Crescimento em volume de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze em três regiões do Rio Grande do Sul, Brasil.

André Felipe Hess, Paulo Renato Schneider

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo estudar o crescimento de volume em função da idade da Araucaria angustifolia, nas regiões do Planalto Médio, Encosta Superior do Nordeste e Serra do Sudeste do Rio Grande do Sul. Para isso, foram gerados dados de crescimento por idade por dendrocronologia e ajustadas equações de crescimento. A equação de Backman mostrou-se eficiente com aplicação de variáveis dummy, permitindo identificar diferenças no crescimento para as regiões estudadas, indicando haver à necessidade de equações separadas para cada local, o que permite minimizar erros de estimativas. Os resultados obtidos demonstram que em cada região a espécie apresenta forma e velocidade de crescimento volumétrico diferenciado. Na Serra do Sudeste o incremento médio anual máximo foi de 0,0311 m³, aos 56 anos; no Planalto Médio foi de 0,0198 m³, aos 46 anos; e, na Encosta Superior do Nordeste foi de 0,026 m³, aos 48 anos de idade, indicando um bom potencial de crescimento médio em volume nestas regiões de estudo.


Palavras-chave


crescimento; regiões fitogeográficas; <i>Araucaria angustifolia</i>

Texto completo:

PDF

Referências


DANIEL, T. W., HELMS, J. A., BAKER, F. Principles of silviculture. New York: Mc Graw-Hill, 1979, 500 p.

DAVIS, K. P. Forest management, regulation and evaluation. New York: Mc Graw Hill, 1966, 519 p.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação dos solos. Brasília: EMBRAPA. 1999. 412 p.

FREUND, R. J.; LITTELL, R. C. SAS for linear models: A guide to the ANOVA and GLM procedures. Cary. NC: SAS Institute. 1985. 230 p.

GUADAGNIN, D. L.; LAROCCA, J.; SOBRAL, M. Flora vascular de interesse para a conservação da bacia do arroio João Dias: avaliação ecológica rápida. In: RONCHI, L. R.; LOBATO, A. O. C. (Orgs.). Minas do Camaquã. São Leopoldo: Unisinos, 2000 p.71-84.

IPAGRO. Seção de Ecologia Agrícola. Atlas agroclimático do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1989. v.3.

JONAS, L. O. Emprego de geoprocessamento no estudo da relação entre potencial produtivo de um povoamento de eucalipto e atributos do solo e relevo. 2003. 220 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

KIVISTE et al. (2002). Funciones de crecimiento de aplicación en el ámbito forestal. Madrid: Instituto Nacional de Investigación y Tecnología Agraria y Alimentaria. 2002. 190 p.

LOETSCH, F.; ZOHER, F.; HALLER, K. E. Forest inventory. Berlim: BLV, 1973. 469 p. v.2.

MITSCHERLICH, G.; SONNTAG, G. Papelversuche: Modell für eine regenerata und Neupotz-papel-ertragstafel im Oberheingebiet. Allg. Forst und Jg.. n.153, p. 213-219. 1982.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 41 p.

ODUM. E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988. 434 p.

PRODAN, M. Forest biometrics. New York: Pergamon Press. 1968. 447 p.

RICHARDS, F. J. A flexible growth function for empirical use. J. Agr. Pres. v. 46, n. 7, p. 62-638, Jan./Feb.1959.

SAS INSTITUTE. SAS Procedures Guide, version 6.12: Software de análise estatística (software). 3 ed. Cary, NC: SAS Institute, 1993, 1022 p.

SCHNEIDER, P. R.; BRENA, D. A.; FINGER, C. A. Manual para coleta de informações dendrométricas. Santa Maria: UFSM/CEPEF/FATEC. 1988. 28 p.

SCHNEIDER, P. R. Análise de regressão aplicada à Engenharia Florestal. 2 ed. Santa Maria: UFSM, CEPEF, 1998.

SCHWEINBRUGER, F. H. Tree rings and environment dendroecology. Viena: Haupt. 1996. 609 p.

TEIXEIRA et al. Vegetação. As regiões fitoecológicas, sua natureza e seus recursos econômicos. Estudo fitogeográfico. In: Levantamento de recursos naturais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro, 1986, p.541-632. v.33.

THIERSCH, A. Eficiência das distribuições diamétricas para prognose da produção de Eucalyptus camaldulensis. 1997. 155 p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 1997.

VELOSO, H. P.; GÓES FILHO, L. Fitogeografia brasileira: classificação fisionômica-ecológica da vegetação neotropical. Boletim Técnico Projeto Radambrasil, Série Vegetação v.1, p.1-80, 1982.

TONINI, H.; FINGER, C. A. G.; SCHNEIDER, P. R. O crescimento de Nectandra megapotamica Mez. em floresta nativa na depressão central do Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, Santa Maria, v.33, n. 1, p.85-90, jan./fev. 2003.

UFSM/SEMA-RS. Inventário florestal contínuo do Rio Grande do Sul. Santa Maria: UFSM/SEMA-RS, 2001. Disponível em: . Acesso em: 29/07/2005.

OLIVER, C. D.; LARSON, B. C. Forest stand dynamics, update edition. New York: John Wiley, 1996. 520 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981765

Licença Creative Commons