Caracterização da monodominância de aroeira (Myracrodruon urundeuva Fr. All.) no município de Tumiritinga – MG

Felipe Pinho de Oliveira, Agostinho Lopes de Souza, Elpídio Inácio Fernandes Filho

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814568

A espécie florestal Myracrodruon urundeuva Fr. All. é reconhecida cientificamente pelo conjunto de características ecológicas e utilitárias que a caracterizam como espécie “nobre” da flora brasileira. Embora a espécie figure desde 1992 até o presente na lista de espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção, a mesma manifesta comportamento monodominante em algumas regiões do estado de Minas Gerais, sobretudo na região do médio Rio Doce. Diversos estudos são conduzidos no intuito de descrever e compreender florestas tropicais monodominadas, no entanto, ainda são poucas as informações que esclarecem a estrutura de fragmentos florestais monodominados por Myracrodruon urundeuva. Neste contexto, o presente estudo teve por objetivos: a) caracterizar através de parâmetros florísticos, fitossociológicos e paramétricos a monodominância de Myracrodruon urundeuva no município de Tumiritinga-MG; b) estimar os estoques de biomassa e carbono aéreos nestes sistemas; c) caracterizar o estágio de regeneração de fragmentos florestais monodominados por aroeira em Tumiritinga-MG, com base na resolução 392 do CONAMA; d) avaliar a existência de correlação entre cobertura de copa e estágio de regeneração em fragmentos monodominados por aroeira. Foram amostradas de forma aleatória 16 parcelas de 400 m² em todo o município de Tumiritinga, representando 6.400 m² de “aroeirais”. A análise de diversidade dos fragmentos monodominados estudados apresentou índice de Shannon-Weaver igual a 0,25. Myracrodruon urundeuva representou 96% dos 678 fustes amostrados, 96% da área basal total mensurada e 96% do volume total estimado nas parcelas de inventário. Além da espécie Myracrodruon urundeuva, o estudo de florística apresentou somente outras 10 espécies florestais representadas por 7 famílias botânicas. As estimativas de biomassa alcançaram valores médios de 81 m3.ha-1 de volume de madeira, 62,8 Mg B.ha-1, 35,2 Mg C.ha-1 e 129,1 Mg CO2.ha-1. Os povoamentos monodominados por aroeira em Tumiritinga foram caracterizados de acordo com a resolução CONAMA 392 e com a análise de cobertura de copa como em estágio médio de regeneração. A aroeira encontra-se em monodominância na região do médio Rio Doce e se faz necessária a realização de estudos visando ao manejo sustentável destas florestas.


Palavras-chave


monodominância; inventário florestal; estoque de carbono.

Texto completo:

PDF

Referências


AMADOR, G. A. Composição florística e caracterização estrutural de duas áreas de carandazais nas sub-regiões do Miranda e Nabileque, Pantanal Sul Mato-Grossense, Brasil. 2006, 56 f. Dissertação (Mestrado Ecologia) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2006.

ARIEIRA, J.; CUNHA, C. N. Fitossociologia de uma floresta inundável monodominante de VochysiadivergensPohl (Vochysiaceae), no Pantanal Norte, MT, Brasil. Acta Botânica Brasil, n. 20, v. 3, p. 569-580, 2006.

BARUQUI, F. M. Inter-relações solo-pastagem nas regiões Mata e Rio Doce do estado de Minas Gerais. 1982. 119 f. Dissertação (Mestrado Solos e Nutrição de Plantas) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1982.

BRASIL. IBAMA- Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Portaria Normativa nº. 37. Torna pública a lista oficial de espécies da flora brasileira ameaçada de extinção. Brasília, DF, 3 de abril de 1992. Diário Oficial da União.

BRASIL. IBAMA- Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Portaria Normativa Nº. 83, de 26 de setembro de 1991. Proíbe o corte e exploração da Aroeira Legítima ou Aroeira do Sertão, das Braúnas, do Gonçalo Alves em florestas primárias. Brasília, DF. Diário Oficial da União, 26 de setembro de 1991.

BRASIL. MMA/CONAMA. Ministério do Meio Ambiente/Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução 392 de 25 de Junho de 2007. Define vegetação primária e secundária de regeneração de Mata Atlântica no Estado de Minas Gerais. Brasília, DF. Diário Oficial da União. 2007.

BRASIL. MMA- Ministério do Meio Ambiente. Instrução Normativa nº 06 de 23 de setembro de 2008. Traz a lista oficial de espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção e com deficiência de dados. Brasília, DF, 2008. Diário Oficial da União, 2008.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileira. Brasília: Embrapa Florestas, 2003.

CIENTEC. Mata Nativa versão 2.0: sistema para análise fitossociológica e elaboração de inventários e planos de manejo de florestas nativas. Viçosa-MG: Cientec - Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas Ltda., 2006.

CINTRA, T. C. Avaliações energéticas de espécies florestais nativas plantadas na região do Médio Paranapanema, SP. 2009, 84 f. Dissertação (Mestrado Ciências Florestais), ESALQ, Piracicaba, 2009.

