Concentração das exportações mundiais de produtos florestais

Luiz Moreira Coelho Junior, José Luiz Pereira de Rezende, Antônio Donizette de Oliveira

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812353

Este trabalho analisou o grau de concentração das exportações mundiais de produtos florestais no período 1961 - 2008. Os dados utilizados estão disponíveis na Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimento. O grau de concentração foi determinado por meio da Razão de Concentração [CR(k)], Índice de Herfindahl-Hirschman (HHI), Índice de Entropia de Theil (E) e Índice de Gini (G). As principais conclusões foram: A participação brasileira nas exportações mundiais no agregado de produtos florestais é crescente ao longo do tempo; os setores mais significativos do agregado das exportações mundiais de produtos florestais, em ordem decrescente, foram o de celulose, madeira serrada, papel e papelão, painéis de madeira, madeira para fins industriais e energia. Segundo a classificação de Bain, a Razão de Concentração dos quatro e oito maiores exportadores de produtos florestais é moderadamente baixa; os indicadores HHI e de Entropia de Theil (E) mostram redução na concentração das exportações mundiais de produtos florestais e maior competição entre os países que comercializam tais produtos; o Índice de Gini indica que, apesar do aumento de exportadores de produtos florestais ao longo do período de análise, um número reduzido de competidores concentra frações cada vez maiores das exportações internacionais desses produtos; os índices sumários (HHI, E e G) indicaram que o aumento da competição e da concorrência não tem se traduzido em uma distribuição mais equitativa das exportações de produtos florestais, que levasse à redução das desigualdades e da concentração dos ganhos do setor; apesar da tendência decrescente dos CR(4) e CR(8), há uma elevação de G, isso porque os ganhos de escala do comércio internacional têm sido apropriado por poucos concorrentes; é recomendada cautela na análise dos índices sumários (HHI, E e G), que devem ser examinados em conjunto com os índices parciais [CR(k)] para não tirar conclusões errôneas; os países com expressiva participação na pauta de exportações, como o Brasil, devem buscar estratégias comerciais para reter as vantagens competitivas conquistadas, principalmente aquelas advindas do ganho de escala.


Palavras-chave


economia florestal; concentração industrial; mercado internacional

Texto completo:

PDF

Referências


BAIN, J. Industrial organization. New York: J. Wiley, 1959. 274 p.

BRAGA, H. C.; MASCOLO, J. L. Mensuração da concentração industrial no Brasil. Revista Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 399-454, ago. 1982.

COELHO JUNIOR, L. M. et al. Analysis of the brazilian cellulose industry concentration (1998 a 2007). Cerne, Lavras, v.16, n. 2, p. 209-216, abr./jun. 2010.

FEIJO, C. A.; CARVALHO, P. G. M.; RODRIGUEZ, M. S. Concentração industrial e produtividade do trabalho na indústria de transformação nos anos 90: evidências empíricas. Economia, Niterói, v. 4, n. 1, p. 19-52, jan./jun. 2003

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. FAO Statistics Division 2010. Rome, 2010. Disponível em: http://faostat.fao.org/ site/626/default.aspx#ancor. Acesso em: 10 fev. 2010.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. State of the world’s forests. Rome, 2009. 152 p.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. State of the world’s forests. Rome, 2007. 144 p.

GINI, C. Variabilità e mutabilità (1912). In: PIZETTI, E.; SALVEMINI, T. (Ed.). Reprinted in memorie di metodologica statistica. Rome: Libreria Eredi Virgilio Veschi, 1955.

HERFINDAHL, O. C. Concentration in the Steel Industry. 1950. 175 f . Thesis (Ph.D.) - Columbia University, New York, 1950.

HILGEMBERG, E. M.; BACHA, C. J. C. A evolução da indústria brasileira de celulose e sua atuação no mercado mundial. Revista Análise Econômica, Porto Alegre, v. 19, n. 36, p.145-164, set. 2001.

HIRSCHMAN, A. O. National power and the structure of foreign trade. Berkley: University of California, 1945. 172 p.

HIRSCHMAN, A. O. The paternity of an index. The American Economic Review, Pittsburgh, v. 54, n. 5, p 761-762, Sept. 1964.

LEITE, A. L. S.; SANTANA, E. A. Índices de Concentração na indústria de papel e celulose. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 1998, Niterói. Anais... Niterói: UFF, 1998. 1 CD-ROM.

LERDA, J. C. Globalização da economia e perda de autonomia das autoridades fiscais, bancárias e monetárias. In: BAUMANN, R. (Org.). O Brasil e a Economia Global. Rio de Janeiro: Campus, 1996. cap. 12, p. 239-263.

MONTEBELLO, A. E. S. Análise da evolução da indústria brasileira de celulose no período de 1980 a 2005. 2006. 114 p. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) –Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, São Paulo, 2006.

NOCE, R. et al. Concentração das exportações no mercado internacional de madeira serrada. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 3, p. 431-437, maio/jun. 2005.

NOCE, R. et al. Medida da desigualdade do mercado internacional de compensado. Cerne, v. 13, n. 1, p. 107-110, jan./mar. 2007.

NOCE, R. et al. Competitividade do Brasil no mercado internacional de aglomerado. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 2, p. 245-250, mar./abr. 2008.

POSSAS, M. L. et al. Ensaios sobre economia e direito da concorrência. São Paulo: Singular, 2002. 238 p.

POSSAS, M. L. Estruturas de mercado em oligopólio: economia e planejamento. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1999. 191 p.

RESENDE, M. Medidas de concentração industrial: uma resenha. Revista Análise Econômica, Porto Alegre, v. 12, n. 21, p. 24-33, jul./set. 1994.

RESENDE, M.; BOFF, H. Concentração industrial. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002. p. 73-90.

SCHERER, F. M.; ROSS, D. Industrial market structure and economic performance. 3rd ed. Boston: Houghton Mifflin, 1990. 270 p.

THEIL, H. Economics and information theory. Amsterdam: North-Holland, 1967. 488 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509812353

Licença Creative Commons