Efeitos de tratamentos pré-germinativos e do armazenamento na germinação e diásporos de Astronium fraxinifolium Schott (Anacardiaceae)

Lílian de Lima Braga, Priscyla Maria Silva Rodrigues, Yule Roberta Ferreira Nunes, Maria das Dores Magalhães Veloso

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814577

Este trabalho teve como objetivo avaliar a germinação e a capacidade de armazenamento de diásporos de <i>Astronium fraxinifolium</i>. Para o experimento de germinação, utilizaram-se seis tratamentos pré-germinativos: tratamento controle (diásporos intactos); diásporos imersos em água a temperatura ambiente (25º C) por 5 min.; diásporos imersos em água a 70° C por 5 min.; diásporos imersos em água a 100° C por 5 min.; diásporos imersos em solução de hipoclorito de sódio (1:1000) por 2 min.; e diásporos escarificados mecanicamente, com lixa nº 80. Para determinar a capacidade de armazenamento, foram testados dois diferentes tipos de embalagem (saco de papel permeável e vidro transparente) e duas condições ambientais (câmara fria e condições de laboratório). Foram realizados testes de germinação antes do armazenamento (tempo zero) e após 60, 120, 180, 240, 300 e 360 dias de armazenamento. Os efeitos dos diferentes tratamentos pré-germinativos e das condições de armazenamento na germinação dos diásporos foram avaliados por meio da ANOVA, seguida do teste de Tukey. Em relação aos tratamentos pré-germinativos, foram observadas altas taxas de germinação nos tratamentos com imersão em hipoclorito (98,0 ± 4,22%), controle (97,0 ± 4,83%), imersão em água destilada a temperatura ambiente (96,0 ± 6,99%) e imersão em água aquecida a 70ºC (83,0 ± 29,08%). Dessa forma, os diásporos de <i>Astronium fraxinifolium</i> não apresentaram dormência. No armazenamento, os diásporos permaneceram viáveis durante todo o período de estudo, apresentando altas porcentagens de germinação, com exceção do tratamento em saco de papel acondicionado em câmara fria, que perdeu a viabilidade no oitavo mês de armazenamento, não sendo, portanto, um método de armazenamento recomendado para esta espécie.


Palavras-chave


propagação vegetal; dormência tegumentar; vigor; viabilidade; armazenamento.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


AGUIAR, A. V. et al. Determinação de parâmetros genéticos em população de gonçalo-alves (Astroniumfraxinifolium) através das características fisiológicas da semente. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 60, p. 89-97, 2001.

ALIERO, B. L. Effects of sulphuric acid, mechanical scarification and wet heat treatments on germination of seeds of African locust bean tree, Parkiabiglobosa.African Journal of Biotechnology, Nairobi, v. 3, n. 3, p. 179-181, 2004.

ALVES, A. U. et al. Superação da dormência em sementes de Bauhiniadivaricata L. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 871-879, 2004.

ARAÚJO NETO, J. C. et al. Armazenamento e requerimento fotoblástico de sementes de Acaciapolyphylla DC. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 27, n. 1, p. 115-124, 2005.

AZEVEDO, M. R. Q. A. et al. Influência das embalagens e condições de armazenamento no vigor de sementes de gergelim. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 7, n. 3, p. 519-524, 2003.

BASKIN, C. C.; BASKIN, J. M. Seeds: ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. London: Academic Press, 1998. 666 p.

BILIA, D. A. et al. Germinação de diásporos de canela (Ocoteacorymbosa (Meissn.) Mez – Lauraceae) em função da temperatura, do substrato e da dormência. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 20, n. 1, p. 189-194, 1998.

BORGHETTI, F.; FERREIRA, A. G. Interpretação de resultados de germinação. In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Eds.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 209-222.

BRASIL. Regras para análise de sementes. Brasília: Ministério da Agricultura e Reforma Agrária, 2009. 395 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 3. ed. Campinas: Fundação Cargill, 2000. 424 p.

