Riqueza e composição florística da comunidade de samambaias na mata ciliar do Rio Cadeia, Rio Grande do Sul, Brasil

Ivanete Teresinha Mallmann, Jairo Lizandro Schmitt

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813327

Este trabalho analisou a riqueza e a composição da comunidade de samambaias em fragmentos de mata ciliar do rio Cadeia, sob diferentes níveis de antropização, em Santa Maria do Herval, Rio Grande do Sul, Brasil. Foram alocadas 120 parcelas distribuídas equitativamente em três fragmentos (FI, FII e FIII), sendo inventariadas todas as espécies e registrada a riqueza por unidade amostral. A composição florística entre os fragmentos foi comparada empregando-se o índice de Jaccard e a distribuição espacial das parcelas foi avaliada por meio de escalonamento multidimensional. Os dados de riqueza foram apresentados utilizando-se curvas de rarefação baseadas em amostras e estimadores não paramétricos de diversidade. Foram encontradas 40 espécies, distribuídas em 13 famílias. A maior similaridade florística ocorreu entre o FI e o FII. As parcelas do FI formaram o agrupamento mais definido e apresentaram o maior número de espécies exclusivas. A curva de rarefação para a amostra total se aproximou da assíntota e os estimadores apontaram no máximo 45 espécies, evidenciando que a maioria das espécies foi inventariada na mata ciliar. Um gradiente decrescente de riqueza média por parcela foi observado à medida que aumenta a urbanização no habitat matriz dos fragmentos. Esses resultados constituem uma base de dados a ser utilizada em manejo, conservação e reflorestamento de matas ciliares degradadas. Eles podem ser comparados diretamente aos resultados obtidos em outros trabalhos que utilizam rarefação e estimativas de riqueza, o que não é possível com muitos dos inventários realizados no Brasil.


Palavras-chave


inventário florístico; rarefação; estimadores de riqueza; conservação

Texto completo:

PDF

Referências


ATHAYDE FILHO, F. P.; AGOSTINHO, A. A. Pteridoflora de duas veredas no município de Campinápolis, Mato Grosso, Brasil. Pesquisas, Botânica, São Leopoldo v.56, p.145-160, 2005.

ATHAYDE FILHO, F. P.; WINDISCH, P. G. Análise da pteridoflora da Reserva Biológica Mário Viana, Município de Nova Xavantina, Estado de Mato Grosso (Brasil). Bradea, Rio de Janeiro, v. 9, n. 13, p. 67-76, 2003.

ATHAYDE FILHO, F. P.; FELIZARDO, M. P. P. Florística e aspectos ecológicos da pteridoflora em três segmentos florestais ao longo do rio Pindaíba, Mato Grosso. Pesquisas, Botânica, São Leopoldo, v. 58, p. 227 – 244, 2007.

BARRELA, W. et al. As relações entre as matas ciliares, os rios e os peixes. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. F. (Eds.). Matas Ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP, p. 187-207. 2000.

BARTHLOT, W. et al. Diversity and abundance of vascular epiphytes: a composition of secondary vegetation and primary montane rain forest in the Venezuelan Andes. Plant Ecology, Holanda, v. 152, p. 145-156, 2001.

BENZING, D. H. Vascular epiphytes. Cambridge: Cambridge University Press, 1990. 354p.

BORG, I. e GROENEN, P. Modern Multidimensional Scaling: Theory and Applications. Nova York, NY: Springer, 1997. 614p.

BUDDLE, C. M. et al. The importance and use of taxon sampling curves for comparative biodiversity research with forest arthropod assemblages. Canadian Entomologist, Canadá, v. 137, p. 120-127, 2005.

BUDOWSKI, G. Distribuition of tropical american rain forest species in the light of sucessional processes. Turrialba, San José, v. 15, n. 1, p. 40-42, jan./mar. 1965.

CAMPOS, J. C. de; LANDGRAF, P. R. C. Análise da regeneração natural de espécies florestais em matas ciliares de acordo com a distância da margem do lago. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 143-151, 2001.

COLWELL, R. K. Estimates: Statistical estimation of species richness and shared species from samples. Versão 7.5. Guía de usuário e aplicativo, 2005. Disponível em: http://viceroy.eeb.uconn.edu/EstimateS

COLWELL, R. K. et al. Interpolatin, extrapolatin, and comparing incidence-based species accumulation curves. Ecology, Londres, v. 85, p. 2717-2727, 2004.

