Caracterização florística e estrutural de fragmentos de Matas de Galeria da Bacia do Alto Araguaia

Christian Dias Cabacinha, Marco Aurélio Leite Fontes

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814575

As florestas da bacia do alto Araguaia estão diariamente expostas a vários agentes de degradação devido à intensa prática de agricultura nessa região. Vinte e dois fragmentos (de 10 a 169 ha) foram inventariados pelo método de quadrantes centrados, com o objetivo de caracterizar a estrutura da vegetação e criar um banco de dados de informações voltado para programas de restauração florestal na região. Foram amostradas 109 espécies pertencentes a 78 gêneros e 42 famílias. Dessas, 73,4% apresentaram padrão de dispersão zoocórica e 69,7% foram classificadas como de estádios iniciais de sucessão (53,2% secundárias iniciais e 16,5% pioneiras). O índice de Shannon foi 3,86 nats.ind-1 e o de equabilidade de Pielou foi 0,82. As estimativas da densidade e área basal, considerando todos os fragmentos, foram de 1.351 árvores.ha-1 e 19,28 m2.ha-1, respectivamente. As áreas apresentaram uma menor riqueza (quando comparadas a matas de galerias mais conservadas), heterogeneidade nos índices de diversidade e equabilidade, tamanho reduzido das árvores e consequente baixa área basal, elevado número de espécies características de estádios intermediários de sucessão ecológica e colonização de espécies de cerrado e cerradão em áreas mais antropizadas, alterando a paisagem original. Tal situação, somada à importância dessas áreas para a conservação da biodiversidade e de serviços ecológicos (principalmente relativos à água), exige ações de proteção e manejo conservacionista que aproveitem o grande potencial regenerativo da área, dado pela existência de um grande número de espécies secundárias iniciais e predomínio das espécies zoocóricas.


Palavras-chave


mata de galeria; fitossociologia; conservação; cerrado brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES JÚNIOR, F. T. et al. Estrutura diamétrica e hipsométrica do componente arbóreo de um fragmento de mata atlântica, Recife-PE. Cerne, Lavras, v. 13, n. 1, p. 83-95, 2007.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP (APG). An Update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, p. 105-121, 2009.

BARROSO, G. M. et al. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa: Ed. UFV, 1999.

BELTRÃO, L. Avaliação do efeito do entorno na integridade ecológica de uma mata de galeria inundável no Distrito Federal. 2003. 135 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

BORÉM, R. A. T.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma topossequência alterada de mata atlântica, no municipio de Silva Jardim- RJ, Brasil. Revista Árvore, v. 26, n. 6, p. 727-742, 2002.

BUDOWSKI, G. The distinction between old secondary and climax species in tropical central american lowland rainforest. Tropical Ecology, Varanas, v. 11, p. 44-48, 1970.

CASTRO, A. A. J. F. Florística e fitossociologia de um cerrado marginal brasileiro, Parque Estadual de Vassununga, Santa Rita do Passa-Quatro, SP. 1987. 262 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1987.

CASTRO, S. S. de. Erosão hídrica na alta bacia do rio Araguaia: distribuição, condicionantes, origem e dinâmica atual. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo. v. 17, p. 38-60, 2005.

CASTRO, S. S. de; XAVIER, L. S de.; BARBALHO, M. G. S. da. (Org.). Atlas geoambiental das nascentes dos rios Araguaia e Araguainha: condicionantes dos processos erosivos lineares. Goiânia: SEMARH, 2004. 74p

DIAS NETO, O. C. et al. Estrutura fitossociológica e grupos ecológicos em fragmento de floresta estacional semidecidual, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, v. 60, n. 4, p. 1087-1100, 2009.

DIETZSCH, L. et al. Caracterização da flora arbórea de dois fragmentos de mata de galeria do parque Canjerana, DF. Cerne, Lavras, v. 12, n. 3, p. 201-210, 2006.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. BrasíliaRio de Janeiro: Embrapa Solos, 1999. 412 p.

FELFILI, J. M. Diversity, structure and dynamics of a gallery forest in central Brazil. Vegetatio, v. 117, p. 1-15, 1995.