CARMELLO-GUERREIRO, S. M.; PAOLI, A. A. S. Estrutura do pericarpo e da semente de AstroniumgraveolensJacq. (Anacardiaceae) com notas taxonômicas. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 87-96, 2000.

CARNEIRO, J. G. A.; AGUIAR, I. B. Armazenamento de sementes. In: AGUIAR, I. B. et al. (Eds.). Sementes florestais tropicais. Brasília: Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes, 1993. p. 333-350.

CORTE, V. B. et al. Alterations in the lipid and soluble sugar content of Melanoxylonbrauna seeds during natural and accelerated ageing. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 32, n. 3, p. 152-162, 2010.

COSTA, N. P. et al. Efeito da época de semeadura sobre a qualidade fisiológica de sementes de soja no Estado do Mato Grosso. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 17, n. 1, p. 107-112, 1995.

COSTA, J. A. et al. Variedades de soja diferem na velocidade e capacidade de absorver água. Scientia Agrária, Curitiba, v. 3, n. 1-2, p. 91-96, 2002.

FONSECA, C. E. L. et al. Recuperação da vegetação de matas de galeria: estudos de caso Distrito Federal e entorno. In: RIBEIRO, J. F. et al. (Eds.). Cerrado: caracterização e recuperação de matas de galeria. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2001. p. 815-870.

GUEDES, R. S. et al. Armazenamento de sementes de Myracrodruonurudeuva Fr. All. em diferentes embalagens e ambientes. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 14, n. 1, p. 68-75, 2012.

KANO, N. K. et al. Armazenamento de sementes de ipê-dourado (Tabebuia sp.). Scientia Florestalis, Piracicaba, n. 17, p. 13-23, 1978.

LABOURIAU, L. G. Germinação de sementes. Washington, 1983. 174 p.

LEITE, E. J. State-of-knowledge on Astronium fraxinifolium Schott (Anacardiaceae) for genetic conservation in Brazil. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics, Switzerland, v. 5, n. 1, p. 63-77, 2002.

LIMA, V. V. F. et al. Germinação de espécies arbóreas de Floresta Estacional Decidual do vale do rio Paranã em Goiás após três tipos de armazenamento por até 15 meses. Biota Neotropica, Campinas, v. 8, n. 3, p. 89-97, 2008.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 1992. 382 p. v. 1.

MELO, J. T. et al. Germinação de sementes de algumas espécies arbóreas nativas do cerrado. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 1, n. 2, p. 8-12, 1979.

MORAES, P. L. R.; PAOLI, A. A. S. Morfologia de frutos e sementes de CryptocariamoschataNees e MartiusexNees, Endlicheriapaniculata (Sprengel) MacBride e OcoteacatharinensisMez (Lauraceae). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 18, n. 1, p. 17-27, 1996.

MULAWARMAN et al. Tree seed management - seed sources, seed collection and seed handling: a field manual for field workers and farmers. Bogor: World Agroforestry Centre (ICRAF) andWinrockInternational, 2003. 54 p.

NASCIMENTO, M. P. S. C. B.; OLIVEIRA, M. E. A. Quebra da dormência de sementes de quatro leguminosas arbóreas. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 13, n. 2, p. 129-137, 1999.

NETTO, D. A. M.; FAIAD, M. G. R. Viabilidade e sanidade de sementes de espécies florestais. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 17, n. 1, p. 75-80, 1995.

NUNES, Y. R. F. et al. Germinação de sementes de GuazumaulmifoliaLam. (Malvaceae) e Heteropterysbyrsonimifolia A. Juss (Malpighiaceae) sob diferentes tratamentos de escarificação tegumentar. Unimontes Científica, Montes Claros, v. 8, n. 1, p. 43-52, 2006.

NUNES, Y. R. F. et al. Aspectos ecológicos da aroeira (MyracrodruonurundeuvaAllemão – Anacardiaceae): fenologia e germinação de sementes. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 2, p. 233-243, 2008.

