Alterações na estrutura horizontal, no período de 2002-2008, em Floresta Ombrófila Mista no centro-sul do estado do Paraná

Alex Roberto Sawczuk, Afonso Figueiredo Filho, Andrea Nogueira Dias, Luciano Farinha Watzlawick, Thiago Floriani Stepka

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813332

As alterações na estrutura horizontal de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista, localizado na Floresta Nacional de Irati, estado do Paraná, foram avaliadas com dados de medições realizadas nos anos de 2002, 2005 e 2008. A área de estudo possui 25 ha, divididos em 25 parcelas permanentes de 1 ha cada (100 m x 100 m). Todos os indivíduos com diâmetro a altura do peito (DAP) igual ou acima de 10 cm foram mensurados e identificados. Foi analisada a densidade, dominância, frequência, valor de cobertura e valor de importância e para melhor interpretação dos estimadores fitossociológicos e do estágio sucessional da floresta, as espécies foram classificadas em grupos ecofisiológicos: pioneiras, secundárias inicial, secundárias tardias e indeterminadas. Observou-se um decréscimo de 2,3% no número de indivíduos/ha, sendo encontrados 581 no ano de 2002 e 567 indivíduos/ha em 2008. Em 2008, Ilex paraguariensis foi a espécie com maior número de indivíduos, representando 9,4% do total. A dominância, avaliada em termos de área basal, alterou-se de 28,6 no ano de 2002 para 30,2 m²/ha em 2008, ou seja, houve um acréscimo de 5,1% no período e a Araucaria angustifolia está sendo a espécie que domina a floresta com 25,9%. A frequência apontou para uma distribuição heterogênea das espécies na floresta, com taxas de 47,4% no ano de 2002 e 46,3% em 2008. A Araucaria angustifolia foi a espécie dominante e ecologicamente a mais importante no período com 35,2 (11,7%) do total do valor de importância absoluto em 2008. De acordo com os estimadores fitossociológicos e grupos ecofisiológicos, a floresta apresenta-se com estoque em crescimento, devido ao incremento em diâmetro nos indivíduos de maiores diâmetros de espécies como Araucaria angustifolia e Ocotea porosa, e em estágio avançado de sucessão ecológica, com a grande maioria das espécies e indivíduos pertencentes às secundárias iniciais e tardias, e a cada ano torna-se mais madura com o ingresso de novas espécies e indivíduos tolerantes à sombra.


Palavras-chave


Floresta de Araucária; fitossociologia; dinâmica florestal

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, J. E. FlorExel, versão 3.2.1. Suplemento para Microsoft Excel®. Curitiba, 2007.

BARTH, N. F. Monitoramento do crescimento e da produção e floresta ombrófila mista com uso de parcelas permanentes. 2002. 86 p. Dissertação (Mestrado em Manejo Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002.

BITTENCOURT, J.V.M. et al. Conservation, management and sustainable use of Araucaria angustifolia genetic resources in Brazil. In: VINCENTI, B.; W. AMARAL, N.;MEILLEUR, B. (eds), Challenges in managing forest genetic resources for livelihoods. Examples from Argentina and Brazil. Rome, Italy׃ International Plant Genetic Resources Institute, 2004. p. 133-148.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras. Brasília: Embrapa Florestas, 2003, 1039p.

CASTELLA, P. R.; BRITEZ, R. M. de. A floresta com araucária no Paraná: conservação e diagnóstico dos remanescentes florestais. Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004, 236p.

CATHARINO, E.L.M. et al. Aspectos da composição e diversidade do componente arbóreo das florestas da Reserva Florestal do Morro Grande, Cotia, SP. Biota Neotrop. May/Aug 2006 vol. 6 no. 2, http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?article+bn00306022006. ISSN 1676-0603.

DURIGAN, M. E. Florística, dinâmica e análise protéica de uma Floresta Ombrófila Mista em São João do Triunfo – PR. 1999. 125 f. Dissertação (Mestrado em Manejo Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1999.

FIGUEIREDO FILHO, A. et al. Crescimento sazonal em diâmetro de 16 espécies de uma Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de Irati, Paraná, Brazil. In: 2o. Congresso Latinoamericano IUFRO, 2006, La Serena, Chile. Bosques: La creciente importancia de sus funciones ambientalles, sociales y económicas. La Serena, Chile: IUFRO-INFOR, 2006. v.1.

FONSECA, R.C.B.; RODRIGUES, R.R.; Análise estrutural e aspectos do mosaico sucessional de uma floresta semi-decídua em Botucatu, SP. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 57, p. 27-43, jun. 2000.

