CHUVA DE SEMENTES COMO INDICADORA DO ESTÁDIO DE CONSERVAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM SOROCABA - SP

Fatima Conceição Márquez Piña-Rodrigues, Juliana Aoki

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509816603

O objetivo do estudo foi analisar o nível de degradação de fragmentos florestais a partir do uso da chuva de sementes como indicador ambiental. Fragmentos (n= 5) de Floresta Estacional Semidecidual na região de Sorocaba - SP foram estudados de agosto a outubro de 2007 e janeiro a dezembro de 2008, utilizando-se coletores instalados em 11 parcelas (10 x 10 m). Do material coletado foram separadas as frações de sementes e frutos para identificação e classificação por síndrome de dispersão e hábito. Os resultados demonstraram que, embora os fragmentos F4 e F5 apresentem os maiores índices de riqueza, diversidade e equitabilidade, há a dominância de espécies anemocóricas e herbáceas. Os fragmentos F1, F2 e F4 foram os com maior aporte de sementes, respectivamente com 36,8%, 26,8% e 17,8% e os fragmentos F3 e F5, apenas 12,6% e 5,9%. O aporte de propágulos foi sazonal sendo maior na transição da estação seca para a úmida, o que resulta em 63% do total de propágulos aportados. A síndrome com maior representatividade foi a anemocoria (86%), comum em áreas abertas e degradadas. Os resultados obtidos indicam a viabilidade da aplicação do estudo quantitativo da chuva de sementes para o monitoramento da restauração de fragmentos, tendo sido eficiente em detectar diferenças ambientais entre os fragmentos.

 


Palavras-chave


regeneração natural; recuperação de áreas degradadas; síndromes de dispersão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA-CORTEZ, J. S. Dispersão e banco de sementes. In: FERREIRA, A. G; BORGHETTI, F. (Eds.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. cap. 14, p. 225-235.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP II. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnaean Society, v. 141 n. 4, p. 399-436, 2003.

ARAÚJO, M. M. et al. Caracterização da chuva de sementes, banco de sementes do solo e banco de plântulas em Floresta Estacional Decidual ripária Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Scientia Forestalis, n. 66, p. 128-141, dez. 2004.

BARROSO, G.M. et al. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de Dicotiledôneas. Viçosa, Editora UFV, 2004. 443p.

BATALHA, M.A.; MANTOVANI, W. Reproductive phenological patterns of cerrado plant species at the Pé-de Gigante Reserve (Santa Rita do Passa Quatro, SP, Brazil): a comparation between the herbaceous and woody floras. Revista Brasileira de Biologia, n. 60, v.1, p. 129-145, 2000.

CARMO, M. R. B.; MORELLATO, L. C. Fenologia de árvores e arbustos das matas ciliares da bacia do Rio Tibagi, estado do Paraná, Brasil. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H F. (Eds.). Matas ciliares: Conservação e Recuperação. 2. ed. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo/Fapesp, 2001, p.125-141.

CLARKE, K. R.; GORLEY, R. N. Primer v5: user’s manual/tutorial. Plymouth, UK: Primer-E Ltd, 2001.

COELHO, S.; CARDOSO-LEITE, E. Fitossociologia dos fragmentos florestais do Campus da Ufscar- Sorocaba. Dados não publicados. 2009.

FONSECA, V.H. Seleção de indicadores ecológicos para a avaliação de planos de restauração de áreas degradadas. 2011. 106p. Dissertação (Mestrado em Diversidade Biológica e Conservação)- UFSCar, Sorocaba.

GENTRY, A.H. Patterns of neotropical plant species diversity. Evolution Biology, v. 15, p. 1-84, 1982.

GONDIM, F. R. Aporte de serrapilheira e chuva de sementes como bioindicadores de recuperação ambiental em fragmentos de Floresta Atlântica. 2005. 85 p. Dissertação (Magister Scientiae em Ciências Ambientais e Florestais) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

GROMBONE-GUARATINI, M. T. Dinâmica de uma floresta Estacional Semidecidual: o banco, a chuva de sementes e o estrato de regeneração. 1999. 159 p. Dissertação (Doutorado em Biologia Vegetal) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

HOWE, H.F.; SMALLWOOD, J. Ecology of seed dispersal. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 13, p. 201-228, 1982.

HUGHES, L. et al. Predicting dispersal spectra: a minimal set of hypotheses based on plant attributes. Journal of Ecology, 82, p. 933-950, 1994.

IVANAUSKAS, N. M.; RODRIGUES, R. R.; NAVE, A. G. Fitossociologia de um trecho de Floresta Estacional Semidecidual em Itatinga, São Paulo, Brasil. Scientia Forestalis, n. 56, p. 83-99, dez. 1999.

KAGEYAMA, P. Y.; GANDARA, F. B. Conseqüências genéticas da fragmentação sobre populações de espécies arbóreas. IPEF, Piracicaba, n. 32, p. 65-70, dez. 1998.