FELFILI, J. M. et al. O projeto biogeografia do bioma cerrado: hipóteses e padronização da metodologia. In: GARAY, I.; DIAS, B. Conservação da biodiversidade em ecossistemas tropicais. Petrópolis: [s.n.], 2001a. p.157-173.

FELFILI, J. M. et al. Flora fanerogâmica das matas de galeria e ciliares do Brasil Central. In: RIBEIRO, J. F.; FONSECA, C. E. L.; SOUZA-SILVA, J. C. (Ed.) Cerrado - caracterização e recuperação de matas de galeria. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 2001b. p.195-209.

FERREIRA, R. L. C. Análise estrutural da vegetação da Estação Florestal de Experimentação de Açu, RN, como subsídio básico para o manejo florestal. 1988. 91f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1988.

GANDOLFI, S.; LEITÃO FILHO, H. F.; BEZERRA, C. L. F. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, v. 55, n. 4, p. 753-767, 1995.

GOMIDE, L. R. et al. Uma nova abordagem para definição da suficiência amostral em fragmentos florestais nativos. Cerne, v. 11, n. 4, p. 376-388, 2005.

GOMIDE, L. R.; SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D. Análise da diversidade e similaridade de fragmentos florestais nativos na bacia do rio São Francisco, em Minas Gerais. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 2, p. 127-144, 2006.

HOWE, H. F. Seed dispersal by birds and mammals: implications for seedling demography. In: BAWA, K. S.; HADLEY, M. (Ed.) Reproductive ecology of tropical forest plants. Paris: UNESCO, 1990. p. 191-218.

KOVACH, W. L. MVSP - A MultiVariate Statistical Package for Windows, ver. 3.1. Pentraeth: Kovach Computing Services, 2005.

LEPS, J.; STURSA, J. Species-area curve, life history strategies, and succession: a field test of relationships. Vegetatio, v. 83, p. 249-257, 1989.

MACEDO, J. Os cerrados brasileiros: alternativas para a produção de alimentos no limiar do século XXI. Revista de Política Agrícola. São Paulo, v. 4, n. 2, p. 11-18, 1995.

MAGURRAN, E. A. Ecological diversity and its measurement. Princeton University Press, 1988.

MARIMON, B. S.; FELFILI, J. M.; LIMA, E. S. Floristic and phytosociology of the gallery forest of the Bacaba stream, Nova Xavantina, Mato Grosso, Brazil. Edinburch Journal of Botany, Edinburch, v. 59, n. 2, p. 303-318, 2002.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: UNICAMP, 1991. 246 p.

MENDONÇA, R. C. et al. Flora vascular do Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Ed.) Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998. p. 89-168.

MORELLATO, L. P. C. Frutos, frugívoros e a dispersão de sementes. In: MORELLATO, L. P. C.; LEITÃO-FILHO, H. F. (Ed.). Ecologia e preservação de uma floresta tropical urbana: Reserva de Santa Genebra. Campinas: UNICAMP, 1995. p. 64-65.

MORELLATO, L. P. C.; LEITÃO-FILHO, H. F. Padrões de frutificação e dipsersão na Serra do Japí. In: MORELLATO, L. P. C. (Ed.) História natural da serra do Japí: Ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. Campinas: UNICAMP, FAPESP, 1992. p. 112-137.

MOSCOVICH, F. A.; BRENA, A. B.; LONGHI, S. J. Comparação de diferentes métodos de amostragem, de área fixa e variável, em uma floresta de Araucaria angustifolia. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 173-191, 1999.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Willey, 1974. 574 p.

NUNES, Y. R. F. et al. Variações da fisionomia, diversidade e composição de guildas da comunidade arbórea em um fragmento de floresta semidecidual em Lavras, MG. Acta Botanica Brasilica, v. 17, n. 2, p. 213-229, 2003.

OLIVEIRA, V. A. et al. Diagnóstico agroambiental do entorno do Parque Nacional das Emas: 1ª. fase – pedologia, aptidão agrícola e uso das terras. Goiânia: AGÊNCIA RURAL, 2003. 227p. (Documentos, 02/AGÊNCIA RURAL).

OLIVEIRA, P. E. A. M.; MOREIRA, A. G. Anemocoria em espécies do cerrado e mata de galeria de Brasília, DF. Revista Brasileira de Botânica, v. 15, p. 163-174, 1992.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. et al. Effects of soils and topography on the distribution of tree species in a tropical riverine forest in south-eastern Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 10, p. 483-508, 1995.

