ESPÉCIES FLORESTAIS DE RESTINGAS COMO POTENCIAIS INSTRUMENTOS PARA GESTÃO COSTEIRA E TECNOLOGIA SOCIAL EM CARAVELAS, BAHIA (BRASIL)

Henrique Machado Dias, Mario Luiz Gomes Soares, Elza Neffa

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509815732

Em Caravelas, município localizado no sul do estado da Bahia, as principais formações vegetais são as florestas de mangue e as restingas apresentando, estas últimas, alto grau de degradação. O objetivo deste artigo consiste em descrever as principais espécies florestais de restingas e seus usos diretos associados, com vistas à recuperação e ao manejo de áreas degradadas e à geração de trabalho e renda, compondo, dessa forma, importante ferramenta para a gestão integrada da zona costeira. Para isso, a elaboração de listagens florísticas e visitas ao campo foram necessárias para reconhecimento do ambiente. Na seleção das espécies, uma literatura referente ao uso, manejo e valor agregado de cada uma das espécies identificadas foi utilizada e, a partir daí, foram reconhecidas quatro espécies com potencialidade para geração de trabalho e renda nos moldes dessa proposta: mangaba (Hancornia speciosa), pitanga (Eugenia uniflora), caju (Anacardium occidentale) e aroeira (Schinus terebinthifolius). As três primeiras apresentam associação de seus frutos ao uso alimentar, servindo a aroeira como condimentação, com alta valorização no mercado mundial, e o caju, a partir da sua estrutura fértil (castanha e polpa). A identificação dos subprodutos vegetais fornecidos assegura a utilização sustentada das espécies e do ambiente e os Produtos Florestais Não Madeiráveis podem ser estratégicos no gerenciamento costeiro, tornando-se instrumento para se alcançar inclusão social através da geração de trabalho e renda, sob o movimento da Tecnologia Social, contribuindo, portanto, para a redução da vulnerabilidade social de comunidades costeiras tradicionais.


Palavras-chave


vulnerabilidade; desenvolvimento local; produtos florestais não madeiráveis; inclusão social

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A.C.S. et al. Quaternary evolution of the Caravelasstrandplain – Southern Bahia State – Brazil.Anais Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v.75, n. 3, p. 357-382.2003

ARRUDA, R. “Populações tradicionais” e a proteção dos recursos naturais em unidades de conservação. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. 5, p. 79-93. 1999.

BAVA, S. C. Tecnologia social e desenvolvimento local. In: LASSANCE Jr., A. E. et al. (Orgs.). Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p.103-116.

BUARQUE, S. C. Construindo do desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002. 180 p.

CARNEIRO, M. J. Pluriatividade na agricultura familiar. Estudos Sociedade e Agricultura. Rio de Janeiro, v.12, n. 19, p.176-185. 2002.

CICIN-SAIN, B.; KNECHT, R.W. Integrated Coastal and Ocean Management: concepts and practices. Washington: Island Press, 1998. 517 p.

COSGROVE, D. A geografia está em toda a parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORREA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004. p. 92-122.

CULLEN Jr., L. et al. Land Reform and Biodiversity Conservation in Brazil in the 1990s: Conflict and the Articulation of Mutual Interests. Conservation Biology, Washington, v. 19, n. 3,p.747-755. 2005

DAGNINO, R. et al. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. In: LASSANCE Jr., A. E. et al. (Orgs.). Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 15-64.

DARRAULT, R. O.; SCHLINDWEIN, C. Limited Fruit Production in Hancorniaspeciosa (Apocynaceae) and Pollination by Nocturnal and Diurnal Insects. Biotropica, Zurich, v. 37, n. 3, p. 381-388. 2005

DIAS, H. M.; SOARES, M. L. G.; NEFFA, E. Conflitos socioambientais: o caso da carcinicultura no complexo estuarino Caravelas-Nova Viçosa/Bahia-Brasil. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 111-130. 2012.

DIEGUES, A. C. S. Human Populations and coastal wetlands: conservation and management in Brazil. Ocean & Coastal Management, Augustinusga, v. 42, p. 187-210. 1999.

