Variabilidade na dormência relativa dos diásporos de Lithraea molleoides (Vell.) Eng.

Ana Paula de Aguiar Berger, Marli A. Ranal, Denise Garcia de Santana

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814570

A grande diversidade na morfologia dos diásporos da família Anacardiaceae repercute nos processos de germinação e emergência e gera comportamento diferenciado entre as espécies. Dentro dessa família há algumas espécies que apresentam dormência física, outras mecânica, algumas que não exibem dormência e há também espécies cuja informação não está explícita na literatura disponível. Lithraea molleoides (Vell.) Eng. é uma das espécies que hoje se encontra em posição duvidosa quanto à dormência. Em razão disso, objetivou-se avaliar o processo de germinação e emergência de plântulas provenientes de diásporos da espécie, coletados no Vale do Rio Araguari, MG, bem como quantificar a variabilidade na intensidade da dormência existente entre diferentes indivíduos da população. Os diásporos foram coletados em outubro e novembro de 2004 e 2005, a partir de seis matrizes, sendo instalados dois experimentos, o de germinação, montado sob condições controladas, e outro de emergência, em estufa semiaberta. A coleta dos dados foi realizada a cada 24 horas, observando-se a protrusão do embrião no experimento montado em laboratório e a emergência do hipocótilo da plântula acima do substrato no experimento mantido em estufa. Em ambos os experimentos, os diásporos oriundos da matriz de número dois se destacaram em alguma medida, tendo qualidade fisiológica superior em relação aos demais (tempo médio entre 4 e 22 dias; velocidade média entre 0,042 e 0,0217 dias-1; incerteza entre 1,62 e 3,5 bits e sincronia entre 0,04 e 0,381). Os altos valores de incerteza e os baixos valores de sincronia indicam que os processos de germinação e emergência de plântulas de L. molleoides são espalhados no tempo, o que permite caracterizá-los como portadores de dormência relativa, embora sua intensidade seja variável entre indivíduos de uma mesma população. Probabilidades baixas, porém, não nulas para germinar ou emergir, mesmo aos 150 e 60 dias após a semeadura, respectivamente, revelam a capacidade de sobrevivência temporal dos diásporos da espécie e reforçam a presença de dormência relativa.


Palavras-chave


Anacardiaceae; análise de sobrevivência; aroeira-branca.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, D. de M.; MENDES, A. M. da S.; FIGUEIREDO, A. F. de. Característica da germinação e morfologia do endocarpo e plântula de taperebá (Spondias mombin L.) - Anacardiaceae. Revista Brasileira Fruticultura, Jaboticabal, v. 26, n. 3, p. 534-537, 2004.

BARBOSA, J. M. et al. Efeitos de tratamentos de secagem na qualidade de sementes de aroeira-vermelha (Schinus terebinthifolius Raddi.) - Anacardiaceae. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SEMENTES, 10., 1997, Foz do Iguaçu. Anais... Pelotas: Informativo ABRATES, v. 7, n. 1/2, 1997. p. 223.

BARROSO, G. M. et al. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa: UFV, 1999. 443 p.

BASKIN, C. C.; BASKIN, J. M. Seeds: ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. San Diego: Academic Press, 2001. 66 p.

BIANCHETTI, A. Tratamentos pré-germinativos para sementes florestais. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS, 2., 1989, Atibaia. Anais... São Paulo: Instituto Florestal, 1991. p. 237-247.

CARMELLO-GUERREIRO, S. M. Morfologia, anatomia e desenvolvimento de frutos, sementes e plântulas de Schinus terebinthifoluis Raddi, Lithraea molleoides (Vell) Eng., Myracondrum urundeuva Fr. Allem. e Astronium graveolens Janq. (Anacardiaceae). 1996. 90 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 1996.

CARMELLO-GUERREIRO, S. M.; PAOLI, A. A. S. Morfologia e anatomia da semente de Schinus terebinthifolius Raddi (Anacardiaceae) em desenvolvimento. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, n. 11, p. 91-98, 1999.

CARMELLO-GUERREIRO, S. M.; PAOLI, A. A. S. Estrutura do pericarpo e da semente de Astronium graveolens Jacq. (Anacardiaceae) com notas taxonômicas. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 87-96, 2000.

CARMELLO-GUERREIRO, S. M.; PAOLI, A. A. S. Ontogeny and structure of the pericarp and seed coat of Lithraea molleoides Vell. Engl. (Anacardiaceae) with taxonomic notes. Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 48, n. 4, p. 599-610, 2005.

CARVALHO, M. P.; SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. Emergência de plântulas de Anacardium humile A. St.-Hil. (Anacardiacae) avaliada por meio de amostras pequenas. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, n. 3, p. 627-633, 2005.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência e tecnologia de produção. 3. ed. Campinas: Fundação Cargill, 1988. 424 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa, 2006. v.2, 627 p.

COSTA, N. P. et al. Efeito do estádio de maturação do fruto e do tempo de pré-embebição de endocarpos na germinação de sementes de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Câm.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 23, n. 3, p. 738-741, 2001.

DAVIDE, A. C.; FARIA, J. M. R.; BOTELHO, S. A. Propagação de espécies florestais. Belo Horizonte: CEMIG, 1995. 41 p.

DORNELES, M. C.; RANAL, M. A.; SANTANA, D. G. Germinação de diásporos recém-colhidos de Myracrodruon urundeuva Allemão (Anacardiacae) ocorrente no cerrado do Brasil Central. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 399-408, 2005.

EIRA, M. T. S.; FREITAS, R. W. A.; MELLO, C. M. C. Superação da dormência de sementes de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong., Leguminosae. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 15, n. 2, p. 177-181, 1993.

FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. 323 p.

KÖPPEN, W. Climatología: con un estudio de los climas de la Tierra. México: Fondo de Cultura Económica, 1948. p. 553-557.

LABOURIAU, L. G.; VALADARES, M. E. B. On the germination of seeds of Calotropis procera (Airt.). Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 48, p. 263-284. 1976.

LABOURIAU, L. G. On the physiology of seed germination in Vicia graminea Sm. I. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 42, p. 235-262, 1970.

LABOURIAU, L. G. A germinação de sementes. Secretaria Geral da OEA, Washington – Programa Regional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Washington, 1983. 174 p.

LI, X.; BASKIN, J. M.; BASKIN, C. C. Comparative morphology and physiology of fruit and seed development in the two shrubs Rhus aromatica and R. glabra (Anacardiaceae). American Journal of Botany, Saint Louis, v. 86, n. 9, p. 1217-1225. 1999a.

LI, X.; BASKIN, J. M.; BASKIN, C. C. Anatomy of two mechanisms of breaking physical dormancy by experimental treatments in seeds of two North American Rhus species (Anacardiaceae). American Journal of Botany, Saint Louis, v. 86, n. 11, p. 1505-1511. 1999b.

MAGUIRE, J. D. Seed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495 p.

MAYER, A. M.; POLJAKOFF-MAYBER, A. The germination of seeds. 4th ed. Oxford: Pergamon Press. 1989. 270 p.

MELO, J. T. et al. Coleta, propagação e desenvolvimento inicial de espécies do cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P., eds. Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: Embrapa-CPAC, 1998. p. 195-243.

MITCHELL, J. D.; MORI, S. A. The cashew and its relatives (Anacardium: Anacardiaceae). Memories on the New York Botanical Garden, New York, v. 42, p. 1-76, 1987.

KLEIN, J. P.; MOESCHBERGER, M. L. Survival analysis: techniques for censored and truncated data. New York: Springer-Verlag, 1997. 502 p.

OLIVEIRA, M. C. P. Aspectos morfo-anatômicos da unidade de dispersão, germinação e crescimento de Schinopsis brasilienses Engl. (baraúna) – Anacardiaceae. 1983. 132 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 1983.

OLIVEIRA, M. da C. P. de; OLIVEIRA, G. J. de. Superação de dormência de Schinopsis brasiliensis. Revista Ciência Rural, Santa Maria, v. 38, n. 1, p. 251-254, 2008.

PIRANI, J. R. Flora da serra do cipó, Minas Gerais: Anacardiaceae. Boletim de Botânica, Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 9, p. 199-209, 1987.

POPINIGIS, F. Fisiologia das sementes. Brasília: AGIPLAN, 1977. 298 p.

PRIMACK, R. B. Variation in the phenology of natural populations of montane shurbs in New Zealand. Journal of Ecology, Oxford, v. 68, n. 3, p. 849-862, 1980.

RANAL, M. A; SANTANA, D. G. How and why to measure the germination process? Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 29, n. 1 p. 1-11, 2006.

RANAL, M. A. Soil spore bank of ferns in a gallery forest of the Ecological Station of Panga, Uberlândia, MG, Brazil. American Fern Journal, Missouri, v. 93, n. 3, p. 97-115, 2003.

RESSEL, K. et al. Ecologia morfofuncional de plântulas de espécies arbóreas da Estação Ecológica do Panga, Uberlândia, Minas Gerais. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 311-323, 2004.

SCHIAVINI, I. Estrutura de comunidades arbóreas de mata de galeria da Estação Ecológica do Panga (Uberlândia-MG). 1992. 139 f. Tese (Doutorado em Ecologia), Universidade de Campinas, Campinas, 1992.

SILVA, A.; DURIGAN, G. Germinação de sementes de Tapirira guianensis Alblet. Anacardiaceae em diferentes temperaturas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SEMENTES, 4., 1991, Campo Grande. Anais... Pelotas: Informativo ABRATES, v. 7, 1991. p. 77.

SILVERTOWN, J. W.; DOUST, J. L. Introduction to plant population biology. London: Blackwell Scientific Publications, 1993. 210 p.

SOUSA, S. M.; LIMA, P. C. F. Caracterização de sementes de algumas espécies florestais nativas do Nordeste. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 2., 1982, Campos do Jordão. Anais... São Paulo, 1982, p.1156-1167.

SOUSA-SILVA, J. C. et al. Germinação de sementes de plântulas de espécies arbóreas e arbustivas que ocorrem em Matas de Galeria. In: RIBEIRO, J. F.; FONSECA, C. E. L.; SOUSA-SILVA, J. C. (Eds). Cerrado: caracterização e recuperação de matas de galeria. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2001. p. 379-422.

SOUZA, A. A. et al. Seeds of Spondias tuberosa originated from fruits harvested at four maturation stages and stored. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 9, n. 3, p. 372-378, 2005.

SOUZA, M. P.; PINTO, R. M. S.; SANTOS, R. K. Influência da posição de semeadura na germinação de sementes de umbu (Spondias tuberosa Arruda) – Anacardiaceae. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SEMENTES, 10., 1997, Foz do Iguaçu. Anais... Pelotas: Informativo ABRATES, v. 7, n. 1/2, 1997. p. 215.

WANNAN, B. S.; QUINN, C. J. Pericarp structure and generic affinities in the Anacardiaceae. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 102, p. 225-252, 1990.

WERKER, E. Seed anatomy. Berlin: Gebrüder Borntraeger, 1997. 424 p.

ZAMITH, L. P.; SCARANO, F. R. Produção de mudas de espécies das restingas do município do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 161-176, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509814570