Crescimento inicial de espécies florestais na recomposição da mata ciliar em taludes submetidos à técnica da bioengenharia de solos.

Francisco Sandro Rodrigues Holanda, Luciana Godinho Nery Gomes, Igor Pinheiro da Rocha, Thiago Tavares Santos, Renisson Neponuceno de Araújo Filho, Thiago Roberto Soares Vieira, João Basílio Mesquita

Resumo


A Bacia Hidrográfica do rio São Francisco, vem sendo submetida a fortes impactos ambientais por meio de alterações do regime hidrológico e sedimentológico, além de avançada destruição da sua mata ciliar. A vegetação ciliar possui importante função na proteção das margens dos rios promovida pela cobertura vegetal e seu sistema radicular, melhorando a agregação de um solo pouco coeso, diminuindo o arraste de partículas e, consequentemente resultando em menor taxa de erosão e assoreamento do curso d'água. Este trabalho teve como objetivo avaliar o crescimento inicial de espécies florestais em talude marginal submetido à técnica de bioengenharia de solos no rio São Francisco. A bioengenharia de solos foi composta pela cobertura longitudinal do talude com o biotêxtil (Tela Fibrax® 400BF), e em razão das variações diárias de cota do rio foram também utilizados retentores de sedimentos (Bemalonga® D40) para redução ao impacto da água na base do talude, evitando o solapamento promovido pelo fluxo e refluxo das ondas. Antes da fixação do biotêxtil, foram semeadas a lanço sementes da espécie Brachiaria decumbens para promoção de uma rápida cobertura vegetal. Em seguida foram plantadas mudas de seis espécies florestais nativas da região: aroeira vermelha (Schinus terebinthifolius Raddi.), pau-pombo (Tapirira guianensis Aubl.), mulungu (Erythrina velutina Willd.), tamboril (Enterolobium contortisiliquum (Vellozo) Morong), canafístula (Cassia grandis L.f.) e pau-ferro (Caesalpinia leiostachya (Bentham) Ducke). O desenvolvimento das mudas foi analisado por meio da Taxa de Crescimento Relativo de Altura da parte aérea e Diâmetro do colo. Após 360 dias, ao final das avaliações, observou-se que o maior número de indivíduos vivos foi identificado no tratamento com bioengenharia de solos. A grande densidade e agressivo crescimento da espécie Brachiaria decumbens na área com biotêxtil, trouxe danos para o desenvolvimento inicial das mudas arbóreas.


Palavras-chave


espécies arbóreas nativas; recuperação de taludes marginais; rio São Francisco

Texto completo:

PDF

Referências


ANA – Agência Nacional de Águas. Projeto GEF São Francisco, 2001. Disponível em: <( http://www.ana.gov.br/gefsf/conteudo.asp?ecod=137&idmcod=1)> Acesso em: 19 de outubro de 2008. ARAGÃO, A. G. et al. Produção de mudas de espécies arbóreas nativas para restauração de matas ciliares. In: REUNIÃO NORDESTINA DE BOTÂNICA, 26., 2004, Petrolina,. Anais... Petrolina: Sociedade Botânica do Brasil, 2004. 1CD-ROM.

BARBOSA, E. G.; PIVELLO, V. R.; MEIRELES, S. T. Allelopathic evidence in Brachiaria decumbens and its potential to invade the brazilian cerrados. Brazilian archives of biology and technology, v. 51, n. 4, p. 825-831, July /Aug. 2008.

BENINCASA, M. M. P. Análise de crescimento de plantas (Noções Básicas). Jaboticabal: FCAV-UNESP, 1988. 42 p.

BUDOWSKY, G. Distribution of tropical american rain forest species in the light of successional processes. Turrialba, v. 15, n. 1, pag. 40-42, enero/marzo, 1965.

CASADO, A. P. B. et al. Bank erosion evolution in São Francisco River. Viçosa, Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 26, p. 231-239, jan./mar. 2002.

DAVIDE, A. C. et al. Restauração de matas ciliares. Informe agropecuário, v. 21, n. 207, p. 65-74, nov./dez, 2000.

DEFLOR – Defesa Florestal Ltda. Catálogo de produtos e serviços de bioengenharia. Belo Horizonte: Deflor, 2005. 39 p.

DIAS, T. C. S; ALVES, P. L. C. A.; LEMES, L. N. Efeito da faixa de controle das plantas daninhas sobre o crescimento do cafeeiro. Ciência das plantas daninhas. B. Inf. SBCPD, v. 10, p. 32. nov. 2004.