GARCIA Jr., A. R. Trajetórias ascendentes e a economia familiar dos agricultores (II): campesinato, acumulação e diferenciação. In: Produção familiar e conflitos agrários. Porto Alegre: UFRGS, 1994. (Cadernos de Sociologia, 6).

GOBBI, W. A. O.; PESSOA, V. L. S. Pesquisa qualitativa em geografia: reflexões sobre o trabalho de campo. In: RAMIRES, J. C. L.; PESSÔA, V. L. S. (Orgs.). Geografia e pesquisa qualitativa nas trilhas da investigação. Uberlândia: Assis, 2009. p. 485-507.

GOMES, M. D. G. et al. Extrativismo e comercialização da aroeira (SchinusterebinthifoliusRaddi) na região do Baixo São Francisco. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 43., 2005, Ribeirão Preto.Anais... Ribeirão Preto, 2005. p. 1-14.

HOMMA, A. K. O. Amazônia: como aproveitar os benefícios da destruição? Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 115-135, 2005.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Estados: Bahia – Lavoura permanente e extração vegetal. 2007. Disponível em <(http://www.ibge.gov.br/estadosat)>Acesso em: 15 junho 2009.

LAKSHMI, A.; RAJAGOPALAN, R. Socio-economic implications of coastal zone degradation and their mitigation: a case study from coastal villages in India. Ocean & Coastal Management, Augustinusga,v. 43, p.749-762.2000

LASSANCE Jr., A. E.; PEDREIRA, J. S. Tecnologias sociais e políticas públicas. In: LASSANCE JR., A. E.et al. (Orgs.). Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 65-81.

MACHADO, F. S. Manejo de Produtos Florestais Não-Madeireiros: um manual com sugestões para o manejo participativo em comunidades da Amazônia. Rio Branco: PESACRE e CIFOR, 2008. 105 p.

MARRONI, E. V.; ASMUS, M. L. Gerenciamento Costeiro: uma proposta para o fortalecimento comunitário na gestão ambiental. Pelotas: USEB; 2005. 150 p.

MOREIRA, R. J. Renda da natureza e territorialização do capital: reinterpretando a renda da terra na competição intercapitalista. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 4, p. 89-111, 1995.

MOTA, D. M. et al. Atores, canais de comercialização e consumo da mangaba no nordeste brasileiro. Revista Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 46, n. 1,p. 121-143, 2008.

MOTA, D. M. et al. Formas de gestão dos campos naturais de mangabeira no litoral de Sergipe. Revista Brasileira de Agroecologia, Cruz Alta, v. 2, n. 1, p. 226-229, 2007

RANAURO, M. L. Levantamento Socioeconômico e Cultural da área proposta para criação da Unidade de Conservação de Uso Sustentável do Cassurubá e de seu entorno. Brasília: MMA, 2004.

RUTKOWSKI, J.; LIANZA, S. Sustentabilidade de empreendimentos solidários: que papel espera-se da tecnologia? In: LASSANCE Jr., A. E.et al. (Orgs.). Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 167-186.

SCARANO, F. R. Structure, function and floristic relationships of plant communities in stressful habitats marginal to the Brazilian Atlantic Rainforest. Annals of Botany, Oxford, v. 90, p. 517-524, 2002

SCUDELLER, V. V. Uso de recursos vegetais não-madeireiros como alternativa de geração de renda na RDS Tupé – AM. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 258-260, 2007

TUCKER, C. Em busca do manejo florestal comunitário sustentável: as experiências de duas comunidades no México e em Honduras. In: ZARIN, D. J. et al.Florestas produtivas nos neotrópicos: conservação por meio do manejo sustentável? São Paulo: Peirópolis; Brasília: IEB, 2005. p.235-260.

WADT, L. et al. Sustainable forest use in Brazilian extractive reserves: Natural regeneration of Brazil nut in exploited populations. Biological Conservation, Boston, v.141, n. 1, p. 332-346, 2008

YOUNG, C. E. F. Financial Mechanisms for Conservation in Brazil. Conservation Biology, Washington, v. 19, n. 3, p.756-761. 2005.

YUNUS, M. Um mundo sem pobreza: a empresa social e o futuro do capitalismo. São Paulo: Ática, 2008. 272 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509815732