CONNELL, J. H.; LOWMAN, M. D. Low-diversity tropical rainforests: some possiblemechanisms for theirexistence. The American Naturalist, p.134:88-119, 1989.

DRUMOND, M. et al. Distribuição de biomassa e de nutrientes em diferentes coberturas florestais e pastagens na região do Médio Rio Doce-MG. RevistaÁrvore, v. 21, n. 2, p. 187-199, 1997.

HART, T. B., HART, J. A.; MURPHY, P. G. Monodominant and species-rich forests of the humid tropics: causes for their co-occurrence. The American Naturalist, n. 133, v. 5, p. 613-633, 1989.

HENKEL, T. W. Monodominance in the ectomycorrhizalDicymbecorymbosa (Caesalpiniaceae) from Guyana. Journal of Tropical Ecology, n. 19, p. 417-437, 2003.

HOEN, H.; SOLBERG, B. Potential and economic efficiency of carbon sequestration in forest biomass through silvicultural management.Forest Science, v. 40, n. 3, p. 429-451, 1994.

KLEIN, R. M. Aspectos fitossociológicos da bracatinga (Mimosa scabrella). In: do seminário sobre atividades e perspectivas florestais, Curitiba. 1981, Anais... Curitiba: 1981, p. 145-148

LORENZI, H. Árvores Brasileiras – Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Editora Plantarum, 2002. p. 368.

MARIMON, B. S., FELFILI, J. M. Distribuição de diâmetros e alturas na floresta monodominante de BrosimunrubescensTaub. na Reserva Indígena Areões, Água Boa-MT, Brasil. Revista Árvore, v. 24, n. 2, p. 143-150, 2000.

MEIRA-NETO, J. A. A.; MARTINS, F. R. Estrutura da Mata da Silvicultura, uma floresta estacional semidecidualmontana no município de Viçosa, MG. RevistaÁrvore, Viçosa-MG, v. 21, n. 2, p. 151-160, 2000.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. NewYork: John Wiley& Sons, 1974. 547 p.

MURTA, R. O.; COELHO, F. M. G.; OLIVEIRA, F. P. Impasses legais diante dos limites ambientais postos pela monodominância da aroeira na região do médio rio Doce/MG. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO AMBIENTAL, 14., 2010, São Paulo: Anais... São Paulo, 2010. p.153-162.

NASCIMENTO, M. T.;PROCTOR, J. Population dynamics of five tree species in a monodominantPeltogyne forest and two other forest types on Maracá Island, Roraima, Brazil. Forest Ecologyand Management, v. 94, n. 9. p. 115-128, 1997.

OLIVEIRA, F. P. Monodominância de aroeira: Fitossociologia, relações pedológicas e distribuição espacial em Tumiritinga, MG. 2011. 87 p. Dissertação (Mestrado Solos e Nutrição de Plantas) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2011.

QUEIROZ, C. R. A. A.; MORAIS, S. A. L.; NASCIMENTO, E. A. Caracterização dos Taninos da Aroeira-Preta (Myracrodruon urundeuva).Revista Árvore, v. 26, n. 4, p. 485-492, 2002.

RIBEIRO, S. C.et al.Quantificação de biomassa e estimativa de estoque de carbono em uma capoeira da zona da mata mineira. Revista Árvore, Viçosa v. 34, n. 3, p. 495-504, 2010.

SILVA, J. A.et al. Banco de Germoplasma de Espécies Florestais Nativas do Campo Experimental Sucupira. Aroeira (Myracrodruon urundeuva Fr. All.) Anacardiaceae. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2006, 46 p.

SOUZA, A. L. et al. Caracterização fitossociológica em áreas de ocorrência natural de candeia (Eremanthuserythropappus(D.C.) MacLeish). RevistaÁrvore, Viçosa, v. 31, n. 4, p. 667-677, 2007.

TIEPOLO, G.; CALMON, M.; FERETTI, A.R. Measuring and Monitoring Carbon Stocks at the Guaraqueçaba Climate Action Project, Paraná, Brazil. In: International Symposium on Forest Carbon Sequestration and Monitoring. Extension Serie Taiwan Forestry Research Institute, n. 153 p. 98-115, 2002.

VALENTE, E.L. Caracterização da intensidade de degradação do solo e da cobertura vegetal de uma área no médio Rio Doce, utilizando imagens IKONOS II. 2005. 89 p. Dissertação (Mestrado Solos e Nutrição de Plantas) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2005.

VELOSO, H. P.et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 124 p.

VIANA, V. M. et al. Manejo de laregeneracion natural de especiesarboreas nativas para laformacion de sistemas silvopastoriles em las zonas de bosques secos delsureste de Brasil. Agroforesteria em lasAmericas v. 9 n. 33– 34, 2002.

VIEIRA, J. L. Relação entre atributos do solo e ocorrência da aroeira do sertão (Myracrodruonurundeuva Freire Allemao) na RPPN fazenda Bulcão, médio Rio Doce, MG. 2008. 75 f. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade)- UNEC, Caratinga, 2008




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509814568

Licença Creative Commons