Componente arbustivo-arbóreo de matas ciliares em restauração e remanescentes naturais inseridos em matriz silvícola, Rio Negrinho, SC

Eliziane Carla Scariot, Deisy Regina Tres, Ademir Reis

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814578

O objetivo do presente estudo foi analisar o componente arbustivo-arbóreo de áreas ciliares em restauração e de remanecentes naturais em uma matriz silvícola, pela identificação da riqueza, diversidade, características autoecológicas dos indivíduos amostrados e pela estimativa da similaridade floristica. O estudo foi realizado em uma fazenda produtora de madeira de Pinus spp., Santa Alice, localizada no município de Rio Negrinho, Santa Catarina. Para o levantamento do componente arbustivo-arbóreo aplicou-se o método de pontos quadrantes, em quatro grupos amostrais: CA (Corredores ciliares de floresta nativa em estágio avançado), CR (Corredores ciliares em restauração), MA (Manchas de floresta nativa em estágio avançado), MI (Manchas de floresta nativa em estágio intermediário). Em MA e CR foram encontrados os indíces de diversidade mais elevados (4,04 e 2,81, respectivamente) e maior número de espécies. Considerando o número de indivíduos, as síndromes de dispersão e polinização, predominantes, em todos os grupos amostrais, foram zoocoria e zoofilia. O maior percentual de similaridade florística foi em CR e CA. Os demais grupos amostrais, MA e MI, não formaram agrupamentos. O grupo amostral CR apresentou composição, riqueza e diversidade floristica semelhante aos corredores ciliares mais antigos e conservados (CA) da Fazenda, indicando que essas áreas ciliares em restauração apresentam condições de recompor os componentes e as interações de uma comunidade ecológica.


Palavras-chave


restauração ecológica; áreas ciliares; remanescentes naturais; silvicultura.

Texto completo:

PDF

Referências


AB´SABER, A. N. O suporte Geoecológico das Floresta Beiradeiras. In: RODRIGUES, R. R., LEITÃO FILHO, H. F. (Ed) Matas ciliares: Conservação e Recuperação. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo: Fapesp, 2000. p. 15-25.

APG. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 141, p. 399-436, Apr. 2003.

BARLOW, J. et al. Quantifying the biodiversity value of tropical primary, secondary and plantation forests. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 104, p. 18555-18560. 2007.

BUDKE et al. Padrões de riqueza e diversidade de espécies em rios de pequeno porte. In: MARIATH, J. E. A.; SANTOS, R. P. (Orgs.) Os avanços da botânica no início do século XXI: Morfologia, fisiologia, Ecologia e Genética.. Porto alegre: Sociedade Botânica do Brasil, 2006. 782 p. (Conferências, Plenárias e simpósios do 57º Congresso Nacional de Botânica)

CHAZDON, R. L., PERES, C. A., DENT, A. Where are the wild things? Assessing the potential for species conservation in tropical secondary forests Conservation Biology. v. 23, p.1406-1417, 2009.

CARVALHO, J. O. P. Inventário diagnóstico da regeneração natural da vegetação em áreas da floresta nacional de Tapajós Estado do Pará. 1982. 128 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 1982.

CLARKE, K. R.; GORLEY, R. N. Primer v5: User Manual/ Tuturial. PRIMER - E: Plymouth. United Kingdom. 2001.

FASOLO, P. J. et al. Mapa do Reconhecimento de solos do Estado de Santa Catarina. 2004. Disponível em: EMBRAPA SOLOS Acesso novembro de 2012.

FAO - Food and Agriculture Organization. Global Forest Resources Assessment Progress towards sustainable forest management. Roma: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2005. 320 p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Mapa de Biomas do Brasil. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Cartas_e_Mapas/Mapas_Murais/. Acesso em Novembro de 2012.

KAGEYAMA, P. Y.; OLIVEIRA, R. E.; GANDARA, F. B. Biodiversidade e restauração da floresta tropical. In: KAGEYAMA, P. Y. et al. (org.) (Ed.) Restauração Ecológica de Ecossistemas Naturais. São Paulo: Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais, 2003. p. 29-46.

KLEIN, R. M. Mapa Fitogeográfico do Estado de Santa Catarina. Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues. 1978. 24 p.

KLEIN, R. M. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia, Itajaí, v. 31, 164 p. dez. 1979.

KLEIN, R. M. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia, Itajaí, v. 32, n. 32, p. 164-369, nov. 1980.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 1993. 246 p.

METZGER, J. P. Como restaurar a conectividade de paisagens fragmentadas. In: KAGEYAMA, P. Y.; OLIVEIRA, R. E.et al. (org.). Restauração Ecológica de Ecossistemas Naturais. FEPAF: São Paulo. 2003. p. 50-76.

PIJL, L. V. Principles of Dispersal in Higher Plants. Berlim, Springer-Verlag. 1982.

PIJL, L. V.; DODSON, C. H. Orchid Flowers – their pollination and evolution. Coral Gables, University of Miami Press. 1969.

REIS; TRÊS. Nucleação: integração das comunidades naturais com paisagem. IN: Fundação Cargill (Coord). Manejo Ambiental e Restauração de Áreas degradadas. São Paulo: Fundação Cargill, 2007. p. 29-56.

RODRIGUES, R. R.; NAVES, A. G. Heterogeneidade Florística das Matas ciliares. In: RODRIGUES, R. R., LEITÃO FILHO, H. F. Matas ciliares: Conservação e Recuperação. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo: Fapesp, 2000. p. 45-71.

RODRIGUES, R. R.; SHEPHERD, G. J. Fatores condicionantes da Vegetação Ciliar. In: RODRIGUES, R. R., LEITÃO FILHO, H. F. Matas ciliares: Conservação e Recuperação. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo: Fapesp, 2000. p. 101-107.

SCARANO, F. R. et al. Plant establishment Flooded and Unflooded Patches of a Freshwater swamp Forest in Southeastern Brazil. Journal Tropical Ecology. v. 14 p. 793-803. 1997.

SCARIOT, E. C. et al. Caracterização da Paisagem de uma Fazenda Produtora de Madeira. Subsídios para Restauração Ambiental. In: SANTOS, J. E. ZANIN, E. M.; MOSCHINI L. E. Faces da Polissemia da Paisagem - Ecologia, Planejamento e Percepção. São Carlos: Ed. Rima, 2012. p.133 a 154. v. 4.

SHEPHERERD, G. J. Fitopac: Manual do usuário. Campinas: Departamento de Botânica. Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, 1995.

SILVA, W. R.. A importância das interações planta-animal nos processos de restauração. In: KAGEYAMA, P. Y.; OLIVEIRA, R. E. et al. (Org.). Restauração Ecológica de Ecossistemas Naturais. São Paulo: Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais, 2003. p. 79-90.

TORIOLA, D.; CHAREYRE, R.; BUTTLER, A. Distribution of a primary forest plant species in a 19-years old secondary forest in French Guiana. Jornal of tropical Ecology. v. 14, n. 3,. p. 323-340. 1998.

VIANI, R. et al. A regeneração natural sob plantações florestais: desertos verdes ou redutos de biodiversidade? Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 3, p. 533-552, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509814578