DIESEL, S.; SIQUEIRA, J. C. Estudo fitossociológico herbáceo/arbustivo da mata ripária da bacia hidrográfica do rio dos Sinos, Rio Grande do Sul. Pesquisas, Botânica, São Leopoldo, v. 42, n. 2, p. 205-257, 1991.

DITTRICH, V. A. O. et al. Species richness of pteridophytes in a montane Atlantic rain forest plot of Southern Brazil. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 519-525, 2005.

FALAVIGNA, T. J. Diversidade, formas de vida e distribuição altitudinal das pteridófitas do Parque da Ferradura, Canela (RS), Brasil. 2002. 90 f. Dissertação (Mestrado em Biologia) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

FRAGA, L. L. et al. Composição e distribuição vertical de pteridófitas epifíticas sobre Dicksonia sellowiana Hook. (Dicksoniaceae), em floresta ombrófila mista no sul do Brasil. Biota Neotropica, LOCAL PUBL. v. 8, n. 4, p. 123-129, out./dez. 2008.

GENTRY, A. H.; DODSON, C. Contribuition of nontrees to species richness of a tropical rain forest. Biotropica, Washington, v. 19, n. 2, p. 149-156, 1987.

GOTELLI, N. J.; COLWELL, R. K. Quantifying biodiversity: procedures and pitfalls in the measurement and comparison of species richness. Ecology Letters, Boston, v. 4, p. 379-391, 2001.

GREGORY, S. V. et al. An ecosystem perspective of riparian zones. BioScience, Minas Gerais, v. 41, n. 8, p. 540-551, 1992.

HAMMER, Ø. et al. PAST: Paleontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis. Palaeontologia Electronica, v. 4, n. 1, p. 1-9, 2001.

KERNAN, C.; FOWLER, N. Differential substrate use by epiphytes in Corcovado National Park, Costa Rica: a source of guild structure. Journal of Ecology, Oxford, v. 83, n. 1, p. 65-73, 1995.

KREUTZ, C.; ATHAYDE FILHO, F. P. Aspectos Ecológicos da Flora Pteridofítica do Córrego Caveira, Barra do Garças - MT. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 9., 2009, São Lourenço. Anais do IX Congresso de Ecologia do Brasil, Minas Gerais: 2009, p. 1-4.

LORSCHEITTER, M. L. et al. Pteridophyte spores of Rio Grande do Sul flora, Brazil. Part I. Palaeontographica Abt. B, Stuttgart, v. 246, p. 1-113, 1998.

LORSCHEITTER, M. L. et al. Pteridophyte spores of Rio Grande do Sul flora, Brazil. Part VI. Palaeontographica Abt. B, Stuttgart, v. 281, p. 1–96, 2009.

MALLMANN, I. T. Comparação da composição florística, estrutura comunitária e distribuição espacial de monilófitas entre três fragmentos de mata ciliar do rio Cadeia, com diferentes graus de perturbação antrópica, no sul do Brasil. 2009. 76f. Dissertação (Mestrado em Qualidade Ambiental) - Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Governo do Estado do Rio Grande do Sul - Secretaria da Agricultura, 1961. p. 42.

MUELLER, C. C. Gestão de matas ciliares. In: LOPES, I. V. (org.). Gestão Ambiental no Brasil: experiência e sucesso. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, p. 185-214. 1996.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, G. H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wylley e Sons, 1974. 547p.

MÜLLER, L. et al. Zur Ökologie epiphytisher Farne in Südbrasilien. I. Saugschuppen. Flora, Jena, v. 171, p. 55-63, 1981.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; RATTER, J. A. A study of the origin of Central Brazilian forests by the analysis of plant species distribution patterns. Edinburgh Journal of Botany, Edinburgh, v. 52, n. 2, p. 141-194, 1995.

PINTO, A. C. R. et al. Composição florística de epífitas (Magnoliophyta) em fragmento de floresta no município de Jaboticabal, SP, Brasil. Científica, LOCAL, v. 23, n. 2, p. 283-289, 1995.

PRADO, J.; SYLVESTRE, L. Pteridófitas. In: FORZZA, R. C. et al. (orgs). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2010.

PRIMACK, R. B. e RODRIGUES E. Biologia da Conservação. Londrina: E. Rodrigues, 2001. 328p.

RAUNKIAER, C. The life forms of plants and statistical geography. Claredon, Oxford, 1934. 632p.

