Análise fitossociológica e do estoque de carbono no estrato arbóreo de um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual

Ricardo de Oliveira Gaspar, Renato Vinícius Oliveira Castro, Ricardo Vieira Del Peloso, Felippe Coelho de Souza, Sebastião Venâncio Martins

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814569

Os estudos direcionados para quantificação de estoques de carbono fixado por florestas naturais estão em ampla evidência, assim como a discussão sobre a efetividade da recuperação de áreas degradadas como estratégia para reduzir os níveis de CO2 atmosférico. Neste sentido, tiveram-se dois objetivos neste artigo: i) quantificar o estoque de carbono presente na biomassa da parte aérea de um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Montana, pertencente ao Bioma Mata Atlântica no estado de Minas Gerais e ii) incorporar a variável estoque de carbono na estrutura horizontal da análise fitossociológica e comparar os resultados aos obtidos pela metodologia padrão, sem utilizar essa variável no cálculo do valor de importâncias das espécies. Os resultados indicam que o estoque de carbono encontrado equivale a fragmentos em estágio médio de sucessão, e que a utilização da variável carbono influencia sobremaneira o valor de importância das espécies. Esta metodologia serve como suporte para a escolha de espécies arbóreas de maior potencial para sequestrar carbono e pode subsidiar programas de restauração de remanescentes florestais do Bioma de Mata Atlântica.


Palavras-chave


Mata Atlântica; estoque de carbono; sequestro de carbono; estrutura horizontal.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, M. A. Quantificação do estoque volumétrico, de biomassa e de carbono em uma floresta estacional semidecidual no município de Viçosa-MG Viçosa, 2010, 168 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, 2010.

BOINA, A. Quantificação de estoques de biomassa e de carbono em floresta estacional semidecidual, vale do rio doce, Minas Gerais. Viçosa, 2008, 89 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, 2008.

BORÉM, R. A. T.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma toposeqüência alternada de mata atlântica, no munícipio de Silva Jardim – RJ, Brasil. Revista Árvore, v. 26, n. 6, p. 727-742, 2002.

BRAGA, A. J. T. Estudos ecológicos em floresta estacional semidecidual, Viçosa – MG. Viçosa, 2010, 115 f. Dissertação (Doutorado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, 2010.

BRAGA, A. J. T. et al. Composição do banco de sementes de uma floresta semidecidual secundária considerando o seu potencial de uso para recuperação ambiental. Revista Árvore, v. 32, n. 6, p. 1089-1098, 2008.

BRASIL. Resolução/CONAMA Nº 392, de 25 de junho de 2007. Define vegetação primária e secundária de regeneração de Mata Atlântica no Estado de Minas Gerais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília-DF, 26 de junho de 2007.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2003. 1039 p.

CARVALHO, F. A. et al. Estrutura e composição florística do estrato arbóreo de um remanescente de mata atlântica submontana no município de Rio Bonito, RJ, Brasil (Mata Rio Vermelho). Revista Árvore, v. 31, n. 4, p.717-730, 2007.

CHAZDON, R. L. Beyond deforestation: restoring forests and ecosystem services on degraded lands. Science, v. 320, p. 1458-1460, 2008.

COPAM - Conselho de Política Ambiental. 1997. Lista das espécies ameaçadas de extinção da flora do Estado de Minas Gerais. Deliberação COPAM 85/97.

CUNHA, G. M. et al. Biomassa e estoque de carbono e nutrientes em florestas montanas da mata atlântica na região norte do estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 33, p. 1175-1185, 2009.

DURIGAN, G.; MELO, A. C. G. Fixação de carbono em reflorestamentos de matas ciliares no Vale do Paranapanema, SP, Brasil. Scientia Forestalis, v. 71, p.149-154, 2006.

FANG, J.; CHEN, A.; PENG, C.; ZHAO, S.; CI, L. Changes in forest biomass carbon storage in China between 1949 and 1998. Science, v. 292, n. 5.525, p. 2.320-2.322, 2001.

FEARNSIDE, P. Desmatamento na Amazônia: dinâmica, impactos e controle. Acta Amazônica, v. 36, n. 3, p. 395-400, 2006.

