Eficiência de um composto de iodo orgânico contra fungos apodrecedores de madeiras e térmitas.

Alexandre Florian da Costa, Joaquim Carlos Gonçalez, Ailton Teixeira do Vale

Resumo


Foi avaliada a eficiência de um composto de iodo orgânico de baixa toxidez como fungicida e inseticida por meio de ensaio acelerado em laboratório de acordo com a normalização japonesa. O composto foi avaliado nas concentrações de 0,5, 0,75 e 1,0% utilizando etanol como solvente. Para a avaliação inseticida, foram utilizados térmitas subterrâneos da espécie Coptotermes formosanus Shiraki, e para a fungicida os fungos apodrecedores Coriolus versicolor (podridão branca) e Tyromyces palustris (podridão parda). Corpos de prova, nas dimensões de 40 x 20 x 5mm, foram impregnados pelo método de pincelamento a uma taxa de retenção de 11010g/m2. Foram avaliados o índice de perda de peso das amostras de madeira e a mortalidade de térmitas (ação inseticida), assim como a perda de peso das amostras de madeira antes e após o ataque dos fungos (ação fungicida). A eficiência das formulações foi avaliada de acordo com o Valor de Eficiência. Os resultados mostraram que o composto foi pouco ou não-eficiente como inseticida no controle do ataque de Coptotermes formosanus nos três níveis de concentração. Como fungicida, o composto apresentou um bom desempenho no controle do ataque dos fungos Coriolus versicolor e Tyromyces palustris, atingindo um Valor de Eficiência superior a 90 nas três concentrações. Os melhores resultados com o produto foram obtidos a 1,0% de concentração nas amostras de madeira tratadas e não-lixiviadas. Foi observado um ataque mais severo do fungo Tyromyces palustris em relação ao fungo Coriolus versicolor. Por apresentar uma baixa capacidade de fixação na madeira, o produto não é indicado para o tratamento de madeiras que entrarão em contato direto com o solo ou que forem expostas às intempéries.


Palavras-chave


composto de iodo orgânico; fungicida; inseticida; ensaio acelerado em laboratório

Texto completo:

PDF

Referências


COSTA, A.F. Studies on the effectiveness of a trihaloallyl as a new wood preservative against wood-decaying fungi. 1987. Dissertação (Mestrado) – Kyoto University, Japan, 1987.

COSTA, A.F. Utilização de interações entre produtos químicos preservantes no desenvolvimento de formulações para a prevenção de fungos manchadores e emboloradores na madeira. 1999. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1999.

HANSEN, J. IPBC – a new fungicide for wood protection. The International Research Group on Wood Preservation. 1984. (Doc. n. IRG/WP/3295).

JAPAN WOOD PRESERVING ASSOCIATION (JWPA) STANDARD 11 (1). Method for testing effectiveness of surface treatments (brushing, spraying and dipping) with termiticides against termites (1) Laboratory test. 1981.

MORISAWA, Y.; KATAOKA, M.; NAGAHORI, H.; SAKAMOTO, T.; NAKATA, Y.; KONISHI, K.; AIBA, T.; MIZUNO, T.; ONO, S.; MATSUNAGA, H.; NISHIMOTO, K. Synthesis and antifungal activity of trihaloallyl and trihaloacryl derivatives. Holzforschung, v. 38, p. 225-231, 1984.

SNOW, J.; COBHAM, P.; RYAN, N. Effectiveness of a newly registered antisapstain preservative in preventing stain of Eucalypt timber in Australia. The International Research Group on Wood Preservation. 2000. (Doc. n. IRG/WP 00-30229).

TAKAHASHI, M.; TSUNODA, K.; IMAMURA, Y.; ADACHI, A.; NISHIMOTO, K. Studies on the production of preservative-treated plywood. (1) Preservative effectiveness of glue-line treated plywood with low toxicity chemicals. Mokuzai Hozon (Wood Preservation), v. 11, n. 2, p. 11-24. 1985.

TSUNODA, K. JWPA method for testing effectiveness of surface coatings with preservatives against decaying fungi. The International Research Group on Wood Preservation. 1981. (Doc. n. IRG/WP/2164).

TSUNODA, K.; NISHIMOTO, K. Evaluation of wood preservatives for surface treatments. International Biodeterioration, v. 22, n. 27. 1986.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981733

Licença Creative Commons