Crescimento de canela-lageana, Ocotea pulchella Nees et Mart. ex Nees, na Depressão Central do estado do Rio Grande do Sul.

Luciano Weber Scheeren, Frederico Dimas Fleig, Paulo Renato Schneider, César Augusto Guimarães Finger

Resumo


Este trabalho teve como objetivo o estudo do crescimento em diâmetro (DAP), volume comercial (Vc), incremento corrente anual em percentagem do volume comercial (ICA%) e a determinação do fator de forma comercial (f) para canela-lageana Ocotea pulchella Nees et Mart. ex Nees, na região da Depressão Central do estado do Rio Grande do Sul. Para o ajuste dos dados de crescimento em diâmetro e volume comercial sem casca foram testadas três equações matemáticas, sendo que a equação Quadrática resultou como modelo mais eficiente, para estimar o DAP e o Vc, ajustada em função da idade das árvores. A equação de Backman foi selecionada para o ajuste do ICA% e do f, sendo os valores determinados em função do diâmetro à altura do peito para facilitar a aplicação prática. O fator de forma comercial variou desde 0,40 para um DAP de 5 cm até um valor máximo de 0,85 para DAP de 22 a 32 cm, decrescendo até 0,78 aos 51 cm de DAP, entre as idades de 10 e 100 anos, respectivamente. O incremento corrente anual em percentagem do volume comercial variou de 17,48% aos 10 anos a 1,33% aos 100 anos de idade. A espécie apresentou um bom potencial de crescimento, o que associado com práticas de manejo poderá elevar sua produtividade.


Palavras-chave


dendrocronologia; crescimento; <i>Ocotea pulchella</i>

Texto completo:

PDF

Referências


BACKMAN, G. Wachstum und organisches Zeit. Leipzing: Johann Ambrosis Barth, 1943. 192p.

CARVALHO, P.E. Espécies florestais brasileiras: recomedações silviculturais, potencialidades e usos da madeira. Colombo: EMBRAPA. 1994. 640p.

LEMOS, R.C.; AZOLIN, M. D.; ABRAO, P.V.R. et al. Levantamento dos solos do Estado do Rio Grande do Sul. Recife: Ministério da Agricultura - Departamento Nacional de Pesquisa Agropecuária - Divisão de Pesquisa Pedológica, 1973. 423p. (Boletim Técnico n. 301).

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2.ed. São Paulo: Ed. Plantarum, 1998. 368p.

MITSCHERLICH, G.; SONNTAG, G. Papelversuche: modell für eine regenerata und Neupotz-papel-ertragstafel im Oberheingebiet. Allg. Forst und Jg., n. 153, p. 213-219, 1982.

MORENO, J.A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 41p.

PEDROSO, O.; MATTOS, J.R. Estudo sobre madeiras do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Instituto de Pesquisas de Recursos Naturais Renováveis "Ataliba Paz", 1987. 181p.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A . Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria de Agricultura e Abastecimento, 1983. 524p.

RIZZINI, C.T. Árvores e madeiras úteis do Brasil: manual de dendrologia brasileira. São Paulo: Edgar Blucher. Ed. USP, 1971. 244p.

SCHNEIDER, P.R. Introdução ao manejo florestal. Santa Maria: CEPEF/FATEC, 1993. 320p.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981732

Licença Creative Commons