FEREZ, A. P. C. Efeito de práticas silviculturais sobre as taxas iniciais de seqüestro de carbono em plantios de restauração da mata atlântica. 2010, 104 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Superior de Agricltura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2010.

FORSTER, H. W.; MELO, A. C. G. de. Biomassa aérea e de raízes em árvores de reflorestamentos heterogêneos no Vale do Paranapanema, SP. IF Série Registros, n. 31, p. 153-157, 2007.

FREITAS, L. J. M. Inventário de prospecção e otimização da colheita visando a sustentabilidade do manejo de uma floresta estacional semidecidual submontana. 2001, 78 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2001.

FUKUDA, M.; IEHARA, T.; MATSUMOTO, M. Carbon stock estimates for sugi and hinoki forests in Japan. Forest ecology and management, v. 184, n. 1-3, p. 1-16, 2003.

FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS - CETEC. Determinação de equações volumétricas aplicáveis ao manejo sustentado de florestas nativas no estado de Minas Gerais e outras regiões do país. Belo Horizonte: SAT/CETEC, 1995. 295 p.

GASPAR, R. O. Dinâmica e crescimento do estrato arbóreo em áreas de mata atlântica, na região do Vale do Rio Doce, MG. 2008. 177 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, 2008.

HOUGHTON, R. A. Aboveground forest biomass and the global carbon balance. Global Change Biology, v. 11, p. 945–958, 2005.

HÜLLER, A. et al. Estrutura fitossociológica da vegetação arbórea do Parque Natural Municipal de Santo Ângelo, Santo Ângelo, RS. Revista Ciência Florestal, v. 21, n. 4, p. 629-639, 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de vegetação do Brasil, 2004. Disponível em: <(ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais)> Acesso em: 20 de junho de 2010.

KAGEYAMA, P. Y.; GANDARA, F. B. Dinâmica de populações de espécies arbóreas para o manejo e a conservação. In: SIMPÓSIO DE ECOSSISTEMAS DA COSTA BRASILEIRA (ACIESP), 3., 1993. Anais ... 1993.

KALIL FILHO, A. N. et al. Espécies recomendadas para a restauração da Mata Atlântica. In: GALVÃO, A. P. M.; MEDEIROS, A. C. S. (Ed.). Restauração da Mata Atlântica em áreas de sua primitiva ocorrência natural. Colombo: EMBRAPA Florestas, 2002. 134 p.

LAMB, D.; ERSKINE, P. D.; PARROTTA, J. A. Restoration of degraded tropical forest landscapes. Science, v. 310, p. 1628-1632, 2005.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. v. 1. 368 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2009a, v.2, 384 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2009b, v. 3, 384 p.

LOUZADA, C. Composição florística e estrutura de vegetação arbórea em diferentes condições fisiográficas de um fragmento de floresta estacional semidecidual secundária, na Zona da Mata de Minas Gerais. 2002. 149 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2002.

LUCHI, A. E. Anatomia do lenho de Croton urucurana Baill. (Euphorbiaceae) de solos com diferentes níveis de umidade. Revista Brasileira de Botânica, v. 27, n. 2, p. 271-280, 2004.

MARANGON, L. C.; SOARES, J. J.; FELICIANO, A. L. P. Florística arbórea da Mata da Pedreira, município de Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, v. 27, n. 2, p. 207-215, 2003.

MARTINS, F. R. O método de quadrantes e a fitossociologia de uma floresta residual do interior do estado de São Paulo: Parque Estadual de Vassununga. 1979. 239 f. Tese (Doutorado) Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1979.

MELO, A. C. G.; DURIGAN, G. Fixação de carbono em reflorestamentos de matas ciliares no Vale do Paranapanema, SP, Brasil. Scientia Forestalis, v. 71, p. 149-154, 2006.

MEYER, S. T. et al. Composição florística da vegetação arbórea de um trecho de floresta de galeria do Parque Estadual do Rola-Moça na Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG, Brasil. Acta Botanica Brasileira, v. 18, n. 4, p. 701-709, 2004.

MONTAGNINI, F.; PORRAS, C. Evaluating the role of plantations as carbon sinks: An example of an integrative approach from the humid tropics. Environmental Management, v. 22, p. 459–470, 1998.

