Efeito da inversão no tratamento de moirões submetidos ao método de substituição da seiva

Juarez Benigno Paes, Gerlanda Caetano dos Santos, Rafael Rodolfo de Melo, Carlos Roberto de Lima, Wlademir Nicolau Sobrinho

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813338

O objetivo da pesquisa foi avaliar o efeito da inversão de moirões de algaroba (Prosopis juliflora) e de leucena (Leucaena leucocephala), na solução preservativa, na distribuição, penetração e retenção do borato de cobre cromatado (CCB) aplicado pelo método de substituição da seiva. A algaroba foi coletada na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e a leucena no Campus da Universidade Federal de Campina Grande, em Patos - PB. Foram colhidas árvores com DAP entre 6,0 a 12,0 cm. Retiraram-se dois discos de 2,0 cm de espessura no topo e base das peças. Os discos externos foram descartados e os internos empregados nas determinações das características das madeiras, ficando as peças com 2,0 m. Empregou-se uma solução de 2% de ingredientes ativos de CCB. Foram tratadas 10 peças de cada espécie, tendo cinco delas permanecido dispostas na solução durante 8 dias e cinco tiveram seus topos invertidos após o sexto dia de tratamento. As peças foram secas ao ar, retiraram-se discos de 2,0 cm de espessura para a determinação da penetração (cinco posições nas peças) e para a retenção do CCB (três posições). Os valores das características das madeiras indicaram que as peças eram homogêneas. A absorção da solução foi de 19,9 litros (algaroba) e de 17,0 litros (leucena), acarretando em uma retenção nominal de CCB de 7,72 e 5,34 kg de ingredientes ativos (i.a.)/m3, respectivamente. De maneira geral, a inversão das peças na solução preservativa é recomendável, por proporcionar uma melhor distribuição, penetração e retenção do CCB ao longo da peça tratada.


Palavras-chave


algaroba; leucena; CCB; substituição de seiva

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, G. G.. L.; ALBUQUERQUE, S. G.; GUIMARÃES FILHO, C. Opções no uso de forrageiras arbustivo-arbóreas na alimentação animal no Semi-árido do Nordeste. In: CARVALHO, M. M.; ALVIN, M. J.; CARNEIRO, J.C. (Eds.). Sistemas agroflorestais pecuários: opções de sustentabilidade para áreas tropicais e subtropicais.Juiz de Fora, FAO/EMBRAPA, 2001, cap. 6, p. 111 - 137.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9480:peças roliças preservadas de eucalipto para construções rurais – requisitos. Rio de Janeiro, 2009.12p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6232: penetração e retenção de preservativos em postes de madeira. Rio de Janeiro, 1973. 12 p.

AZEVEDO, N. V. As mil e uma utilidades da algaroba. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 3, n. 13, p. 24 - 24, 1984.

FARIAS SOBRINHO, D.W.; PAES, J.B.; FURTADO, D.A. Tratamento preservativo da madeira de algaroba (Prosopisjuliflora (Sw) D.C.), pelo método de substituição de seiva. Cerne, Lavras, v. 11, n. 3, p. 225 - 236, 2005.

GALVÃO, A. P. M. Características da distribuição de alguns preservativos hidrossolúveis em moirões de EucalyptusalbaReinw. tratados pelo processo de absorção por transpiração radial. 1968. 115f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba.

GOMES, J. J. Características tecnológicas da algarobeira (Prosopisjuliflora D.C.): contribuição para seu uso racional. 1999. 118f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Universidade Federal da Paraíba, Campina Grande.

HUNT, G.M; GARRAT, G.A. Wood preservation. 3. ed. New York: McGraw Hill, 1967, 433p.

KARLIN, U. O.; AYERZA, H. R. O programa da algaroba na República Argentina. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE ALGAROBA, 1., 1982, Natal. Anais... Natal: EMPARN, 1982. p. 146-197.

LEPAGE, E. S. Preservativos e sistemas preservativos. In: LEPAGE, E.S. (Coord.). Manual de preservação de madeiras. São Paulo: IPT, 1986, v.1, p. 279-342.

PAES, J. B.; LIMA, C. R.; SANTOS, J. M. Tratamento preservativo de moirões de algaroba (Prosopisjuliflora D.C.) pelo método de Boucherie modificado. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 7., 2000, São Carlos. Anais... São Carlos: USP/EESC, 2000. CD-ROM.

PAES, J. B.; MORAIS, V. M.; LIMA, C. R. Resistência natural de nove madeiras do semi-árido brasileiro a cupins subterrâneos, em ensaio de preferência alimentar. Brasil Florestal, Brasília, v. 20, n.72, p. 59 - 69, 2001.

PAES, J.B.; et al. Tratamento preservativo de peças roliças de leucena (Leucaenaleucocephala (Lam.) de Wit.) pelo método de substituição da seiva. Revista de Ciências Agrárias, Belém, n. 47, p. 231-246, 2007.

PAES, J.B.; MORESCHI, J.C.; LELLES, J.G. Avaliação do tratamento preservativo de moirões de Eucalyptusviminalis Lab. e de bracatinga (Mimosa scabrellaBenth.) pelo método de substituição de seiva. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 1, p. 75-86, 2005.

SOUZA, R. F.; TENÓRIO, Z. Potencialidades da algaroba no Nordeste. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE ALGAROBA, 1., 1982, Natal. Anais... Natal: EMPARN, 1982. p. 198 - 216.

TORRES, P. M. A. Caracterização da madeira juvenil de EucalyptuscamaldulensisDehnh. para aplicação na arquitetura rural. 2008. 76f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509813338

Licença Creative Commons