Balanço hídrico e de energia para plantios de eucalipto com cobertura parcial do solo

Mariana Gonçalves dos Reis, Aristides Ribeiro, Raquel Couto Evangelista Baesso, Wesley Gonçalves de Souza, Sebastião Fonseca, Rodolfo Araujo Loos

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813329

Plantios com idade inicial de desenvolvimento apresentam descontinuidade na cobertura do solo, tendendo a apresentar maior exposição do dossel ao vento e à radiação solar, o que altera as interações solo-planta-atmosfera. O objetivo deste trabalho foi estudar os componentes dos balanços hídricos e de energia ao longo do primeiro ano de desenvolvimento do eucalipto na região da planície costeira brasileira. O sítio experimental está localizado em uma área pertencente à empresa Fibria Celulose no município de Aracruz – ES. O espaçamento entre as árvores do plantio de eucalipto da área estudada foi de 3 x 3 m e a data do plantio foi em 15/08/2004. O período de estudo foi compreendido entre a data do plantio até a cultura ter completado 19 meses de idade. Verificou-se maior disponibilidade de energia no período de verão e que a precipitação influenciou diretamente na partição do balanço de energia, sendo que, durante todo o período estudado, a fração da energia disponível destinada à evapotranspiração foi sempre maior que a fração destinada ao aquecimento do sistema solo-planta-atmosfera, apresentando uma relação de 59,57% de λE/Rn. Observou-se também que o balanço hídrico com a evapotranspiração modelada apresentou boa correspondência ao comportamento da umidade observada, apresentando um coeficiente de determinação de 0,94. Os maiores portes das árvores, maiores índices de área foliar e sistema radicular, favoreceu a evapotranspiração, mostrando que a maior parte da energia disponível foi utilizada para mudança de fase da água.


Palavras-chave


plantio jovem de eucalipto; disponibilidade de energia e evapotranspiração

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAF, Anuário Estatístico da Abraf 2010: Ano base 2009. Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas, Brasília, 2010.140p.

ALMEIDA, A.C.et al. Mapping the effectof spatial and temporal variation in climate and soils on Eucalyptus plantationproduction with 3-PG, a process-based growth model. Forest Ecologyand Management,n. 259,p. 1730–1740, 2010.

ALMEIDA, A.C.et al. Growth and water balance of Eucalyptus grandis hybrid plantations in Brazil during a rotation for pulp production. Forest Ecology and Management,n. 251, p. 10–21, 2007.

BOWEN, I.S. The ratio of heat losses by conduction and by evaporation from any water surface. Physical Review, New York, n. 27, p. 779-787, 1926.

CABRAL, O.M.R. et al. The energy and water balance of a Eucalyptus plantation in southeast Brazil. JournalHydrology,n. 388, p. 208–216, 2010.

DENMEAD, O.T.; BRADLEY, E.F. Flux-gradient relationships in a forest canopy.In: B.A. Hutchison and B.B. Hicks (Editors), The Forest-AtmosphereInteraction. Reidel, Dordrecht, p. 421-442, 1985.

DYE PJ. Response of Eucalyptus grandistrees to soil waterdeficits. Tree Physiol,n. 16, p.233–238, 1996.

FORRESTER, D.I.; COLLOPY, J.J.; MORRIS, J.D. Transpiration along an age series of Eucalyptus globulus plantations in southeastern Australia. Forest Ecologyand Management, n. 259, p. 1754–1760, 2010.

HUBBARD, R.M. et al. Effects of irrigation on water use and water use efficiency in two fast growing eucalyptus plantations. Forest Ecology and Management, n. 259, p. 1714–1721, 2010.

LANDSBERG, J.J.; POWELL, D.B.B. Surface exchange characteristics of leaves subject to mutual interference.Agricultural and Forest Meteorology,n. 13, p. 169-184, 1973.

MIELKE, M.S. et al. Stomatal control of transpiration in the canopy of a clonal Eucalyptus grandisplantation. Trees,n. 13, p. 152–160. 1999.

MUNRO, D.S. Internal consistency of the Bowen ratio approach to flux estimation over forested wetland. In: B.A. Hutchison and B.B. Hicks (Editors),The Forest-Atmosphere Interaction. Reidel, Dordrecht, p. 395-406, 1985.

O’GRADY, A.P.; WORLEDGE, D.; BATTAGLIA, M. Constraints on transpiration ofEucalyptus globules in southern Tasmania, Australia. Agriculturaland Forest Meteorolgy, n. 148, p. 453–465, 2008.

PEREIRA, A,R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia fundamentos eaplicações práticas. Guaíba – RS: Agropecuária, 2002. 478p.

RIOU, O.; VALANGOGNE, C.; PIERI, P. Un modèle simple d’interception du rayonnementsolairepar la vigne – vérificationexpérimentale. Agronomie, n. 9, p.441-450, 1989.

SACRAMENTO NETO, O.B. Balanço hídrico em plantios jovens de eucalipto na região de Belo Oriente-MG. Viçosa-MG, 77p., Dissertação de Mestrado –Universidade Federal de Viçosa, 2001.

SILBERSTEIN, R.P. et al.Energy balance of a natural jarrah (Eucalyptusmarginata) forest in Western Australia. Measurements during spring and summer. Agricultural and Forest Meteorology, n. 109, p. 79–104, 2001.

SOUZA, M. J. H. et al. Disponibilidade hídrica do solo e produtividade do eucaliptoem três regiões da bacia do Rio Doce. Revista Árvore,Viçosa, v.30, n.3, p.399-410, 2006.

SOUZA, W. G. Modelagem da evapotranspiração em plantios jovens de eucalipto em fase inicial de desenvolvimento com cobertura parcial do solo. Viçosa-MG, 40p., Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Viçosa, 2006.

THORPE, M.R.; WARRIT, B.; LANDSBERG, J.J. Responses of apple leat stomata: a model for single leaves and a whole tree. Plant, CellandEnvironment, n.3, p. 23-27, 1980.

XAVIER, A. C.; SOARES, J. V.; ALMEIDA, A. C. Variação do índice de área foliar em clones de eucalipto ao

longo do seu ciclo de crescimento. Revista Árvore, v. 26, n. 4, p. 421- 427, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509813329