KINOSHITA, L. S. et al. Composição florística e síndromes de polinização e de dispersão da mata do Sítio São Francisco, Campinas, SP, Brasil. Acta Botânica Brasiliense, v.20, n.2, p. 313-327, 2006.

KORTZ, A.R. Composição florística dos fragmentos do campus da UFSCar-Sorocaba. Sorocaba: CBBS, 49p. 2009. Disponível em: http://www.sorocaba.ufscar.br/ufscar/mce/arquivo/pagina49/tcc_alessandra_kortz_cbbs2006.pdf.

KRONKA, J.N.F.; et al. Monitoramento da vegetação natural e do reflorestamento no Estado de São Paulo. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 12., 2005, Goiânia, GO. Anais do XII SBSR, Goiânia: INPE, 2005. p. 1569-1576.

McCUNE, B.; M. J. MEFFORD. PC-ORD: Multivariate analysis of ecological data. Gleneden Beach, Oregon: MjM Software Design, 1997.

MARTINI, A. M. Z. Estrutura e composição da vegetação e chuva de sementes em sub-bosque, clareiras naturais e área perturbada por fogo em floresta tropical no sul da Bahia. 2002. 150 p. Tese (Doutorado em Ecologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

MORELLATO, L.P.C.; LEITÃO FILHO, H.F. Padrões de frutificação e dispersão na serra do Japi. In: MORELLATO, L. P. C. (Org). História natural da serra do Japi: ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 1992, p.112-140.

MORELLATO, L. P. C. et al. Phenology of Atlantic rain forest trees: a comparative study. Biotropica, Lawrence, v.32, n.4, p.811-823, 2000.

OLIVEIRA, P.E.A.M.; MOREIRA, A.G. 1992. Anemocoria em espécies do cerrado e mata de galeria de Brasília, DF. Revista Brasileira de Botânica, v. 15, n. 2, p. 163-174, 1992.

PEREIRA, I. M.; BOTELHO, S. A.; VAN DEN BERG, E. Caracterização ecológica de espécies arbóreas ocorrentes em ambientes de mata ciliar, como subsídio à recomposição de áreas alteradas nas cabeiras do Rio Grande, Minas Gerais, Brasil. Ciência Florestal, v. 20, n. 2, p. 235-253, abr./jun., 2010.

PIÑA-RODRIGUES, F.C.M.; PIRATELLI, A. J. Aspectos ecológicos da produção de sementes florestais. In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M. E FIGLIOLIA, M. B. (Ed.). Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993.

PIVELLO, V.R. et al. Chuva de sementes em fragmentos de Floresta Atlântica (São Paulo, SP, Brasil), sob diferentes situações de conectividade, estrutura florestal e proximidade da borda. Acta Botânica Brasilica, v.20, n.4, p. 845-859, 2006.

REDE DAS ÁGUAS. Caracterização Geral da UGRHI-10. Disponível em: <(www.rededasaguas.org.br/comite)> Acesso em: 14 abril de 2009.

RUDGE, A. C. Contribuição da chuva de sementes na recuperação de áreas e do uso de poleiros como técnica catalisadora da sucessão natural. 2008. 114 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

SANTOS, K; KINOSHITA, L. S. Flora arbustivo-arbórea do fragmento de floresta Estacional Semidecidual do Ribeirão Cachoeira, município de Campinas, SP. Acta Botânica Brasílica, v. 17, n.3, p. 325-341, 2003.

SILVA, N. R. S. et al. Composição florística e estrutura de uma floresta Estacional Semidecidual Montana em Viçosa, MG. Revista Árvore, Viçosa, n. 3, p. 397-405, 2004.

SIQUEIRA, L. P. Monitoramento de áreas restauradas no interior do estado de São Paulo, Brasil. 2002. 116p. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W.; PERES, C.A. Effects of habitat fragmentation on plant guild structure in the

montane Atlantic forest of southeastern Brazil. Biological Conservation, v.91, p. 119-127, 1999.

TALORA, D.C.; MORELLATO, P.C. Fenologia de espécies arbóreas em floresta de planície litorânea do sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica. v. 23, n. 1, p.13-26, mar. 2000.

VAN DER PIJL, L. Principles of dispersal in higher plants. 3 ed. New Cork: Springer-Verlag, 1982.

VIANA, V. M.; PINHEIRO, L. A. F. V. Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais. IPEF, Piracicaba, n. 32, p. 25-42, 1998.

VIEIRA, D. C. M., GANDOLFI, S. Chuva de sementes e regeneração natural sob três espécies arbóreas em uma floresta em processo de restauração. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, n.4, p. 541-554, out./dez. 2006.

VIEIRA, D. L. M. et al. Síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas em cerrado sensu stricto do Brasil Central e savanas amazônicas. Revista Brasileira de Botânica, v.25, n.2, p.215-220, jun. 2002.

ZAR, J. H. Biostatistical Analysis. 4. ed. New Jersey: Englewood Cliffs, 1998




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509816603