Relações entre as dimensões da copa e a altura das árvores dominantes em povoamentos de Pinus taeda L.

Veridiana Padoin, César Augusto Guimarães Finger

Resumo


Com o objetivo de descrever e modelar as relações morfométricas entre o diâmetro de copa, a percentagem de copa, o comprimento de copa exposto à luz e a altura das árvores dominantes, em povoamentos de Pinus taeda L. foram amostradas 187 unidades amostrais do tipo proposto por Prodan, modificadas para 12 árvores, distribuídas sobre sítios bons e ruins. Em cada unidade amostral, foram identificadas duas árvores dominantes e medidas as dimensões do diâmetro à altura do peito, a altura total, os comprimentos de copa e de copa exposto a luz e, o diâmetro de copa sob oito raios. Os resultados permitiram concluir que o diâmetro de copa e o comprimento de copa exposto à luz crescem com o aumento da altura dominante sendo que as duas relações podem ser descritas com boa precisão estatística por um modelo matemático curvilinear. A relação da percentagem de copa com a altura dominante apresenta alta significância estatística descrita por modelo curvilinear decrescente, tendo sido identificados por análise de covariância três grupos distintos de curvas segundo o local de origem dos dados. A percentagem de copa diminui com o aumento da altura dominante.


Palavras-chave


morfometria; comprimento de copa; diâmetro de copa

Texto completo:

PDF

Referências


AMBIENTE BRASIL. Florestal. Disponível em: . Acesso em: 8 de novembro de 2006.

ASSMANN, E. The Principles of Forest Yield Study. München: BLV, 1970. 490 p.

CLIMA BRASILEIRO. Região Sul. Disponível em: . Acesso em: 2 de maio de 2007.

DURLO, M. A. Relações morfométricas para Cabralea canjerana (Well.) Mart. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 141-149, jan./jun. 2001.

DURLO, M. A. et al. Modelagem da copa de Cedrella fissilis Vellozo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 79-89, jul./dez. 2004.

KAGEYAMA, P. Y.; FONSECA, S. M. Metodologia para seleção e avaliação de árvores superiores de Pinus taeda. Circular Técnica IPEF, Piracicaba, n. 55, 23 p.jul. 1979.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 1989. 422 p.

NUTTO, L. Manejo do crescimento diamétrico de Araucaria angustifolia (Bertol.) O. Ktze. baseado na árvore individual. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 9-25, jul./dez. 2001.

NUTTO, L. et al. Utilização dos parâmetros da copa para avaliar o espaço vital em povoamentos de Pinus elliottii Engelm. Boletim de Pesquisa Florestal, n. 42, p. 123-138. 2001.

POTTER, R. O. et al. Solos do Estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2004. 745 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, n.46).

PRODAN, M., et al. Mensura Forestal. San José: GTZ, 1997. 561 p.

PRODAN, M. Forest Biometric. New York: Pergamon, 1968. 447 p.

SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Manejo Sustentado de Florestas Inequiâneas Heterogêneas. Santa Maria: UFSM, 2000. 195 p.

SCHNEIDER, P. R. Manejo Florestal: Planejamento da Produção Florestal. Santa Maria: UFSM, 2004. 492 p.

STERBA, H. Waldwachstumskunde: Skriptum zur Lehrveranstaltung 420.020. Wien: Universität für Bodenkultur, Institut für Waldwachstumsforschung, 2006, 129 p.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 1. ed. Porto Alegre: EMATER/RS, UFRGS, 2002. 107 p.

TONINI, H.; ARCO-VERDE, M. F. Morfologia da copa para avaliar o espaço vital de quatro espécies nativas da Amazônia. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 40, n. 7, p. 633-638, jul. 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981764

Licença Creative Commons