OLIVEIRA-FILHO, A.T. et al. Diversity and structure of the tree community of a fragment of tropical secondary forest of the Brazilian Atlantic Forest domain 15 and 40 years after logging. Revista Brasileira de Botânica, v. 27, n. 4, p. 685-701, 2004.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Composição florística e estrutura comunitária da floresta de galeria do Córrego da Paciência, Cuiabá (MT). Acta Botanica Brasílica, n. 3, p. 91-112, 1989.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; MELLO, J. M.; SCOLFORO, J. R. S. Effects of past disturbance and edges on tree community structure and dynamics within a fragment of tropical semideciduous forest in south-eastern Brazil over a five-year period (1987-1992). Plant Ecology, v. 131, p. 45-66, 1997.

PINÃ-RODRIGUES, F. C. M.; AGUIAR, I. B. Maturação e dispersão de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. (Ed.) Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p. 215-274.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Ed.) Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998. p. 89-168.

REZENDE, A. V. Importância das matas de galeria: manutenção e recuperação. In: RIBEIRO, J. F. (Ed.) Cerrado: Matas de Galeria. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998.

SAEG - Sistema para Análise Estatística e Genética (SAEG v. 5.0). Manual de uso. Viçosa: UFV-Funarbe, 1997.

SANO et al. Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa, 2008. 1279 p.

SILVA JÚNIOR, M. C. Fitossociologia e estrutura diamétrica na mata de galeria do Pitoco, na reserva ecológica do IBGE, DF. Cerne, Lavras, v. 11, p. 147-158, 2005.

SILVA JÚNIOR, M. C. Fitossociologia e estrutura diamétrica da mata de galeria do Taquara, na Reserva Biológica do IBGE, DF. Revista Árvore, v. 28, n. 3, p. 419-428, 2004.

SILVA JÚNIOR, M. C. Comparação entre matas de galeria no Distrito Federal e a efetividade do código florestal na proteção de sua diversidade arbórea. Acta Botanica Brasílica, v. 15, n. 1, p. 111-118, 2001.

SILVA JÚNIOR, M. C. et al. Análise da flora arbórea de Matas de Galeria no Distrito Federal: 21 levantamentos. In: RIBEIRO, J. F.; FONSECA, C. E. L.; SOUSA-SILVA, J. C. Cerrado: caracterização e recuperação de Matas de Galeria. Planaltina, DF: EMBRAPA Cerrados, 2001. p. 142-191.

SILVA JÚNIOR, M. C. Comunidades de árvores e sua relação com os solos na Mata do Pitoco, Reserva Ecológica do IBGE, Brasília-DF. Revista Árvore, v. 22, p. 29-40, 1998.

SILVA JÚNIOR, M. C. et al. Análise florística de matas de galeria no Distrito Federal. In: RIBEIRO, J. F. Cerrado – Matas de Galeria. Planaltina, DF: EMBRAPA-CPAC, 1998. p.53-84.

SILVA JÚNIOR, M. C. Tree communities of the gallery forest of the IBGE Ecological Reserve, Federal District, Brazil. 1995. 257 f. (D. Phil. Thesis) – University of Edinburgh, Edinburgh, 1995.

SOUZA, P. B. de. et al. Florística e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea do sub-bosque de um povoamento de Eucalyptus grandis W.Hill ex Maiden em Viçosa, MG, Brasil. Revista Árvore, v. 31, p. 533-543, 2007.

TABARELLI, M. et al. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 132-138, 2005.

TEIXEIRA, A. P. de; RODRIGUES, R. R. Análise florística e estrutural do componente arbustivo-arbóreo de uma floresta de galeria no município de Cristais Paulistas, SP, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v. 20, n. 4, p. 803-813, 2006.

TONIATO, M. T. Z.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Variations in tree community composition and structure in a fragment of tropical semideciduous forest in southeastern Brazil related to different human disturbance histories. Forest Ecology and Management, v. 198, n. 3. p. 319-339, 2004.

VALE, V. S. et al. Composição florística e estrutura do componente arbóreo em um remanescente primário de floresta estacional semidecidual em Araguari, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea, v. 36, n. 3, p. 417-429, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509814575

Licença Creative Commons