Qualidade sanitária e fisiológica de sementes de Aroeira-Preta (Lithraea molleoides) submetidas a métodos de superação de dormência

Graziela Piveta, Marlove de Fátima Brião Muniz, Lia Rejane Silveira Reiniger, Cláudia Braga Dutra, Cleidionara Pacheco

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814567

O presente estudo teve como objetivo avaliar a qualidade fisiológica e sanitária de sementes de Lithraea molleoides (Vell.) Engl. comparando diferentes métodos de superação da dormência. Os métodos de superação da dormência utilizados foram: escarificação ácida por 10, 15, 20 e 25 minutos; imersão em água quente, com temperatura de 70, 80 e 90°C, até resfriar por 24 horas, imersão em ácido giberélico (GA3) na concentração de 250 e 500 mg.L-1, por 24 e 48 horas; e imersão em nitrato de potássio (KNO3) por 24 e 48 horas. Foram realizadas avaliações de sanidade, germinação e comprimento médio de plântulas. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com quatro repetições de 25 sementes por tratamento. Os dados em percentagem foram transformados segundo arco sen√x/100 e submetidos à análise de variância. A comparação das médias foi realizada através do teste de Tukey a 5 % de significância. Foi realizada análise de correlação simples entre sementes mortas do teste de germinação e os diferentes fungos identificados no teste de sanidade. No teste de sanidade, foram identificados com maior incidência os fungos Rhizoctonia spp., Penicillium spp., Aspergillus spp., Alternaria spp., Chaetomium spp., Epicoccum spp. De uma maneira geral, a utilização da água quente controlou a incidência dos diferentes fungos e a utilização do ácido giberélico proporcionou um aumento da incidência dos diferentes patógenos. A maior porcentagem de germinação foi observada quando se utilizou escarificação ácida por 20 minutos, imersão em água quente a 70°C, GA3 (250 mg L-1 por 48 horas) e KNO3 por 48 horas.

 


Palavras-chave


espécie florestal; germinação; fungos

Texto completo:

PDF

Referências


BARNETT, H. L.; HUNTER, B. B. Illustred genera of imperfect fungi. 3rd ed. Minnesota: Burgess Publishing Company, 1999. 241 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regra para análise de

sementes. Brasília, DF, 2009. 399 p.

VAN DER BURG, W. J. et al. Predicting tomato seedling morphology by ×-ray analysis of seeds. Journal American Society for Horticultural Science, v. 119, n. 2, p. 258-263, 1994.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informações Tecnológica; Colombo, PR: Embrapa florestas. 2003. v. 1, p. 727-734.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informações Tecnológica; Colombo, Embrapa florestas, 2006. v. 2, p. 97-104.

CHRISTENSEN, C. M. Loss of viability in storage microflora. Seed Science and

Technology. Zurich, v. 1, n. 3, p. 547-562, 1973.

CALON, S. P. Q. et al. Armazenamento, germinação de sementes e crescimento inicial de mudas de Enterolobiumcontortisiliquum (Vell.) Morong. Acta Scientiarum, v. 27, n. 2, p. 107-112, 2005.

COPELAND, L. O. Principles of seed science and technology. Minnesota: Burgess Publ., 1976. 369 p.

DUARTE, L. M. L. et al. Fungos associados às sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia) e ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa): incidência, efeito na germinação e transmissão para as plântulas. Summa Phytopathologica. Botucatu, v. 34, n. 4, p. 343-348. out./dez., 2008.

EIRA, M. T. S. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de capim Andropogon. Revista Brasileira de Sementes. Brasília: v. 5, n. 3, p. 37-49, 1983.

FRANK, L. B.; NABINGER, C. Avaliação da germinação de seis acessos de PaspalumnotatumFlügge, nativos do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 18, n. 1, p. 102-107, 1996.

GARBER, S. D. et al. Theatments affecting dormancy in sweet sorghum seed. Seed Science and Technology. Zurich, v. 2, p. 305-316, 1974.

GAZZIERO, D. L. P. et al. Estudo da superação de dormência de sementes de capim massambará (Sorghumhalepense(L.)PERS.) através de nitrato de potássio e ácido sulfúrico. Revista Brasileira de Sementes. Brasília: v. 13, n. 1, p. 21- 25, 1991.

LAURA, V. A.; ALVARENGA, A. A. de; ARIGONI, M. de F. Effects of growth regulators, temperature, light, storage and others factors on Muntingia calabura L. seed germination. Seed Science and Technology. New Delhi, v. 22, n. 3, p. 573-579, 1994.

