“O mundo tem que saber disso de alguma maneira”: crítica das práticas jornalísticas na reflexão de jornalistas brasileiras

Angela Zamin, Taiz Richter, Tatiane Milani, Tonie Santos

Resumo


O presente artigo analisa os livros Palestinos, os novos judeus (1977), de Helena Salem, e Viagem à Palestina: prisão a céu aberto (2013), de Adriana Mabilia, jornalistas brasileiras, a partir de uma reflexão que considera as características, a ambiência e as dificuldades próprias ao Jornalismo internacional. O texto perpassa a crítica à cobertura internacional, especialmente de conflitos, trata da crítica trazida pelas fontes e chega à autocrítica esboçada pelas repórteres ao abordarem o próprio fazer, como resultado de uma atitude reflexiva sobre a prática jornalística proposta no interior do próprio sistema. A partir dos conceitos de crítica (FOUCAULT, 2008; RÜDIGER, 2014) e de crítica das práticas jornalísticas (BERGER; MAROCCO, 2014), estuda sua elaboração por jornalistas em “livros de repórter” (MAROCCO, 2011; ZAMIN, 2011).


Palavras-chave


Crítica das práticas jornalísticas; Livros de repórter; Conflito Israel-Palestina.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2175497718210 ';



 

Apoio

Universidade Federal de Santa Maria

Programa de Pós-graduação em Comunicação

Animus recebe apoio financeiro do edital

PRÓ-REVISTAS 2017 nº 11/2017

 

ANIMUS - Revista Interamericana de Comunicação Midiática

e-mail: revistaanimus@ufsm.br

Classificação Qualis-CAPES 2015: B1

Temática classificada CNPQ: Comunicação: 6.09.00.00-8

DOI: 10.5902/21754977

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 


Indexada em:

Compartilhe Revista Animus