Caracterização fitossociológica e fitogeográfica de um trecho de floresta ciliar em Alfredo Wagner, SC, como subsídio para restauração ecológica

Ana Carolina da Silva, Pedro Higuchi, Marcelo Negrini, Andriele Grudtner, Diego Fernando Zech

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812342

Os conhecimentos florístico e estrutural da comunidade arbórea são fundamentais para subsidiar estratégias de restauração florestal. Neste sentido, foi realizado um levantamento fitossociológico em um fragmento florestal situado nas margens de um tributário do Rio Caeté em Alfredo Wagner, SC, objetivando: i) conhecer a estrutura e a florística da vegetação arbórea dessa floresta; ii) classificar as espécies encontradas em grupos ecológicos e iii) comparar a florística da área estudada com outros estudos realizados em Floresta Ombrófila Mista (FOM), Floresta Ombrófila Densa (FOD) e área de transição entre FOM-FOD de Santa Catarina. Nesse fragmento foram alocadas 10 parcelas de 400 m2 onde todos os indivíduos arbóreos que apresentaram Circunferência a Altura do Peito (CAP, medido a 1,30 m do solo) igual ou superior a 15,7 cm foram medidos, marcados e identificados. As espécies foram classificadas nos grupos sucessionais: pioneira, clímax exigente de luz ou clímax tolerante à sombra. Para a comparação florística com outros remanescentes, foi utilizada a Análise de Correspondência Retificada (DCA). A estrutura do componente arbóreo foi descrita pela densidade, frequência, dominância e Valor de Importância (VI). Os resultados demonstram elevada riqueza florística (98 espécies). Foi possível constatar espécies típicas de FOM, como Araucaria angustifolia (Bert.) Kuntze, e espécies características de FOD, como Byrsonima ligustrifolia A.Juss., confirmando a característica do fragmento estudado de pertencer a uma área de tensão ecológica, padrão confirmado na comparação da similaridade florística. As espécies com maior VI foram Psychotria vellosiana Benth., Alsophila setosa Kaulf. e Guatteria australis A.St.-Hil. Estas e outras espécies de alto VI, por suas consideráveis representatividades na área, são importantes na restauração de florestas ciliares degradadas na região. Os plantios deverão ser planejados obedecendo-se ao grupo sucessional das espécies, plantando-se as espécies pioneiras e clímax exigentes de luz em um primeiro momento (e.g. Psychotria vellosiana), seguidas, quando houver o sombreamento da área, das espécies clímax tolerantes à sombra (e.g. Alsophila setosa e Guatteria australis).


Palavras-chave


Floresta Ombrófila Densa; Floresta Ombrófila Mista; florística; estrutura

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

BERTONI, J. E. A.; MARTINS, F. R. Composição florística de uma floresta ripária na reserva estadual de Porto Ferreira, SP. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 1, n. 1, p. 17-26, jan. 1987.

CARVALHO, P. E. R. Técnicas de recuperação e manejo de áreas degradadas. In: GALVÃO, A. P. M. Reflorestamento de propriedades rurais para fins produtivos e ambientais: um guia para ações municipais e regionais. Brasília: Embrapa Florestas, 2000. cap.14, p.251-268.

CARVALHO, A. R. Fitossociologia e modelo de distribuição de espécies em área de Floresta Ombrófila Densa degradada por mineração, Joinville/SC. Revista Saúde e Ambiente/Health and Environment Journal, Joinville, v. 4, n. 1, jun. p. 42-51. 2003.

CHECCHIA, T. Avaliação de perda de solo por erosão hídrica e estudo de emergia na bacia do Rio Caeté, Alfredo Wagner – Santa Catarina. 2005. 153 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

COLONETTI, S. et al. Florística e estrutura fitossociológica em Floresta Ombrófila Denta Submontana na barragem do rio São Bento, Siderópolis, Estado de Santa Catarina. Acta Scientiarum. Biological Sciences, Maringá, v. 31, n. 4, p. 397-405, out./dez. 2009.

DEFESA CIVIL DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Situação por município e das rodovias. Disponível em: Acesso em: 25 de junho de 2012.

DELITTI, W. B. C. Ciclagem de nutrientes minerais em matas ciliares. In: SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR, 1., 1989, São Paulo. Anais... São Paulo: Fundação Cargill, 1989, p. 88-98.

ESKUCHE, U. El bosque de Araucaria con Podocarpus y los campos de Bom Jardim da Serra, Santa Catarina (Brasil meridional). Boletín de la Sociedad Argentina de Botánica, Córdoba, v. 42, n. 3-4, p. 295-308, jul./dez. 2007.

FALKENBERG, D. Matinhas nebulares e vegetação rupícola dos Aparados da Serra Geral (SC/RS), sul do Brasil. 2003. 558 f. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

FLOSS, P. A. Aspectos ecológicos e fitossociológicos no entorno de nascentes em formações florestais do oeste de Santa Catarina. 2011. 154 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

FORMENTO, S. et al. Dinâmica estrutural arbórea de uma Floresta Ombrófila Mista em Campo Belo do Sul, SC. Cerne, Lavras, v. 10, n. 2, p. 196-212, jul./dez. 2004.