DURLO, M. A.; SUTILI, F. J. Bioengenharia: manejo biotécnico de cursos de água. Porto Alegre, RS: EST Edições, 2005. 198 p.

ESSENSS – Environmentally Sensitive Streambank Stabilization. Redding, California, 2008. 1CD-ROM.

FERREIRA, R. A. et al. Semeadura direta com espécies florestais na implantação de mata ciliar no Baixo São Francisco em Sergipe. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 37, n. 81, p. 37-46, mar. 2009.

HOLANDA, F. S. R. et al. Riparian fragments affected by bank erosion in the Lower São Francisco River, Northeastern Brazil. Revista Árvore, v. 29, n. 2, p.148-152, mar./abr. 2005.

HOLANDA, F. S. R. et al. Análise multitemporal e caracterização dos processos erosivos no Baixo São Francisco. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 8, n. 2, p.85-94, jul./dez. 2007.

HOLANDA, F .S. R.; ROCHA, I. P.; OLIVEIRA, V. S. Estabilização de taludes marginais com técnicas de bioengenharia de solos no Baixo São Francisco. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 12, n. 6, p.570-575, nov./dez. 2008.

JONES, K.; HANNA, E. Design and implementation of an ecological engineering approach to coastal restoration at Loyola Beach, Kleberg County, Texas. Ecological Engineering, v. 22, p.249-261, July 2004.

KAGEYAMA, P. Y.; CASTRO, C. F. A. Sucessão secundária, estrutura e plantações de espécies arbóreas nativas. IPEF, n. 41/42, p.83-93, jan./dez.1989.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 2. ed. São Paulo: Nova Odessa, 2002. 384 p.

MELO, R. R.; CUNHA, M. C. L. Crescimento inicial de mudas de mulungu (Erythrina velutina Wild.) sob diferentes níveis de luminosidade. Ambiência, v. 4, n. 1, p.67-77, jan./abr.2008.

MELOTTO, A et al. Sobrevivência e crescimento inicial em campo de espécies florestais nativas do Brasil central indicadas para sistemas silvipastoris. Revista Árvore, v. 33, n. 3, p. 425-432, maio/jun. 2009.

PEDROSO, K. B. et al. A importância do elemento arbóreo em SAFs: desenvolvimento de seis espécies em solos semi-hidromórficos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 5., 2004, Curitiba. Anais... Colombo: Embrapa Florestas, 2004. p. 455-457.

PEREIRA, A. R. Como selecionar plantas para áreas degradadas e controle de erosão. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. FAPI, 2008. 239 p.

PITELLI, R. A.; MARCHI, S. R. Interferência das plantas invasoras nas áreas de reflorestamento. In: SEMINÁRIO TÉCNICO SOBRE PLANTAS DANINHAS E O USO DE HERBICIDAS EM REFLORESTAMENTO, 1., 1991, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: 1991. p. 110-123.

RACIN, J. A.; HOOVER, T. P.; AVILA, C. M. C. California bank and shore rock slope protection design. Califórnia: California Department of Transportation, 2000. 109 p.

SCALON, S. P. Q. et al. Armazenamento, germinação de sementes e crescimento inicial de mudas de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. Acta Scientiarum - Biological Sciences, v. 27, n. 2, p.107-112, abr./jun. 2005.

SCALON, S. P. Q. et al. Desenvolvimento de mudas de aroeira (Schinus terebinthifolius) e sombreiro (Clitoria fairchildiana) sob condições de sombreamento. Ciência Agrotécnica, v. 30, n. 1, p.166-169, jan./fev 2006.

SOUZA, L. S.; VELINI, E. D.; MAIOMONI-RODELLA, R. C. S. Efeito alelopático de plantas daninhas e concentrações de capim – brachiária (Brachiaria decumbens) no desenvolvimento inicial do eucalipto (Eucalyptus grandis). Planta daninha, v. 21, n. 3, p.343-354, dez. 2003.

TENÓRIO, E. C. Gramíneas usadas na conservação dos solos. Boletim Técnico do Instituto de Pesquisas Agronômicas, Recife: IPPA, 1970. 22 p.

TOLEDO, R. E. B. et al. Períodos de controle de Brachiaria sp e seus reflexos na produtividade de Eucalyptus grandis. Scientia Forestalis, n. 64, p. 221-232, jun. 2003 a.

TOLEDO, R. E. B. et al. Faixa de controle de plantas daninhas e seus reflexos no crescimento de plantas de eucalipto. Scientia Forestalis, n. 64, p. 78-92, dez. 2003b.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981770