Biometria e emergência de Amburana cearensis (Allemão) A.C. Smith em função da coloração do fruto

Giovana Lopes da Silva, Sebastião Medeiros Filho, Roberta Boscaini Zandavalli, Diego de Sousa Pereira, Geocleber Gomes de Sousa

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812347

Avaliou-se a biometria dos frutos, sementes e a emergência de plântulas de Amburana cearensis (Allemão) A.C Smith oriundas de frutos com estádios diferentes de coloração e secagem. Coletaram-se frutos de coloração vermelha, escura e fechados e sementes colhidas no chão após a deiscência dos frutos. Em cada estádio de maturação mediu-se o comprimento, a largura e a espessura de frutos e sementes. Em seguida procedeu-se a análise descritiva dos dados. Para o teste de emergência semearam-se quatro repetições de 25 sementes distribuídas em delineamento inteiramente casualizado com esquema fatorial [(2 x 2 + 1)], sendo duas colorações de fruto (vermelho e escuro) e duas condições de secagem (sem e com) e uma testemunha adicional (sementes coletadas no chão após a deiscência). A avaliação foi feita através da determinação de: porcentagem, índice de velocidade e tempo médio de emergência, além da medição da altura e matéria seca da parte aérea da plântula. Diante dos resultados constatou-se que frutos vermelhos e escuros e suas respectivas sementes de Amburana cearensis apresentam diferenças nas características biométricas e que o processo de secagem favorece a porcentagem de emergência, mas não teve efeito positivo na altura e na matéria seca da parte aérea.


Palavras-chave


cumaru; anemocoria; secagem; caatinga

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, E. U. et al. Maturação fisiológica de sabiá. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 1, p.1-8, 2005.

ALVES, E. U. et al. Substratos para testes de emergência de plântulas e vigor de sementes de Erythrina velutina Willd., Fabaceae. Revista Ciências Agrárias, v. 29, n. 1, p. 69-82, 2008.

ALVES, E. U. et al. Emergência e crescimento inicial de Peltophorum dubium (Spreng.) Taubert sob diferentes substratos. Revista Ciência Agronômica, v. 24, n. 2, p. 439-447, 2011.

ANGELIM, A. E. S. et al. Germinação e aspectos morfológicos de plantas de umburana-de-cheiro (Amburana cearensis) encontradas na região do Vale do São Francisco. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 2, p. 1062-1064, 2007.

ARAÚJO, G. M. et al. Resposta germinativa de plantas leguminosas da caatinga. Revista de Geografia, v. 24, n. 2, 139-153, 2007.

BARBOSA, D. C. A. Estratégias de germinação e crescimento de espécies lenhosas da caatinga com germinação rápida. In: LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. Ecologia e conservação da caatinga, Recife: Editora Universitária (UFPE), 2003. p. 657-693.

BARBOSA D. C. A. et al. Fenologia de espécies lenhosas da caatinga. In: LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. Ecologia e conservação da caatinga, Recife: Editora Universitária (UFPE), 2003. 16 p. 657-693.

BRAGA, R. Plantas do nordeste: especialmente do Ceará. Natal: Fundação Guimarães Duque, 1976. 509 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 2009. 365 p.

CANUTO, K. M.; SILVEIRA, E. R. Constituintes químicos da casca do caule de Amburana cearensis A. C. SMITH. Química Nova, v. 29, n. 6, p. 1241-1243, 2006.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: Ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal: Funep, 2000. 588 p.

CUNHA, M. C. L.; FERREIRA, R. A. Aspectos morfológicos da semente e do desenvolvimento da planta jovem de Amburana cearensis (Arr. Cam) A. C. Smith – Cumaru – Leguminosae Papilonoideae. Revista Brasileira de Sementes, v. 25, n. 2, p. 89-96, 2003.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Agroindustria Tropical. Dados climatológicos: Estação de Pentecoste. Fortaleza: Embrapa Agroindustria Tropical, 2001. 14 p.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação do Solo. Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. Rio de Janeiro, 2006. 306 p.

FIRMINO, J. L. et al. Características físicas e fisiológicas de sementes e plântulas de cerejeira (Torresia acreana Ducke) quando as sementes foram coletadas do chão ou do interior do fruto. Revista Brasileira de Sementes, v. 18, n. 1, p. 28-32, 1996.

GEMAQUE, R. C. R. et al. Indicadores de maturidade fisiológica de sementes de ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa (Mart.) Standl.). Cerne, v. 8, n. 2, p. 84-91, 2002.

GUEDES, R. S. et al. Emergência e vigor de plântulas de Amburana cearensis (Allemão) A. C. Smith. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, n. 4, p. 843-850, 2010a.

GUEDES, R. S. et al. Qualidade fisiológica de sementes armazenadas de Amburana cearensis (Allemão) A. C. Smith. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, n. 2, p. 331-342, 2010b.

LABOURIAU, L. G. A germinação das sementes. Washington, D. C.: Secretaria Geral da OEA, 1983. 147 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 368 p.

LÚCIO, A. M. F. N. et al. Influência da época de coleta e armazenamento na qualidade fisiológica da semente de cumaru. Engenharia Ambiental, v. 7, n. 3, p. 48-56, 2010.

MACEDO, M. C. et al. Biometria de frutos e sementes e germinação de Magonia pubescens ST. Hill (Sapindadaceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 2, p. 202-211, 2009.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v.01, p. 176-177, 1962.

MARTINS, C. C. et al. Efeito da posição da semente no substrato e no crescimento inicial das plântulas de palmito-vermelho (Euterpe espírito santensis Fernandes – Palmae). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 21, n. 1, p. 164-173, 1999.

MARTINS, S. V.; SILVA, D. D.; Maturação e época de colheita de sementes de Dalbergianigra (Vell.) Fr.All.ex. Benth. Revista Brasileira de Sementes, v. 19, n. 1, p. 96-99, 1997.

NOGUEIRA, F. C. B. et al. Caracterização da germinação e morfologia de frutos, sementes e plântulas de Dalbergia cearensis Ducke (pau-violeta) – Fabaceae. Acta Botânica Brasílica, v. 24, n. 4, p. 978-975, 2010.

PEOPLES, M. B. et al. Economy of water, carbon, and nitrogen in the developing cowpea fruit. Plant Physiology, v. 77, n. 1, p. 142-147, 1985.

PEREIRA, S. R. et al. Tamanho de frutos e de sementes e sua influência na germinação de jatobá-do-cerrado (Hymenaea stigonocarpa var. stigonocarpa Mart. Ex. Hayne, leguminosae – caesalpinoideae). Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 1, p. 141-148, 2011.

PESSOA, R. C. et al. Germinação e maturidade fisiológica de sementes de Piptadenia viridiflora (Kunth.) Benth relacionadas a estádios de frutificação e conservação pós-colheita. Revista Árvore, v. 34, n. 4, p. 617-625, 2010.

REIS, R. G. E. et al. Biometria e efeito da temperatura e tamanho das sementes na protusão do pecíolo cotiledonar de carnaúba. Revista Ciência Agronômica, v. 41, n. 1, p. 81-86, 2010.

SOUZA, S. M.; LIMA, P. C. F. Maturação de sementes de angico (Anadenanthera macrocarpa (Benth) Brenan). Revista Brasileira de Sementes, v. 7, n. 2, p. 93-100, 1985.

TEKRONY, D. M., EGLI, D. B. Relationship of seed vigor to crop yield: A review. Crop Science, v. 31, p. 816-822, 1991.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509812347

Licença Creative Commons