HELTSHE, J. F.; FORRESTER, N. E. Estimating species richness using the jackknife procedure. Biometrics, New York, v. 39, p. 1-12, 1983.

HERRERA, H. A. R. et al. Análise florística e fitossociológica do componente arbóreo da Floresta Ombrófila Mista presente na Reserva Florestal EMBRAPA/EPAGRI, Caçador, SC – Brasil. Floresta, Curitiba, v. 39, n. 3, p. 485-500, jul./set. 2009.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo, em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, jan./mar. 2012.

HIGUCHI, P. et al. Florística e estrutura do componente arbóreo e análise ambiental de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Alto-montana no município de Painel, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, no prelo.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1992. 92 p. (Série: Manuais técnicos em geociências n.1).

IZA, O. B. Parâmetros de autoecologia de uma comunidade arbórea de Floresta Ombrófila Densa, no Parque Botânico do Morro do Baú, Ilhota, SC. 2002. 50 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

JOLY, C. A. et al. Projeto Jacaré-Pepira - o desenvolvimento de um modelo de recomposição da mata ciliar com base na florística regional. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. F. Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (FAPESP), 2000. p. 271-287.

KAGEYAMA, P.; GANDARA, F. B. Recuperação de áreas ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. F. Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (FAPESP), 2000. p. 249-269.

KLAUBERG, C. et al. Florística e estrutura de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Planalto Catarinense. Biotemas, Florianópolis, v. 23, n.1, p. 35-47, mar. 2010.

LIMA, W. P. Função hidrológica da mata ciliar. In: SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR, 1., 1989, São Paulo. Anais... São Paulo: Fundação Cargill, 1989, p. 25-42.

LINGNER, D. et al. Caracterização da estrutura e da dinâmica de um remanescente de Floresta com Araucária no Planalto Catarinense. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 55, n. 2, p. 55-66, jul./dez. 2007.

MANTOVANI, M. et al. Diversidade de espécies e estrutura sucessional de uma formação secundária da Floresta Ombrófila Densa. Scientia forestalis, Piracicaba, v. 67, n. 2, p. 14-26, abr. 2005.

MARTINS-RAMOS, D. et al. Florística de Floresta Ombrófila Mista Altomontana e de Campos em Urupema, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 156-166, abr./jun. 2011.

MULLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

NASCIMENTO, A. R. T. et al. Estrutura e classificação de um remanescente de floresta ripária no município de Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 209-218, abr./jun. 2011.

NEGRELLE, R. Composição florística e estrutura vertical de um trecho de Floresta Ombrófila Densa de Planície Quaternária. Hoehnea, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 261-289, jul./set. 2006.

NEGRELLE, R.; SILVA, F. Fitossociologia de um trecho de floresta com Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. no município de Caçador-SC. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, v. 24-25, n. 1, p. 37–54, jan./dez. 1992.

OKSANEN, J. et al. Vegan: community ecology package. R package version, v.1, p. 8-8. 2009.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALFREDO WAGNER, Disponível em: <(http://ciram.epagri.rct-c.br:8080/ciram/clientes/pref_alfredo_wagner/caracteristicas.htm)> Acesso em: 10 de outubro de 2010.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, 2008. Disponível em: <(http://www.R-project.org)> Acesso em: 18 de fevereiro de 2011.

RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. F. Matas Ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo - FAPESP, 2000. 320 p.

SCARIOT, E. C. Caracterização ambiental de uma fazenda produtora de madeira em Rio Negrinho, SC: subsídios para a restauração ambiental. 2008. 103 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Genéticos Vegetais) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

SILVA, R. T. Florística e estrutura da sinúsia arbórea de um fragmento urbano de Floresta Ombrófila Densa do Município de Criciúma, Santa Catarina. 2006. 61 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) - Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2006.

SILVA, J. A. et al. Phytosociological survey in Brazilian florest genetic reserve of Caçador. Plant Ecology, Dordrecht, v. 133, p. 1-11, 1997.

SILVA, A. C. et al. Comparação florística de florestas inundáveis das regiões Sudeste e Sul do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 257-269, abr./jun. 2007.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, jan./mar. 2012.

SWAINE, M. D.; WHITMORE, T. C. On the definition of ecological species groups in tropical rain forestas. Vegetatio, Dordrecht, v. 75, n. 1-2, p. 81-86, 1988.

TRES, D. R.; REIS, A. Técnicas nucleadoras na restauração de floresta ribeirinha em área de Floresta Ombrófila Mista, Sul do Brasil. Biotemas, Florianópolis, v. 22, n. 4, p. 59-71, out./dez. 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509812342

Licença Creative Commons