FORMENTO, S.; SCHORN, L. A.; RAMOS, R. Dinâmica Estrutural Arbórea De Uma Floresta Ombrófila Mista Em Campo Belo Do Sul, Sc. Cerne, Lavras, v. 10, n. 2, p. 196-212, jul./dez. 2004.

GANDOLFI, S.; LEITÃO FILHO, H.; BEZERRA, C.L.F. Levantamento florístico caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semi-decídua no município de Guarulhos - SP. Revista brasileira de botânica, v.55, n.4, p.753-767, 1995.

ISERNHAGEN, I. et al. Listagem de espécies arbustivo-arbóreas citadas nos trabalhos de fitossociologia florestal no Paraná, Brasil: uma contribuição aos programas de recuperação de áreas degradadas (RAD)¹. In: A fitossociologia florestal no Paraná e os programas de recuperação de áreas degradadas: uma avaliação, 2001. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Depto. De Botânica da Universidade Federal do Paraná. Curitiba – PR, 2001. 175p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de Biomas do Brasil e o Mapa de Vegetação do Brasil. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=169. Acessado em: 15 fev. 2010.

IBGE, - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico da Vegetação Brasileira (Manuais técnicos de geociências). Rio de Janeiro, 1992. n 1. 92p.

LAMPRECHT, H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas: possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Eschborn: GTZ, 1990. 343 p.

MANTOVANI, M. et al. Diversidade de espécies e estrutura sucessional de uma formação secundária da floresta ombrófila densa. Scientia Forestalis, n. 67, p.14-26, abr. 2005.

MAZZA, C. A. S.; MAZZA, M. C. M.; SANTOS, J. E. SIG aplicado à caracterização ambiental de uma unidade de conservação Floresta Nacional de Irati, Paraná. In: Anais XII simpósio brasileiro de sensoriamento remoto, v. 12, 2005, Goiânia, Brasil. Goiânia: INPE, 16-21 abril 2005.p. 2251-2258.

MOSCOVICH, F. A. Dinâmica de crescimento de uma Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Santa Maria, 2006. 130 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal de Santa Maria.

OLIVEIRA, R. J.; MANTOVANI, W.; MELO, M. M. R. F.; Estrutura do componente arbustivo-arbóreo da floresta atlântica de encosta, Peruíbe, SP. Acta botânica Brasilica, v. 15, n.3, p. 391-412, 2001.

PIZATTO, W. Avaliação biométrica da estrutura e da dinâmica de uma Floresta Ombrófila Mista em São João do Triunfo, PR.: 1995 a 1998. 1999. 172 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1999.

RODE, R. Avaliação florística e estrutural de uma floresta ombrófila mista e de uma vegetação arbórea estabelecida sob um povoamento de Araucaria angustifolia de 60 anos. 2008. 132 f. Dissertação (Mestrado em Manejo Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

SANQUETTA, C. R. et al. Dinâmica da estrutura horizontal de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Centro-Sul do Paraná. Revista Ciências Exatas e Naturais, V. 3, n. 1, p. 44-57..., Jan/Jun 2001.

SANTOS, J. H. S. et al. Distinção de grupos ecológicos de espécies florestais por meio de técnicas multivariadas. R. Árvore, Viçosa-MG, v.28, n.3, p. 387-396, 2004.

SAWCZUK, A. R.; Florística e estrutura horizontal no período 2002-2008 de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Centro-Sul do Estado do Paraná, 2009. 139 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Irati, 2009.

SCHAAF, L.B.; Florística, estrutura e dinâmica no período 1979-2000 de uma Floresta Ombrófila Mista localizada no Sul do Paraná, 2001. 119 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2001.

SCOLFORO, J. R. Inventário Florestal. Lavras: ESAL/FAEPE, 1993. 228 p.

SILVA, A. J. C. et al. Banco de Sementes em Floresta Ombrófila Mista Aluvial – Municípios de Araucaria e Balsa Nova. CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 8.2007, Caxambú – M.G. Anais. Caxambú – MG.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas na flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005. 639 p.

ZIN, M. T. Developing a Scientific Basis for Sustainable Management of Tropical Forest Watershed: Cases Studies of Myanmar.2005. Tese (A dissertation to obtain the degree of Doctor) Faculty of the Forest Science and Forest Ecology, George- August-University, Göttingen, july 2005. 282 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509813332

Licença Creative Commons