RIBEIRO-FILHO, A. A. Composição florística da floresta ciliar do rio Mandassaia, Parque Nacional da Chapada Diamantina, Bahia, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 60, n. 2, p. 265-276, 2009.

RODRIGUES, R. R.; NAVE, A. Heterogeneidade florística das matas ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. de F. (Org.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo, Edusp: FAPESP, p. 45-71. 2001.

RODRIGUES, R. R.; GANDOLFI, S. Conceitos, tendências e ações para a recuperação de florestas ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. de F. (Org.). Matas Ciliares: conservação e recuperação. São Paulo, Edusp: FAPESP, p.233-247. 2000.

RODRIGUES, S. T. et al. Composição florística e abundância de pteridófitas em três ambientes da bacia do rio Guamá, Belém, Pará, Brasil. Acta Amazonica, Manaus, v. 34, n. 1, p. 35-42, 2004.

SANTOS, J. Estimativas de riqueza em espécies. In: CULLEN Jr. L. et al., (eds.). Métodos de Estudos em Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Curitiba: Ed. da UFPR, p.19 - 41. 2006.

SARMENTO, E. C. et al. Avaliação da cobertura vegetal na microbacia Feitoria/Cadeia utilizando técnicas de geoprocessamento. 2001. Disponível em: http://www.ecologia.ufrgs.br/labgeo/artigos/cadeia.pdf (acessado em 06/06/2007).

SCHMITT, J. L. Composição Florística e Ecologia de Pteridófitas Epifíticas em Cyatheaceae no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. In: MARIATH, J. E. de A.; SANTOS, R. P. dos (Orgs.). Os avanços da Botânica no início do século XXI: morfologia, fisiologia, taxonomia, ecologia e genética: Conferências Plenárias e Simpósios do 57º Congresso Nacional de Botânica. Porto Alegre: Sociedade Botânica do Brasil, p. 336-339. 2006.

SEHNEM, A. Semelhanças e diferenças nas formações florestais do Sul do Brasil. Acta Biológica Leopoldensia, São Leopoldo, v. 1, p. 111-135, 1979.

SENNA, R. M.; WAECHTER, J. L. Pteridófitas de uma Floresta de Araucária. 1. Formas Biológicas e padrões de distribuição geográfica. Iheringia Serie Botânica, Porto Alegre, v. 48, p. 41-58, 1997.

SMITH A. R. et al. A classification for extant ferns. Taxon, Vienna, v. 55, n. 3, p. 705-731, ago. 2006.

SMITH, A. R. et al. Fern classification. In: Ranker, T. A.; Haufler, C. H. (eds) Bio ogy and evolution of fern and Lycophytes. Cambridge: Cambridge University Press, p.417-467. 2008.

SOKAL, R. R; ROHLF, F. J. 1995. Biometry: the principles and practice of statistics in biological research. 3rd edition. New York: W.H. Freeman and Co. 887p.

SONEGO, R. C. et al. Descrição da estrutura de uma Floresta Ombrófila Mista, RS, Brasil, utilizando estimadores não-paramétricos de riqueza e rarefação de amostras. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 943-955, 2007.

TEIXEIRA, M. B.; MOURA NETO, A. B. C. As regiões fitoecológicas, sua natureza e seus recursos econômicos – Estudo Fitogeográfico. Rio de Janeiro: Projeto RADAMBRASIL, 1986. p. 791. v. 33

VENIER L. A.; FARIG L. Habitat availability causes the species abundance distribution relationship. Oikos, Lund, v. 76, n. 3, p. 564–570, 1996.

WINDISCH, P. G. Pteridófitas da Região Norte-Ocidental do Estado de São Paulo - Guia para excursões. 2ª ed. São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista, 1992. 110p.

WINDISCH, P. G. Towards assaying biodiversity in Brazilian pteridophytes. In: BICUDO, C. E. M.; MENEZES, N. A. Biodiversity in Brazil: a first approach. São Paulo: CNPq. p. 109-117. 1996.

WINDISCH, P. G. Fern conservation in Brazil. Fern Gazette, Australia, v. 16, p. 295-300, 2002.

YEATON, R. I.; GLADSTONE, D. E. The pattern of colonization of epiphytes on Calabash Trees (Crescentia alata HBK.) in Guanacaste Province, Costa Rica. Biotropica, LUGAR, v. 14, p. 137-140, 1982.

ZAR, J. H. Biostatistical Analysis. 4 ed. Prentice-Hall, Upper Saddle River. 1999. 929p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509813327