Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra: Enraizamento de matrizes em diferentes fenofases e ambientes

Bárbara Guerreira Alpande Ferreira, Katia Christina Zuffellato-Ribas, Ivar Wendling, Henrique Soares Koehle, Carlos Bruno Reissmann

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814574

Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra (Rubiaceae) é uma espécie nativa da Floresta Ombrófila Densa, restrita às florestas de baixa altitude, com ocorrência nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Possui potencial ornamental, devido à presença de flores amarelas, cálice vermelho e frutos cor anis, e farmacêutico, visto que vários alcaloides já foram isolados, demonstrando diversidade estrutural de compostos ativos. O presente trabalho teve como objetivo verificar o efeito de diferentes ambientes de coleta e da fenofase em que se encontravam as plantas matrizes de Psychotria nuda no enraizamento de estacas caulinares, além de verificar a correlação entre as variáveis porcentagem de estacas enraizadas, número de raízes por estaca e comprimento médio das três maiores raízes por estaca (cm) com a permanência de duas meias folhas e formação de calos. Entende-se por fenofases, as épocas com características fenológicas distintas em que se encontravam as plantas matrizes. Nas duas fenofases estudadas (Fenofases 1 e 2), brotações de copa foram coletadas em Antonina-PR em dois ambientes distintos (planície e encosta) da Floresta Ombrófila Densa. Estacas foram confeccionadas com 10-13 cm de comprimento e duas folhas reduzidas à metade. Após 60 dias em casa de vegetação, foram avaliadas a porcentagem de estacas enraizadas, com calos, vivas, mortas, número de raízes/estaca e comprimento das três maiores raízes/estaca. Os ambientes de coleta e as fenofases influenciaram na porcentagem de enraizamento, onde a fenofase 1 e o ambiente encosta foram as condições que apresentaram o melhor enraizamento (90%). A manutenção das folhas nas estacas durante o período de enraizamento, na maioria das situações, favoreceu a formação de raízes adventícias, e a formação antecipada de calos favoreceu o enraizamento na fenofase 2. Já na fenofase 1, a formação de raízes adventícias foi independente da formação de calos.

 


Palavras-chave


grandiúva-d’anta; estaquia; fenologia.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ANTUNES, J. A. S. et al. Efeito do método de aplicação e de concentrações do ácido indol butírico no enraizamento de estacas semilenhosas de Pyrus calleryana. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 18, n. 3, p. 371-376, 1996.

ALMEIDA, E. M. de.; ALVES M. A. S. Fenologia de Psychotria nuda e P. Brasiliensis (Rubiaceae) em uma área de Floresta Atlântica no Sudeste do Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 335-346, mai. 2000.

BENINCASA, M. M. P.; LEITE, I. C. Fisiologia vegetal. 2. ed. Jaboticabal: Funep, 2004. 169 p.

BORTOLINI, M. F. Uso de ácido indol butírico na estaquia de Tibouchina sellowiana (cham.) Cogn. 2006. 85 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia- Produção Vegetal). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

BORTOLINI, M. F. et al. Tibouchina sellowiana (Cham.) Cogn.: Enraizamento, anatomia e análises bioquímicas nas quatro estações do ano. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 2, p. 159-171, abr./jun. 2008.

CUNHA, A. C. M. C. da; WENDLING, I.; SOUZA JÚNIOR, L. Influência da presença ou ausência de flolhas no enraizamento de miniestacas de corticeira-do-mato (Erythrina falcata Bentham) obtidas em sistema hidropônico. Comunicado técnico, Colombo, n. 89, p. 1-5, 2003.

CUNHA, A. C. M. C. M. da; WENDLING, I; SOUZA JÚNIOR, L. Influência da concentração do regulador de crescimento para enraizamento AIB na formação de mudas de Sapium glandulatum (Vell.) Pax. por estaquia. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 49, p. 17-29, jul./dez., 2004.

CURI, N; RESENDE, M.; SANTANA, D. P. Solos de várzeas de Minas Gerais. Informe Agropecuário, v. 13, n. 152, p. 3-10, 1988.

DELPRETE, P. G.; SMITH, L. B.; KLEIN, R. B. Rubiaceas. In: REIS, A. Flora Ilustrada Catarinense. Santa Catarina: Herbário Barbosa Rodrigues, 2005. v. 2, p. 345-843.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006. 306 p.

