Utilização de resíduos da madeira de Pinus spp. como substituição ao agregado miúdo na produção de blocos de concreto para alvenaria estrutural

Adauto José Miranda de Lima, Setsuo Iwakiri

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813339

Este trabalho teve como objetivo avaliar o potencial de utilização do resíduo do desdobro de toras de Pinus spp. em substituição ao agregado miúdo do concreto traço 1:10, utilizado para a produção de blocos para alvenaria estrutural. A avaliação das características físicas (massa específica, índice de vazios e absorção de água) e mecânicas (resistência à compressão e à tração) do concreto foi realizada conforme normas da ABNT. Foram testadas substituições do agregado miúdo por teores de 0, 20, 40, 60, 80 e 100% de resíduo de Pinus spp. in natura, Pinus spp. in natura e com adição de 4,5% de CaCl2.2H2O e resíduo de Pinus spp. pré-tratado com extração em água fria por 48 horas (AF48H). As composições foram inicialmente utilizadas para a produção em laboratório, de corpos de prova cilíndricos de 50 mm, com o uso de um sistema de moldagem por vibrocompressão e posteriormente, para produção de blocos, com os traços otimizados, em máquina vibroprensa. Obtiveram-se resultados satisfatórios com substituições de até 50% do agregado miúdo mineral pelo resíduo de Pinus spp.


Palavras-chave


resíduo de <i>Pinus </i>spp.; blocos de concreto; alvenaria estrutural

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS – ASTM.ASTM C 1170 : Standard test method for determining consistency and density of roller-compacted concrete using a vibrating table, Pennsylvania, USA, 2008.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS – ASTM.ASTM C 177: Standard test method for steady-state heat flux measurements and thermal transmission properties by means of the guarded-hot-plate apparatus, Pennsylvania, USA, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MADEIRA PROCESSADA MECANICAMENTE – ABIMCI. Estudo Setorial. Documento disponível em (http://www.abimci.com.br) >.Acesso em: 25 de setembro de 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR 6467: Agregados – Determinação do inchamento de agregado miúdo – Método de ensaio. Rio de Janeiro, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR 7190: Projeto de estruturas de madeira. Rio de Janeiro, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR 7211: Agregados para concreto – Especificação. Rio de Janeiro, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR 7218: Agregados – Determinação do teor de argila em torrões e materiais friáveis. Rio de Janeiro, 1987.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR NM 248: Agregados – Determinação da composição granulométrica. Rio de Janeiro, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR NM 30: Agregado miúdo – Determinação da absorção de água. Rio de Janeiro, 2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR NM 46: Agregados – Determinação do material fino que passa através da peneira 75 μm, por lavagem. Rio de Janeiro, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR NM 49: Agregado miúdo – Determinação de impurezas orgânicas. Rio de Janeiro, 2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND – ABCP. NBR NM 53: Agregado graúdo – Determinação da massa específica, massa específica aparente e absorção de água. Rio de Janeiro, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 12118: Blocos vazados de concreto simples para alvenaria – Métodos de ensaio. Rio de Janeiro, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 15220-4: Desempenho térmico de edificações. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 5733: Cimento Portland de alta resistência inicial. Rio de Janeiro, 1991.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 5738: Concreto – Procedimento para moldagem e cura de corpos-de-prova. Rio de Janeiro, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 6136: Blocos vazados de concreto simples para alvenaria – Requisitos. Rio de Janeiro, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 7215: Cimento Portland – Determinação da resistência à compressão. Rio de Janeiro, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 9479: Argamassa e concreto – Câmaras úmidas e tanques para cura de corpos-de-prova. Rio de Janeiro, 2006.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 9778: Argamassas e concretos endurecidos – Determinação da absorção de água, índice de vazios e massa específica. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR NM 52: Agregado miúdo – Determinação da massa específica e massa específica aparente. Rio de Janeiro, 2003.

