Efeito de diferentes temperaturas na germinação e crescimento radicular de sementes de jatobá-mirim (Guibourtia hymenaefolia (Moric.) J. Léonard)

Ademir Kleber Morbeck de Oliveira, Kelly Cristina Lacerda Pereira

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813328

A espécie Jatobá-Mirim pertence à família Fabaceae, apresentando-se distribuída pelos biomas Pantanal e Caatinga. Sua madeira é indicada para construção civil e confecção de mobiliário de luxo, e a árvore é recomendada para arborização urbana e utilizada para a composição de reflorestamentos heterogêneos. Levando-se em consideração seu potencial de utilização, este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de verificar o efeito de diferentes temperaturas sobre as taxas de germinação e crescimento radicular inicial de sementes de Jatobá-Mirim. As sementes utilizadas no experimento foram coletadas na Fazenda Cabeceira do Prata, Município de Jardim, Mato Grosso do Sul, em setembro de 2009. O material coletado foi transportado para o Laboratório de Pesquisa em Sistemas Ambientais e Biodiversidade da Universidade Anhanguera- Uniderp, no qual o experimento foi desenvolvido. As sementes foram submetidas a seis tratamentos, em temperaturas constantes, de 20, 25, 30 e 35°C e alternadas de 20-30 e 25-35°C em câmaras de germinação tipo BOD. Os resultados obtidos evidenciaram maior percentagem de germinação das sementes nas temperaturas de 30°C (90%), 35°C (97%) e 25-35°C (90%), estatisticamente iguais, indicando que estas temperaturas são mais eficazes em promover a germinação. Levando-se em consideração o tempo médio de germinação, índice de velocidade de germinação e produção de matéria seca, as temperaturas constantes de 30 e 35°C se destacam, sendo seus resultados estatisticamente iguais e superiores aos demais tratamentos.


Palavras-chave


matas calcárias; sementes florestais; espécies nativas

Texto completo:

PDF

Referências


BASKIN, C. C.; BASKIN, J. M. Seeds: ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. San Diego: Academic Press, 2001. 666 p.

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. 2.ed. New York and London: Plenum Press, 1994. 445 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para Análises de sementes. Brasília: Secretaria de Defesa Agropecuária, Mapa/ACS, 2009. 395 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4 ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.

CASSARO-SILVA, M. Efeito da temperatura na germinação de sementes de manduirana (Senna macranthera (Collad.) Irwin et Barn. - Caesalpiniaceae). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 23, n. 1, p. 92-99, 2001.

CASTRO, R. D.; BRADFORD, K. J.; HILHORST, H. W. M. Embebição e reativação do metabolismo. In: FERREIRA, A. G..; BORGHETTI, F. (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 149-162.

FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. 323 p.

LARCHER, W. Physiological plant ecology: ecophysiology and stress physiology of functional groups. Berlin; Springer, 2003. 533 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, v. 2, 2009. 384 p.

LOPES, J. C. et al. A. Influência de temperatura, substrato e luz na germinação de sementes de bertalha. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 27, n. 2, p. 18-24, 2005.

MACHADO, C. F. et al. Metodologia para a condução do teste de germinação em sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia (Vahl) Nicholson). Cerne, Lavras, v. 8, n. 2, p. 17-25, 2002.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495p.

NETO, J. C. A.; AGUIAR, I. B.; FERREIRA, V. M. Efeito da temperatura e da germinação de sementes de Acacia polyphylla DC. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 249-256, 2003.

OLIVEIRA, A. K. M. et al. Germinação de sementes de Aspidosperma tomentosum Mart. (Apocynaceae) em diferentes temperaturas. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 392-397, 2011.

OLIVEIRA, A. K. M. et al. Temperaturas para germinação de sementes de Tabebuia ochracea (Cham.) Standl. Comunicata Scientiae, Teresina, v. 3, n. 2, p. 98-103, 2012

OLIVEIRA, L. M. et al. Temperatura e regime de luz na germinação de sementes de Tabebuia impetiginosa (Martius ex A. P. de Candolle) Standley e T. serratifolia Vahl Nich. – Bignoniaceae). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 29, n. 3, p. 642-648, 2005.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília: AGIPLAN, 1985. 289 p.

ROSSETO, J. et al. Germinação de sementes de Parkia pendula (Willd.) Benth. ex Walp. (Fabaceae) em diferentes temperaturas. Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 1, p. 47-55, 2009.

SILVA, L. M. M.; AGUIAR, I. B. Efeito dos substratos e temperaturas na germinação de sementes de Cnidosculus phyllacanthus Pax & K. Hoffm. (Faveleira). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 26, n. 1, p. 9-14, 2004.

VARELA, V. P.; FERRAZ, I. D. K.; CARNEIRO, N. B. Efeito da temperatura na germinação de sementes de sumaúma (Ceiba pentandra (L.) Gaertn. - Bombacaceae) Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 21, n. 2, p. 170-174, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509813328

Licença Creative Commons