Análise de sobrevivência e crescimento de Cordia trichotoma, Boraginaceae, Lamiales, no sul de Mato Grosso Do Sul - Brasil

Sergio Luiz Salvadori, Claudia Universal Batista Deinzer Duarte, Ana Francisca Gomes da Silva, Wagner Lopes Klein

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812357

A avaliação da sobrevivência e do crescimento de um vegetal pode refletir sua habilidade competitiva na comunidade vegetal. Cordia trichotoma é uma árvore nativa comum no estado de Mato Grosso do Sul, e uma das mais promissoras para plantio. O presente trabalho monitorou o percentual de sobrevivência e crescimento de Cordia trichotoma em condições diferentes no quesito capina e quanto ao recebimento ou não de adubação. O trabalho teve início em setembro de 2008 e término em março de 2010. A coleta e semeadura foram realizadas em área urbana do município de Mundo Novo e a área para plantio definitivo, para mensuração da sobrevivência e crescimento das mudas, no município de Japorã, fazenda Santa Clara. As mudas foram plantadas e divididas em duas categorias de acordo com o uso de adubo, podendo ter ou não coroamento resultando em quatro grupos distintos: bloco adubo terra nua (ATN), bloco sem adubo terra nua (BTN), bloco adubo e coroado (AC) e bloco sem adubo e coroado (BC). Os resultados indicaram alta sobrevivência de Cordia trichotoma no sistema de transplante de canteiro para sacos de mudas. O bloco BC apresentou maior percentual de sobrevivência, porém, menor incremento em altura. Já os blocos AC, ATN e BTN revelaram o mesmo padrão de sobrevivência, além de média de crescimento semelhante. Entretanto, podem existir diferenças nutricionais e químicas na composição do solo sugerindo análises setoriais em estudos futuros.


Palavras-chave


monitoramento de plantas; louro-pardo; Mundo Novo-MS

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. L.; MUNDSTOCK, C. M. A qualidade da luz afeta o afilhamento em plantas de trigo quando cultivadas sob competição. Ciência Rural, v. 31, n.3, p. 401-408, 2001.

BARBOSA, L. M. Manual sobre princípios de recuperação vegetal de áreas degradadas. São Paulo: Ed. SMA/CEAM/CIMP, 2000. p.76.

BALLARÉ, C. L.; CASAL, J. J. Light signals perceived by crop and weed plants. Field Crops Research, v. 67, n. 2, p. 149-160, 2000.

CARVALHO, P. E. R. Louro-pardo. Colombo: Embrapa Florestas, 1988a. p. 63-66. (Boletim de Pesquisa Florestal, n. 17).

CARVALHO, P. E. R. Potencialidade e restrições da regeneração artificial de espécies madeireiras nativas no Paraná. In: CONGRESSO FLORESTAL DO PARANÁ, 1988, Curitiba. Anais dos resumos... Curitiba, Instituto Florestal do Paraná, 1988b. p. 23.

CRESTANA, M. S. M. Árvores & Cia. Campinas: CATI, 2007. p. 132.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de Pesquisa de Florestas, Curitiba, PR Zoneamento ecológico para plantios florestais no Estado do Paraná. Brasília, EMBRAPA-DDT, 1986. p. 89. (Documentos, 17).

GOMES, F. P. Estatística aplicada a experimentos agronômicos e florestais. 1.ed., São Paulo: Ed. Fealq, 2002. 309 p.

IPEF - INSTITUTO DE PESQUISA E ESTUDOS FLORESTAIS, BRASIL Identificação de Espécies Florestais. Disponível em: <(http://www.ipef.br/identificacao/nativas/detalhes.asp?codigo=25)> . Acesso em: 20 de outubro de 2010.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. ed. São Paulo: Ed. Nova Odessa, Instituto Plantarum, 2002. v. 1, p. 367.

MANTOVANI, N. C.; FRANCO, E. T. H.; VESTENA, S. Regeneração in vitro de louro-pardo (Cordia trichotoma (Vellozo) Arrabida ex Steudel). Ciência Florestal, v. 1, n. 2, p. 93-101, 2001.

MATO GROSSO DO SUL. Zoneamento Ecológico-Econômico de Mato Grosso do Sul. Contribuições técnicas, teóricas jurídicas e metodológicas, Campo Grande, 2009. v. 1.

MELO, A. C. G.; DURIGAN, G.; KAWABATA, M. Crescimento e sobrevivência de espécies arbóreas plantadas em áreas de cerrado, Assis-SP. In: VILAS BÔAS, O.; DURIGAN, G. (Org.). Resultados da cooperação Brasil/Japão. São Paulo: Páginas & Letras, 2004. p. 315-324.

MELO, M. D.; SILVA, R. L. C.; QUEIROZ, M. T. M. Levantamento das plantas medicinais na praia de Pitangui, Extremoz. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 49., 1998, Salvador. Resumos. Salvador: Universidade Federal da Bahia / Instituto de Biologia, 1998, p. 284.

RADOSEVICH, S. R; HOLT, J.; GHERSA, C. Weed ecology: implications for management. 2nd. ed. New York: Willey, 1997. 589 p.

ROMAN, M.; BRESSAN, D. A.; DURLO, M. A. Variáveis morfométricas e relações interdimensionais para Cordia trichotoma (Vell.) Arráb. ex Steud. Ciência Florestal, v. 19, n. 4, p. 473-480, 2009.

ROUSH, M. L.; RADOSEVICH, S. R. Relationships between growth and competitiveness of four annual weeds. Journal of Applied Ecology, v. 22, p. 895-905, 1985

Secretaria de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia - SEMAC - Plano Estadual de Recursos Hídricos de Mato Grosso do Sul. 2010. Disponível em . Acesso em: 18 de março de 2010.

SEMERE, T.; FROUD-WILLIAMS, R. J. The effect of pea cultivar and water stress on root and shoot competition between vegetative plants of maize and pea. Journal of Applied Ecology, v. 38, p. 137-145, 2001.

SMITH, L. B. Boragináceas. In: REITZ, R. Flora ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário BARBOSA Rodrigues, 1970. p.19-20.

SOUZA, P. A.; VENTURIN, N; MACEDO R. L. G. Adubação mineral do Ipê-roxo (Tabebuia impetinosa), Ciência Florestal, v. 16, n. 3, p. 261-270, 2006.

WENDLING, I.; PAIVA, H. N.; GONÇALVES, W. Técnicas de produção de mudas de plantas ornamentais. Viçosa: Aprenda Fácil, 2005, v. 3, 223 p.

SCHEEREN, L. W.; SCHNEIDER, P. S. P.; FINGER, C. A. G. Crescimento do Louro-Pardo, Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. Ex Steud., na depressão central do Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v. 12, n. 2, p. 169-176, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509812357