Evolução do uso e valorização das espécies madeiráveis da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai, SC.

Ademir Roberto Ruschel, Eunice Sueli Nodari, Miguel Pedro Guerra, Rubens Onofre Nodari

Resumo


Com base nas informações coletadas em 41 entrevistas feitas junto a madeireiros, ex-madeireiros e colonizadores, determinou-se quais as espécies potencialmente madeiráveis, o valor de uso e a valorização econômica das espécies madeiráveis para os remanescentes da Floresta Estacional Decidual na região do Alto--Uruguai, SC, desde o início da colonização daquela região. A diversidade de espécies florestais de uso madeirável conhecida popularmente na região foi de 63 espécies. Contudo, em termos de dominância esse grupo reduz-se a 15 espécies. A maior dominância foi observada para as espécies Apuleia leiocarpa, Parapiptadenia rigida, Balfourodendron riedelianum, Nectandra megapotamica, Patagonula americana, Luehea divaricata, Cedrela fissilis, Ocotea diospyrifolia, Holocalyx balansae, Myrocarpus frondosus, Cabralea canjerana e Peltophorum dubium. As espécies de maior valor comercial foram Cordia trichotoma, Cedrela fissilis, Myrocarpus frondosus e Balfourodendron riedelianum. Já Schefflera morototoni, Aralia warmingiana, Machaerium stipitatum, Chrysophyllum marginatum e várias espécies da família Lauraceae apresentaram, no decorrer do tempo, incremento no uso e na comercialização. O valor de uma espécie é condicionado tanto pela qualidade quanto pela quantidade ofertada. Em geral, verificou-se uma evolução no valor das espécies bem como na indústria madeireira que utilizou várias maneiras para se adaptar às demandas desses produtos florestais.


Palavras-chave


recursos genéticos; diversidade de espécies; usos da madeira

Texto completo:

PDF

Referências


BRACK, P.; BUENO, R.M.; FALKENBEERG, D.B. et al. Levantamento floristico do Parque Estadual do Turvo, Tenente Portela, RS, Brasil. Roessleria, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 69-94, 1985.

BELLANI, E.M. Madeiras, balsas e balseiros no Rio Uruguai. Chapecó: UNOESC, 1996. 222p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: Recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: EMBRAPA, Centro Nacional de Pesquisa Florestal, 1994. 640p.

CHAZDON, R.L.; COE, F.G. Ethnobotany of woody species in second-growth, old-growth, and selectively logged forests of northeastern Costa Rica. Conservation Biology, Geneva, v. 13, n. 6, p. 1312-1322, 1999.

Di STASI, L.C. Plantas medicinais: arte e Ciência. Um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: UNESP, 1996. 230p.

DIAS, L.L.; VASCONDELLOS, J.M.O.; SILVA, C.P. et al. Levantamento florístico de uma área da Mata Subtropical no Parque Estadual de Turvo, Tenente Portela, RS. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 2., 1992, São Paulo. Anais.... São Paulo: Instituto Florestal, 1992. v. 4, p. 339-347.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Atlas da evolução dos remanescentes florestais e ecossistemas associados no domínio da Mata Atlântica no período de 1990- 1995. São Paulo, 1998. 55p.

IBDF - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Inventário Florestal Nacional: florestas nativas, Paraná, Santa Catarina. Brasília: IBDF, 1984. 309p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Geografia do Brasil. Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. v. 2. 419p.

INSTITUTO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Informações estatísticas do Município de Chapecó – relativas ao ano de 1940. Cruzeiro: Empresa Gráfica Cruzeiro, 1942. (Informação n. 30 – 4a Divisão Técnica).

INSTITUTO CEPA - INSTITUTO DE PLANEJAMENTO E ECONOMIA AGRÍCOLA DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Informe Conjuntural, Florianópolis, v. 17, n. 728, 1999. 10p.

KLEIN, R.M. Árvores Nativas da Floresta Subtropical do Alto Uruguai. Sellowia, Itajaí, v. 24, p. 9-62, 1972.

LINDMAN, C. A. M. A Vegetação no Rio Grande do Sul. 2. ed. São Paulo: Itatiaia, 1974. 377p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed. Nova Odessa: Editora Plantarum, 1998. v. 1-2.

NODARI, E.S. A renegociação da etnicidade no Oeste de Santa Catarina (1917-1954). 1999. 322p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

PÉLLICO NETO, S.; BRENA, D.A. Inventário Florestal. Curitiba: Edição dos autores, 1997. 316p.

RAMBO, B. Der Regenwald am oberen Uruguay. Sellowia, Itajaí, v. 7, p. 183- 223, 1956.

REITZ, P. R.; KLEIN, R.M. Os nomes populares das plantas de Santa Catarina. Sellowia, Itajaí, v. 16, p. 9-118, 1964.

REITZ, R.; KLEIN, R.M.; REIS, A. Projeto madeira de Santa Catarina. Sellowia, Itajaí, v. 28, p. 1-320, 1978.

SIQUEIRA, J.D.P. Expressão econômica e social das essências nativas. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 1., 1982, Campos do Jordão, SP. Anais..., Campos do Jordão-SP: Instituto Florestal, 1982. 1444p.

THOMÉ, N. 1949-Ciclo da madeira: história da devastação da floresta da araucária e do desenvolvimento da indústria da madeira em Caçador e na região do Contestado no século XX. Caçador: Universal, 1995. 212p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981734