LUCCA-FILHO, O. A. Curso de tecnologia de sementes. Brasília: ABEAS, 1995. 53 p.

LULA, A. A. et al. Estudos de agentes químicos na quebra da dormência de sementes de PaspalumpaniculatumL. Ciência Agrotecnologia, Lavras, v. 24, n. 2, p.358 - 366, abr./jun., 2000.

MARCOS FILHO, J. ; KOMATSU, Y. H.; BARZAGHI, L. Métodos para superar a dormência de sementes de girassol (HelianthusannusL.). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, n. 2, p. 65-75, 1987.

MARTINS, C. C.; CARVALHO, N. M.; OLIVEIRA, A. P. Quebra de dormência de sementes de sabiá (Mimosa caesalpiniaefoliaBenth.). Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 5-8, abr., 1992.

MELO, J. T. et al. Coleta, propagação e desenvolvimento inicial de espécies do cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Ed.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA/CPAC, 1998. p. 195-235.

MENTEN, J. O. M. Patógenos em sementes: detecção, danos e controle químico. Piracicaba: ESALQ: FEALQ, 1991. 312 p.

MURDOCH, A. J.; ELLIS, R. H. Dormancy, viability and longevity. In: FENNER, M. (Ed.). Seeds: the ecology of regeneration in plant communities. 2nd ed. Wallingford: CABI Publishing, 2000. p.183-214.

MUNIZ, M. F. B. et al. Microflora associadaas sementes de SchinusterebinthifoliusRaddi oriundas de frutos em três diferentes estágios de coloração. Informativo ABRATES, Pelotas, v. 13, n. 3, ago. 2003.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados na avaliação de plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA-NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p. 1- 2.

NOBRE, S. A. M. et al. Qualidade sanitária e fisiológica de sementes de Myracrodruonurundeuva submetidas ao controle biológico com Clonostachysrosea. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FITOPATOLOGIA, 40., 2007, Maringa-PR. Anais... Maringa-PR , p. 50 , 2007.

OLIVEIRA, J. A. et al. Comportamento de sementes de milho tratadas com fungicidas antes e após o armazenamento convencional. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 19, n. 2, p. 208-213, 1997.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; AGUIAR, I. B. Maturação e dispersão de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. (Org.). Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p.83-135.

PINTO, N. F. J. A. Patologia de sementes de sorgo. Sete Lagoas: EMBRAPA-CNPMS. 1999. 62 p. (Circular Técnico, 32).

RESENDE, M. L. V.; PÁDUA, M. A.; TOYOTA, M. Manejo das doenças associadas a viveiros florestais. In: DAVIDE, A. C.; SILVA, E. A. A. (Eds). Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: Ed. UFLA, 2008. p. 141-153.

SANTOS, A. F. dos; PARISI, J. J. D. Estado da arte e perspectivas da patologia de sementes florestais no Brasil. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PATOLOGIA DE SEMENTES, 8., 2004, João Pessoa. Anais... João Pessoa, p. 43-47, 2004.

SCALON, S. P. Q. et al. Armazenamento, germinação de sementes e crescimento inicial de mudas de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. Acta Scientiarum, v. 27, n. 2, p. 107-112, 2005.

STENZEL, N. M. C.; MURATA, I. M.; NEVES, C. S. V. J. Superação da dormência de sementes de atemóia e fruta-do-conde. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal – SP, v. 25, n. 2, p. 305-308, agosto 2003.

TAIZ, L. ZEIGER, E. FisiologiaVegetal. 4. edição, Porto Alegre: Artmed. 2009, 848 p.

VARELA, V. P.; BROCKI, E.; SÁ, S. T. V. Tratamentos pré-germinativos de espécies da amazônia. IV. Faveiracamuzê - Stryphnodendronpulcherrimum(Willd.) Hochr. - Leguminosae. Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 13, n. 2, p. 87-89, dez., 1991.

VERZIGNASSI, J. R.; VIDA, J. B.; HOMECHIN, M. Ocorrência e transmissão de Alternaria steviaeeA. alternataem sementes de Steviarebaudiana(Bert.) Bertoni. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 19, n. 2, p. 283 – 287, dez., 1997.

ZONTA, E. P.; MACHADO, A. A. Sistema de análise estatística para microcomputador – SANEST. Pelotas: UFPEL, 1984. Registro SEI N, 066060-0, Categoria AO.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509814567

Licença Creative Commons