FAGUNDES. H.A.V. Produção de madeira serrada e geração de resíduos do processamento da madeira de florestas plantadas no Rio Grande do Sul. 2003. 173p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FERREIRA JÚNIOR, S. Produção de Blocos de Concreto para Alvenaria; Prática Recomendada. Boletim Técnico ABCP, n.107, 1985, 12p.

FREITAS, L.C. A baixa produtividade e o desperdício no processo de beneficiamento da madeira: Um estudo de caso. 2000. 110f. Dissertação (Mestrado em Construção Civil) -Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

HACHMI, M.; CAMPBELL, A.G. Wood-cement chemical relationships. In: 1st Inorganic Bonded Fiber Composites Symposium. Forest Products Research Socirty.Proceedings. P. 43-47. 1989.

HON, D.N.S; SHIRAISHI, N. Wood and Cellulosic Chemistry.NewYork:Marcel Dekker, Inc. 2001. 914p.

ISAIA, G.C. Materiais de construção civil e princípios de ciência e engenharia de materiais. São Paulo: IBRACON. 2007. 1712p.

IWAKIRI, S. Painéis de madeira reconstituída. Curitiba: FUPEF. 2005. 247p.

JORGE, F.C.; PEREIRA, C.; FERREIRA, J.M.F. Wood-cementcomposites: a review. HolzRohWerkst, n. 62, p. 370-377, 2004.

LIMA, A.F.; JARÁ, E.R.P.; ALFONSO, V.A. Madeira como matéria-prima para fabricação de pasta celulósica. In: Celulose e Papel: tecnologia de fabricação da pasta celulósica. São Paulo: IPT, 1988, p. 129-167.

MEDEIROS, J.S. Alvenaria estrutural não armada de blocos de concreto: Produção de componentes e parâmetros de projeto. 1993. 449f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo São Paulo, São Paulo.

MORAIS, S.A.L.; NASCIMENTO, E.A.;MELO, D.C. Análise da madeira de Pinus oocarpa. Parte I – Estudo dos constituintes macromoleculares e extrativos voláteis. Revista Árvore, Viçosa, v.29, n.3, p. 461-470, 2005.

MOSLEMI. A. A. Wood-cement panel products: coming of age. In: 1st Inorganic Bonded Fiber Composites Symposium.Forest Products Research Society.USA.Proceedings ... 1989, USA: 1988, p. 12-18.

RAMIREZ-CORETTI, A.; ECKELMAN, C.A.; WOLF, R.W. Inorganic-bonded composite wood panel systems for low-cost housing: a Central American perspective.Forest Products Journal, Madison, n. 48, p. 62-68, 1998.

SAVASTANO JÚNIOR, H., AGOPYAN, V. Microestrutura x desempenho dos compósitos reforçados com fibras vegetais. In: Workshop sobre Reciclagem e Reutilização de Resíduos como Material de Construção Civil, São Paulo, 1996. Anais.São Paulo, Epusp/Antac, 1997. p. 153-158.

SEMPLE, K.E.; EVANS, P.D. Wood-cement composites – Suitability of Western Australian mallee eucalypt, blue gum and melaleucas.Rural Industries Research and Development Corporation. Kingston: ACT, 2004. 64p.

SIMATUPANG, M.H. et al. Influence of wood species on the setting of cement and gypsum. International Congress on Fiber and Particleboard with Inorganic Binder, Idaho, Proceedings, p. 33-42, 1988.

SOUSA, J.G.G.Contribuição ao estudo da relação entre propriedades e proporcionamento de blocos de concreto – aplicação ao uso de entulho como agregado reciclado. 2001. 120f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade de Brasília, Brasília.

THE LEADING ASSOCIATION FOR THE WORLDWIDE PULP, PAPER, PACKAGING AND CONVERTING INDUSTRIES - TAPPI. TAPPI Cassical Method T 204 cm: Solvent extractives of wood and pulp, Georgia, USA, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509813339

Licença Creative Commons