orgs.) Mata Atlântica e Biodiversidade. Salvador: Edufba, 2005. 461 p.

GAMA, J. R. V.; BENTES-GAMA, M. M.; SCOLFORO, J. R. S. Manejo sustentado para Floresta de Várzea na Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 5, p. 719-729, 2005.

GANDOLFI, S.; LEITÃO FILHO, H. F.; BEZERRA, C. L. F. Composição florística e estrutura fitossociológica de uma Mata Residual na Área do Aeroporto Internacional de Cumbica (Guarulhos). Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janeiro, v. 55, n. 4, p. 753-767, 1995.

GRAZ, F. P. Structure and diversity of the dry woodland savanna of northern Namibia. 2004. 158 f. Tese (Doutorado em Nature Conservation) - Tan der Fakultät f¨ur Forstwissenschaften und Waldökologie, der Georg-August-Universität Göttingen, Göttingen-Alemanha, 2004.

KURTZ, B. C.; ARAÚJO, D. S. D. Composição florística e estrutura do componente arbóreo de um trecho de Mata Atlântica na Estação Ecológica Estadual do Paraíso, Cachoeiras de Macacu, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguesia, Rio de Janeiro, v. 51, n. 78/115, p. 69-112, 2000.

MACHADO, E. L. M. et al. Análise comparativa da estrutura e flora do compartimento arbóreo-arbustivo de um remanescente florestal na fazenda Beira Lago, Lavras, MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 4, p.499-516, 2004.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: UNICAMP, 1991. 245 p.

MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, Bethesda, n. 52, v. 2, p. 85-92, 1952.

NASCIMENTO, A. R. T.; FELFILI, J. M.; MEIRELLES, E. M. Florística e estrutura da comunidade arbórea de um remanescente de Floresta Estacional Decidual de encosta, Monte Alegre, GO, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 659-669, 2004.

NUNES, Y. R. F. et al. O. Variações da fisionomia da comunidade arbóreos em um fragmento de Floresta Semidecidual em Lavras, MG. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 213-229, 2003.

OLIVEIRA, R. R. Ação antrópica e resultantes sobre a estrutura e composição da Mata Atlântica na Ilha Grande, RJ. Rodriguesia, Rio de Janeiro, v. 53, n. 82, p. 33-58, 2002.

OLIVEIRA, M. L. R. et al. Equações de volume de povoamento para fragmentos florestais naturais do município de Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 2, p. 213-225, 2005.

ONAINDIA, M. et al. Vegetation diversity and vertical structure as indicators of forest disturbance. Forest Ecology and Management, Amsterdam, n. 195, p. 341–354, 2004.

PAULA, A. et al. Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma floresta estacional semidecidual, Viçosa, MG, Brasil. Acta Botânica Brasílica. São Paulo, n. 18, v. 3, p. 407-423, 2004.

PAULA, A. et al. Alterações florísticas ocorridas num período de quatorze anos na vegetação arbórea de uma floresta estacional semidecidual em Viçosa-MG. Revista Árvore, Viçosa, v.26, p.743-749, 2002.

PIRES-O’BRIEN, M.J.; O’BRIEN, C.M. Ecologia e modelamento de florestas tropicais. Belém: FCAP/Serviço de Documentação e Informação, 1995. 400 p.

RANTA, P. et al. The fragmented atlantic rain Forest of Brazil: size, shape and distribution of Forest fragments. Biodiversity and conservation, Dordrecht, v. 7, p. 385-403, 1998.

SCHAAF, L. B. et al. Alteração na estrutura diamétrica de uma Floresta Ombrófila Mista no período entre 1979 e 2001. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 283-295, 2006.

SCOLFORO, J. R.; OLIVEIRA, A. D. S.; SILVA, S. T. O manejo da vegetação nativa através de corte seletivo. In: CURSO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL, 1., 1997, Curitiba. Tópicos de manejo florestal sustentável. Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1997. 253 p.

SILVA JÚNIOR, M. C. Fitossociologia e estrutura diamétrica da Mata de Galeria do Taquara, na Reserva Ecológica do IBGE, DF. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 3, p. 419-428, 2004.

SIMINSKI, A. et al. Sucessão Florestal Secundária no município de São Pedro de Alcântara, litoral de Santa Catarina: estrutura e diversidade. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 21-33, 2004.

SOARES, M. L. G. et al. Diversidade Estrutural de Bosques de Mangue e sua Relação com Distúrbios de Origem Antrópica: o caso da Baía de Guanabara (Rio de Janeiro). Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, Rio de Janeiro, v. 26, p. 101-116, 2003.

SOUZA, D. R.; SOUZA, A. L. Emprego do método BDq de seleção após a exploração florestal em floresta ombrófila densa de terra firme, Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 4, p. 617-625, 2005.

SOUZA, D. R. et al. Análise estrutural em Floresta Ombrófila Densa de Terra Firme não explorada, Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 1, p. 75-87, 2006.

STERBA, H. Equilibrium curves and growth models to deal with forests in transition to uneven-aged structure – application in two sample stands. Silva Fennica, n. 38, v. 4, p. 413-423, 2004.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. A regeneração de uma Floresta Tropical Montana após corte e queima (São Paulo – Brasil). Revista Brasileira de Biologia, São Paulo, v. 59, n. 2, p. 239-250, 1999.

TONINI, H. et al. Utilização do conceito de floresta balanceada e taxa de corte sustentada para o manejo de Florestas mistas ineqüiâneas: Um estudo de caso. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO SOBRE MANEJO FLORESTAL, 1., 2000, Santa Maria. Anais …, Santa Maria:UFSM, 2000. p . 273-293.

VALE ,T. R. Forest changes in the Warner Mountains, California. Annals of the Association of American Geographers, v. 67, n. 1, p. 28-45, 1977.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 123 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981854