Possibilidade de ganho de fuste em espécies euxilóforas nativas da região central do Rio Grande do Sul.

Rodrigo Borges de Mattos, Miguel Antão Durlo, Alessandro Dal’Col Lúcio

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido com o intuito de observar e quantificar a possibilidade de ganho de fuste em cinco espécies euxilóforas (Angico (Parapiptadenia rigida), Canjerana (Cabralea canjerana), Cedro (Cedrela fissilis), Grápia (Apuleia leiocarpa), e Louro (Cordia trichotoma) em matas nativas, não-manejadas, de São João do Polêsine, RS. Foram levantadas 17 parcelas temporárias de 10 x 100 m nas matas nativas do município. Nas árvores das cinco espécies eleitas para este estudo, que apresentavam diâmetro à altura do peito (dap) superior a 5 cm, foram medidas a altura total, a altura comercial atual e a altura comercial potencial dos troncos. O ganho de fuste foi definido como a diferença entre a altura comercial atual e potencial, em relação à altura comercial atual e expresso em porcentagem. O percentual médio de ganho de fuste para todas as espécies em conjunto foi superior a 70%. O Louro mostrou um ganho de fuste significativamente menor que as demais espécies. Mediante a análise de regressão (stepwise), selecionou-se modelos matemáticos que melhor descrevem o ganho de fuste de cada espécie e das espécies em conjunto. Os resultados mostraram que existe um potencial para o aumento do valor das formações florestais nativas da região, ainda não-explorado por ações silviculturais.


Palavras-chave


altura comercial das árvores; desrama; formação do fuste; valor da floresta

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Agricultura. Departamento Nacional de Pesquisa Agropecuária. Levantamento de reconhecimento dos solos do Estado do Rio Grande do Sul. Recife, 1973. 431 p. (Boletim Técnico; n. 30).

BRENA, D. A.; LONGHI, S. J. Inventário florestal da região da Quarta Colônia de imigração italiana do Rio Grande do Sul – Santa Maria, RS. Santa Maria, 1998. 213 p.

DURLO, M. A.; DENARDI, L. Morfometria de Cabralea canjerana, em mata secundária nativa do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p. 55-66, 1998.

KNIGGE, W.; SCHULZ, H. Grundriss der Forstbenutzung. Hamburg und Berlin: Verlag Paul Parey, 1966. 313 p.

KOLLMANN, F. Technologie des Holzes und der Holzwerkstoffe. Berlin: Springer-verlag, 1951, 326 p.

LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro, 1990. v. 2., p.113-150.

LOSKANT G. Untersuchung zur Produkt- und Sortimentgestaltung bei schwachem Kiefern-Rohholz (Pinus sylvestris L.). Freiburg: Hochschulverlag, 1983. 143 p.

MAYER, H. Waldbau. Stuttgart: Gustav Fischer Verlag, 1977. 483 p.

MATTOS, R. B. Características qualitativas e possibilidade de ganho de fuste em espécies euxilóforas nativas da Região Central do Rio Grande do Sul. 2002. 91p. Dissertação (Mestrado em Eng. Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

MATTOS, R. B.; DURLO, M. A. Possibilidade de ganho de fuste em Canjerana (Cabralea canjerana) em matas nativas de São João do Polêsine – RS. (Resultados parciais). In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL, 1., 2001. Anais... Santa Maria: UFSM/PPGEF/DCFL/CEPEF, 2001. 1CD.

MITSCHERLICH, G. Wald, Wachstum und Umwelt. Eine Einführung in die ökologischen Grundlagen des Waldwachstums. Form und Wachstum von Baum und Bestand. I Auflage. Frankfurt: J.D. Sauerländer´s Verlag, 1978. 144 p.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 41 p.

SCHILLING, A. C.; SCHNEIDER, P. R.; HASELEIN, C. R. et al. Influência de diferentes intensidades de desrama sobre a porcentagem de lenho tardio e quantidade de nós da madeira de primeiro desbaste de Pinus elliottii Engelman. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 8, n. 1, p.115-127, 1998.

SNEDECOR, W. G.; COCHRAM, G. W. Métodos estatísticos. México: C.E.C.S.A., 1974, p. 366-369.

SPSS – Statistical Package for the Social Sciences. Programa de computador, ambiente Windows. Versão 7.5. Chicago, 1996.

STORCK, L.; LOPES, S.J.; LÚCIO, A. D. Introdução à experimentação. Santa Maria: UFSM/CCR/DF, 2000. 54 p.

ZIMMERMANN, M. H.; BROWN, C. L. Trees structure and function. New York: Springer Verlag, 1974. 336 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981747