Índice de sítio para Pinus elliottii Engelm, em três unidades de mapeamento de solo, nas regiões da Serra do Sudeste e Litoral, no estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Helio Tonini, César Augusto Guimarães Finger, Paulo Renato Schneider, Peter Spathelf

Resumo


Realizou-se um estudo do crescimento em altura dominante de Pinus elliottii em povoamentos com idades entre 18 e 21 anos, localizados em três Unidades de Mapeamento de Solo, em quatro municípios, nas unidades de relevo Serra do Sudeste e Planície Gaúcha, no estado do Rio Grande do Sul. Os pares de dados altura e idade, oriundos de análise de tronco, foram ajustados pelo modelo de Richards. A construção de curvas de índice de sítio para cada local, indicou que a tendência de crescimento entre os locais estudados foi semelhante, o que permitiu o seu agrupamento e a geração de um único conjunto de 9 curvas monomórficas para os índices de sítio de 6 a 30 m, tendo como idade de referência 18 anos.


Palavras-chave


<i>Pinus elliottii</i>; índice de sítio; crescimento em altura

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR, R. M. Estudio del crescimiento de Pinus douglasiana Martínes y Pinus lawsonii Roezl en la región central de Michoacán. Revista Ciência Florestal en México, v .22, n. 81, p.42-70,1997.

ASSMANN, E. The principles of forest yield study. Oxford: Pergamon Press, 1970. 506p.

BRASIL Plano de manejo para a Floresta Nacional de Passo Fundo-RS. Santa Maria: UFSM, 1989a.

BRASIL Plano de manejo para a Floresta Nacional de São Francisco de Paula. Santa Maria: UFSM, 1989b.

BURGER, D. Ordenamento florestal I. 2. ed. Curitiba: UFPR, 1976. não-paginado.

CARMEAN, W. H. Tree-growth patterns in relation to soil and site. In: __.Tree growth and forest soils. Oregon State University, USA, 1970. 527p.

CLUTTER, J. L.; FORTSON, J. C.; PIENAAR, L.V. Timber management: a quantitative approach. USA: John Wiley & Sons. 1983. 329p.

DAVIS, K. P. Forest managment, regulation and valuation. USA: Mc Graw Hill, 1966. 519p.

FINGER., C. A.G. Ein Beitrag zur Ertragskunde von Eucalyptus grandis und Eucalyptus saligna in Südbrasilien. 1991. 136p. Tese (Doutourado) – Universität für Bodenkultur, Wien.

FINGER., C. A.G. Fundamentos de biometria florestal. Santa Maria: UFSM, 1992. 269p.

FINGER., C. A.G. Crescimento e produção florestal. 1998. Notas de aula na disciplina de crescimento e produção florestal- Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal.

GERDING, V.; SCHLATTER, J. E. Variables y factores del sitio de importancia para la productividad de Pinus radiata D.Don en Chile. Bosque, v. 16, n. 2, p. 39-56, 1995.

GIRARDIN, J. L.; BROQUEN, P. El crecimiento de Pinus ponderosa Dougl. y Pseudotsuga menziessii Mirb. en diferentes condiciones de sítio. Bosque, v. 16, n. 2, p. 57-67, 1995.

HERRMANN, M. L. P.; ROSA, R. Relevo. In: FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro, 1990. p. 59-83.

JOHNSTON, D. R.; GRAYSON. A, J.; BRADLEY. R. T. Forest planning. London: Russel Square, 1967. 529p.

LAMPRECHT, H . Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas - possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Tradução de Guilherme de Almeida Sedas e Gilberto Calcagnotto. Rossdorf: TZ-Verl.-Ges, 1990. 343p.

LEMOS et al. Levantamento de reconhecimento dos solos do Estado do Rio Grande do Sul. Recife, 1973. 431p.

MARCOLIN, M. Polimorfismo e tamanho da amostra para construção de curvas de índice de sítio para Pinus taeda L., no Segundo Planalto Paranaense. 1990. 57p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

NETO, F. R. C.; SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D. et al. Uso da diferença algébrica para construção de curva de índice de sítio para Eucalyptus grandis e Eucalyptus urophylla, na região de Luiz Antonio-SP. Cerne, Lavras , v. 2, n. 2, p. 119-141,1996.

NIMER, E. Clima. In: FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro, 1990. p. 151-187.

PAIT, J. A.; FLINCHUM, D. M.; LANTZ, C. W. Species variation, allocation, and tree improvement. In: __. Forest regeneration manual. London: Kluwer Academic Publishers, 1991. p. 207-231.

RICHARDS, F.J. A flexible growth function for empirical use. J. Agr. Pres, v. 46, n. 7 p. 62-638, 1959.

SCHNEIDER, P. R. ANATRO: Programa de computador, ambiente MS-DOS. Santa Maria, 1984.

SCHNEIDER, P. R. Introdução ao manejo florestal. Santa Maria: UFSM, 1993. 348p.

SCHNEIDER, P. R. Tabelas auxiliares para o manejo de Pinus elliottii e Araucaria angustifolia para a região do Planalto Médio do Rio Grande do Sul. Santa Maria: UFSM, 1999. 118p.

SCOLFORO, J. R. S, MACHADO, S. A. Curvas de índice de sítio para plantações de Pinus elliottii nos Estados do Paraná e Santa Catarina. Revista Floresta, Curitiba, v. 17, p. 140-158, 1988.

SELLE, G. L . Influência dos fatores ambientais na classificação de sítio para Pinus taeda L, na região de Cambará do Sul, RS, Brasil. 1993. 85 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

SPURR, S. H, BARNES, B. V. Forest ecology. New York : Ronald Press Company, 1973. 571p.

STERBA, H, OBERKOFER, H. Das Wachstum der Fichte im Pustertal Forstliche Ertragslehre der Universitat für Bodenkultur. Wien, 1988. 55p.

VAN GOOR, C. P. Reflorestamento com coníferas no Brasil, aspectos ecológicos dos plantios na Região Sul, particularmente com Pinus elliottii e Araucaria angustifolia no Estado de são Paulo. Silvicultura em São Paulo, v. 4, n. 4-5, p. 349-366, 1967.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981681