MORELLATO, L. P.; HADDAD, C. F. B. Introduction: the Brazilian Atlantic Forest. Biotropica, v. 32, p. 786–792, 2000.

NÓBREGA, A. M. F. et al. Uso da fitossociologia na avaliação da efetividade da restauração florestal em uma várzea degradada do rio Mogi Guaçu, SP. Scientia Forestalis, n. 75, p. 51-63, 2007.

PÉREZ, J. F. M. Sistema de manejo para a candeia (E. erythropappus (DC.) McLeish). 2001, 71 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2001.

PINTO, S. I. C. et al. Estrutura do componente arbustivo-arbóreo de dois estádios sucessionais de floresta estacional semidecidual na reserva florestal mata do paraíso, Viçosa, MG, Brasil. Revista Árvore, v. 31, n. 5, p. 823-833, 2007.

RIBAS, R. F. et al. Composição florística de dois trechos em diferentes etapas serais de uma floresta estacional semidecidual em Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, v. 27, n. 6, p. 821-830, 2003.

RIBEIRO, M. C. et al. Brazilian Atlantic forest: how much is left and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, v. 142, p. 1141–1153, 2009.

RIBEIRO, S. C. et al. Quantificação de biomassa e estimativa de estoque de carbono em uma capoeira da Zona da Mata Mineira. Revista Árvore, v. 34, p. 495-504, 2010.

RIZZINI, C. T. Árvores e madeiras úteis do Brasil: manual de dendrologia brasileira. São Paulo: E. Edgard Blücher, 1979. 296 p.

SIF – Sociedade de Investigações Florestais, Universidade Federal de Viçosa - UFV. Estudos florísticos e fitossociológicos em áreas de reserva legal e preservação permanente da CENIBRA S.A., 2003. 127 p.

SILVA JUNIOR, W. M. Caracterização florística e fitossociológica da regeneração natural em dois trechos de uma floresta Estacional semidecidual no município de Viçosa, MG. 2002. 76 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2002.

SILVA, A. F. et al. Composição florística e estrutura horizontal do estrato arbóreo de um trecho da mata da biologia da Universidade Federal de Viçosa – Zona da Mata de Minas Gerais. Revista Árvore, v. 24, n. 4, p. 397-405, 2000.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ambófila Mista Montana em Lages, Santa Catarina. Revista Ciência Florestal, v. 22, n. 1, p. 193-206, 2012.

SILVA, C. T. et al. Avaliação temporal da florística arbórea de uma floresta secundária no município de Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, v. 28, n. 3, p. 429-441, 2004.

SILVA, N. R. S. Florística e estrutura horizontal de uma floresta estacional semidecidual montana – mata do Juquinha de Paula, Viçosa, MG. 2002. 68f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2002.

SILVER, W. L.; OSTERTAG, R.; LUGO, A. E. The potential for carbon sequestration through reforestation of abandoned tropical pastural and agricultural lands. Restoration Ecology, v. 8, p. 394-407, 2000.

SOARES, C. P. B.; NETO, F. P.; SOUZA, A. L. Dendrometria e Inventário Florestal. 2. ed. Viçosa: Ed. da UFV. 2011. 272 p.

SOARES, C. P. B.; OLIVEIRA, M. L. R. Equações para estimar a quantidade de carbono na parte aérea de árvores de eucalipto em Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, v. 26, n. 5, p. 533-539, 2002.

TABARELLI, M. et al. Challenges and opportunities for biodiversity conservation in the Brazilian Atlantic forest. Conservation Biology, v. 19, p. 695-700, 2005.

TIEPOLO, G.; CALMON, M.; FERETTI, A. R. Measuring and monitoring carbon stocks at the Guaraqueçaba climate action project, Paraná, Brazil. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON FOREST CARBON SEQUESTRATION AND MONITORING, 2002, Taipei, Taiwan. Anais... Taipei: Taiwan Forestry Research Institute, 2002. p. 98-115.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 1991. 123 p.

VIEIRA, D. C. M.; GANDOLFI, S. Chuva de sementes e regenerarão em uma área restaurada. Revista Brasileira de Botânica, v. 29, n. 4, p. 541-554, 2006.

YOUNG, T. P. Restoration ecology and conservation biology. Biological Conservation, v. 92, p. 73-83, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509814569