NUNES, Y. R. F. et al. Pandeiros: o Pantanal Mineiro. MG. Biota, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 4-17, 2009.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Cátalogo das árvores nativas de Minas Gerais: mapeamento e inventário da flora nativa e dos reflorestamentos de Minas Gerais. Lavras: UFLA, 2006. 423 p.

OLIVEIRA, A. K. M. et al. Caracterização morfológica, viabilidade e vigor de sementes de Tabebuia aurea(Silva Manso) Benth. e Hook. f. ex. S. Moore. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 1, p. 25-32, 2006.

OLIVEIRA, L. M. et al. Teste de germinação de sementes de Peltophorumdubium(Sprengel) Taubert – Fabaceae. Floresta, Curitiba, v. 38, n. 3, p. 545-551, 2008.

PAIVA, J. R. Conservação ex situ de recursos genéticos de plantas na região tropical úmida. Acta Amazônica, Manaus, v. 24, n. 1/2, p. 63-80, 1994.

PEREZ, S. C. J. G. A. Envoltórios. In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 125-134.

PHARTYAL, S. S. et al.Ex situ conservation of rare and valuable forest tree species through seed-gene bank. Current Science, Bangalore, v. 83, n. 11, p. 1351-1357, 2002.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; JESUS, R. M. Comportamento das sementes de cedro-rosa (Cedrelaangustifolia S. Et. Moc.) durante o armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 14, n. 1, p. 31-36, 1992.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília: AGIPLAN, 1977. 224 p.

RAMOS, A.; ZANON, A. Dormência em sementes de espécies florestais nativas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS, 1., 1984, Belo Horizonte. Anais... Brasília: ABRATES, 1986. p. 241-265.

ROCHE, L. Forest genetic resources conservation, Brazil. Brasília: IICA/EMBRAPA, 1987. 36 p. (Consultant final report, Série Publicações Miscelâneas. Consultant final report, Série Publicações Miscelâneas).

SANTANA, D. C.; RANAL, M. A. Análise da germinação: um enfoque estatístico. Brasília: Ed. Universidade Brasília, 2004. 284 p.

SANTOS, P. M. et al. Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho-doce pelo teste de envelhecimento acelerado. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 24, n. 1, p. 91-96, 2002.

SANTOS, C. M. R. et al. Teste de deterioração controlada para avaliação do vigor de sementes de feijão. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 25, n. 2, p. 28-35, 2003.

SIMONS, A. J. et al. Strategic concepts in the domestication of non-industrial trees. In: LEAKEY, R. R. B.; NEWTON, A. C. (Eds.). Tropical trees: the potential of domestication and rebuilding of the forest resources. Australia: Queensland, 1994. p. 91-102.

SOUZA, R. P.; VÁLIO, F. M. Seed size, seed germination, and seedling survival of brazilian tropical tree species differing in successional status. Biotropica, Malden, v. 33, n. 3, p. 447-457, 2001.

TONETTI, O. A. O. et al. Qualidade física e fisiológica de sementes de Eremanthuserythropappus (DC.) Mac. Leish. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 28, n. 1, p. 114-121, 2006.

TONIN, G. A.; PEREZ, S. C. J. G. A. Qualidade fisiológica de sementes de Ocotea porosa (Nees et Martius ex. Nees) após diferentes condições de armazenamento e semeadura. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 28, n. 2, p. 26-33, 2006.

VAN NOORDWIJK, M. et al. Is Hutan Tanaman Rakyat a new paradigm in community based tree planting in Indonesia? Working Paper, n. 45, p. 1-32, 2007.

VILLELA, F. A.; PERES, W. B. Coleta, beneficiamento e secagem. In. FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Eds.).Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 265-281.

ZAR, J. H. Biostatistical analysis. 3rd ed. New Jersey: Prentice-Hall, 1996. 827 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509814577