Propriedades de flexão estática da madeira úmida e a 12% de umidade de um clone de Eucalyptus saligna Smith sob o efeito do espaçamento e da adubação.

Clovis Roberto Haselein, Rute Berger, Márcio Goulart, James Sthal, Rômulo Trevisan, Elio José Santini, Merielen de Carvalho Lopes

Resumo


Neste trabalho, foram investigadas as propriedades de flexão estática da madeira de um clone de Eucalyptus saligna Smith. A madeira foi retirada da primeira tora de árvores procedentes de unidades experimentais da Klabin-Riocell com idade de, aproximadamente, 10 anos. As unidades foram estabelecidas com três diferentes espaçamentos (3 x 2, 3 x 3 e 3 x 4 m) e duas doses de adubação (400 ou 800 kg/ha). Trinta árvores (cinco por parcela) foram utilizadas nos ensaios. Os corpos de prova, confeccionados segundo a ASTM D143-93 (1995), foram testados após condicionados em câmara climatizada a 200C e 65% de umidade relativa ou após armazenamento em água. Os resultados indicaram valores 1,296 e 1,4 vezes maiores da madeira seca em relação à verde, para o módulo de elasticidade (MOE) e módulo de ruptura (MOR) respectivamente. Houve aumento da massa específica (ME), do MOR e do MOE com o espaçamento e com a adubação.


Palavras-chave


flexão estática; <i>Eucalyptus saligna</i>; espaçamento; adubação

Texto completo:

PDF

Referências


ASTM. American Society for Testing and Materials. Standard methods of testing small clear specimens of timber: D 143 – 94. Philadelphia, PA, 1995.

BALLARIN, A.W.; RIBEIRO, A.B. Variação da resistência à compressão paralela às fibras da madeira de E. citriodora com a umidade. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 6., 1998, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 1998, v. 3, p. 229-240.

BERGER, R. Crescimento e qualidade da madeira de um clone de Eucalyptus saligna smith sob o efeito do espaçamento e da fertilização. 2000. 126p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

BODIG, J.; JAYNE, B.A. Mechanics of wood and wood composites. New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1982. 712p.

BRASIL, M.A.M., FERREIRA, M. Variação da densidade básica da madeira de Eucalyptus alba Reinw, Eucalyptus saligna Smith e Eucalyptus grandis Hill ex-Maiden aos 5 anos de idade, em função do local e do espaçamento. IPEF, v. 2, n. 3, p. 129-49, 1971.

BRASIL, M.A.M. Variação da densidade básica da madeira de Eucalyptus propinqua Deane ex Maiden em função do local e do espaçamento. 1972. 75p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba.

FREITAS, A. Potencial de utilização de madeiras em construções. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS, 1., 1982. Anais... São Paulo: IPT, 1982, 1459p.

GARCIA, C.H.; CORRADINE, L., ALVARENGA, S.F. Comportamento florestal do Eucalyptus grandis e Eucalyptus saligna em diferentes espaçamentos. IPEF, 8p, 1991.

GARLET, V.N. Influência do espaçamento das árvores de Eucalyptus grandis na qualidade da madeira para produção de polpa celulósica kraft. 1994. 80p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

LIMA, J.T.; DELLA LUCIA, R.M.; VITAL, B.R. Influência do teor de umidade nas propriedades mecânicas da madeira de Eucalyptus saligna Smith. Revista Árvore, v. 10, n. 1, p. 27-43, 1986.

ONDIMU, S.; GUMBE, L.O. Mechanical properties of blue-gum timber. Landwards, v. 4, n. 52, p. 24-26, 1997.

RAYMOND, C.A.; MUNERI, A. Effect of fertilizer on wood properties of Eucalyptus globulus. Canadian Journal of Forest Research, v. 1, n. 30, p. 136-144, 2000.

USDA. UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE. Forest Service. Wood handbook: wood as an engineering material. Washington: Department of Agriculture, 1987. 466p.

VITAL, B.R.; DELLA LUCIA, R.M. Efeito do espaçamento na produção em peso e na qualidade da madeira de Eucalyptus grandis e Eucalyptus saligna aos 52 meses de idade. Revista Árvore, v. 11, n. 2, p. 132-145, 1987.

VITAL, B.R.; PEREIRA, A.R.; DELLA LUCIA, R.M. Influência do espaçamento na qualidade da madeira de Eucalyptus grandis aos 30 meses de idade. Revista Árvore, v. 5, n. 2,p. 210-217, 1981.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981689

Licença Creative Commons