FERRIANI, A. P. Estaquia de vassourão-branco (Piptocarpha angustifolia Dusén) com uso de ácido indol butírico. 2006. 99 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia- Produção Vegetal)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

FERREIRA, B. G. A. Propagação de Sapium glandulatum (Vell.) Pax por estaquia, miniestaquia e sementes. 2008. 149 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia- Produção Vegetal)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

FERREIRA, B. G. A. et al. Enraizamento de Sapium glandulatum (Vell.) Pax. pela aplicação de ácido indol butírico e ácido bórico. Leandra, Rio de Janeiro, n. 16, p. 11-16, 2001.

FRAGOSO, V. Alcalóides de Psychotria: Fotorregulação e propriedades antioxidantes e antimutagênicas. 2007. 102 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Celular e Molecular)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

HAISSIG, B. E. Carbohydrate accumulation and partitioning in Pinus banksiana seedlings and seedling cuttings. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v. 61, p. 13-19, 1984.

HARTMANN, H. T. et al. Plant Propagation: principles and practices. 7th ed. New York: Englewood Clipps, 2002. 880 p.

IPARDES. Instituto Paranaense de desenvolvimento econômico e social. Zoneamento da APA de Guaraqueçaba. Curitiba: IPARDES. 2001. 146 p.

KNAPIK, J. G. et al. Influência da época e da aplicação de ácido indol butírico na propagação por estaquia da Tibouchina pulchra (Cham.) Cogn. (quaresmeira). Iheringia, Porto Alegre, v. 58, n. 2, p. 171-179, jul./dez. 2003.

LIMA, N. P. et al. Estaquia semilenhosa e análise de metabólitos secundários de guaco (Mikania glomerata Sprengel e Mikania laevigata Schultz Bip. ex Baker). Revista Brasileira de Plantas Medicinais. Botucatu, v. 5, n. 2, p. 47-54, 2003.

NERY, F. S. G. Propagação vegetativa de Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra (Rubiaceae) nas quatro estações do ano. 2010. 102 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia- Produção Vegetal)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

OLIVEIRA, M. C. de. et al. Enraizamento de estacas para a produção de mudas de espécies nativas de mata de galeria. Recomendação Técnica, Brasília, n. 41, p. 1-4, 2001.

PAIVA, H. N.; GOMES, J. M. Propagação vegetativa de espécies florestais. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1995. 40 p.

PIMENTA, A. C. et al. Interações entre reguladores vegetais, épocas do ano e tipo de substrato no enraizamento de estacas caulinares de Sapium glandulatum (Vell.) Pax. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 50, p. 53-67, jan./jun. 2005.

PURUSHOTHAM, K.; SULLADMATH, U. V.; RAMAIAH, P. K. Seasonal changes in biochemical constituents and their relation to rooting of coffee (Coffe canephora Pierre) sucker cuttings. Journal of Coffee Research. Mysore, v. 14, n. 3, p. 117-130, 1984.

QUADROS, K. M. Propagação vegetativa de erva-mate (Ilex paraguariensis Saint Hilaire – Aquifoliaceae). 2009. 58 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)-Universidade Federal de Santa Maria, 2009.

REIS, C. S.; HILDEBRAND, M. Z. Avaliação de um sistema agroflorestal com espécies arbóreas nativas visando a recuperação de áreas degradadas em pequenas propriedades rurais. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, 6., 2000, Blumenau. Anais.... Blumenau: FURB, 2000. p. 430-432

SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental. Reserva Natural do Morro da Mina. Disponível em: <(http://www.spvs.org.br/projetos/rnt_morro.php)> Acesso em: 2 de fevereiro 2010.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 719 p.

WENDLING I.; FERRARI, M. P.; DUTRA, L. F. Produção de mudas de corticeira-do-banhado por miniestaquia a partir de propágulos juvenis. Comunicado técnico, Colombo, n. 130, p. 1-5, 2005.

WITT, N. G. P. M.; ZUFFELLATO-RIBAS, K. C. Influência do ambiente na propagação vegetativa via estaquia de Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra (Rubiaceae). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FISIOLOGIA VEGETAL, 1., 2009, Fortaleza. Resumos..., 2009. p. 168-168.

XAVIER, A.; SANTOS, G. A. dos; OLIVEIRA, M. L. de. Enraizamento de miniestaca caulinar e foliar na propagação vegetativa de cedro-rosa (Cedrela fissilis Vell.) Revista Árvore. Viçosa, v. 27, n. 3, p. 351-356, 2003.

ZUFFELLATO-RIBAS, K. C.; RODRIGUES, J. D. Estaquia: uma abordagem dos principais aspectos fisiológicos. Curitiba: [K. C. Zuffellato-Ribas], 2001. 39 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509814574

Licença Creative Commons