A LINGUAGEM COMO METÁFORA EM GRAMSCI E A RELAÇÃO COM BRÉAL: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA HISTÓRIA DAS IDEIAS LINGUÍSTICAS

Luciana Nogueira, Renato César Ferreira Fernandes

Resumo


O presente trabalho é o resultado de uma pesquisa em andamento e que está em sua fase inicial. Assim, procuramos trazer o debate de um elemento não explorado no Brasil a partir do pensamento de Antonio Gramsci, a saber: a relação entre a linguagem e a metáfora presente em Cadernos do Cárcere. Para isso, abordamos a questão da linguagem como uma concepção de mundo, segundo o autor italiano, levando em conta as condições sócio-históricas de produção de suas formulações.

Palavras-chave


Linguagem; Metáfora; Antonio Gramsci; Michel Bréal; História das ideias linguísticas

Texto completo:

PDF

Referências


ARECO, S.; PASSOS, R. Gramsci e seus contemporâneos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2017.

AUROUX, S. A questão sobre a origem das línguas seguido de A historicidade das ciências. Campinas: Editora RG, 2008.

BIANCHI, Á. O laboratório de Gramsci: Filosofia, história e política. São Paulo: Alameda, 2008.

BRÉAL, M. Ensaio de Semântica. 2. ed. Campinas: RG, 2008.

BOOTHMAN, D. Língua. In.: LIGUORI, Guido; VOZA, Pasquale (Orgs.). Dicionário gramsciano (1926-1937). São Paulo: Boitempo, 2017. p. 475-476.

BOOTHMAN, D. Linguagem. In.: LIGUORI, Guido; VOZA, Pasquale (Orgs.). Dicionário gramsciano (1926-1937). São Paulo: Boitempo, 2017. p. 476-478.

BUKHARIN, N. Tratado de Materialismo Histórico.Lisboa: CLB, Sem data.

DIAS, J. P. Um Gesto de Interpretação na História do Conhecimento Linguístico Brasileiro: a definição do nome gramática. 2012. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

CARLUCCI, A. Gramsci and Languages. Leiden: Brill, 2013.

CROCE, B. Questatavolarotondaèquadrata. La Critica, v. 3, p. 531–534, 1905.

FRANCIONI, G. L’officinagramsciana: ipotesisullastruttura dei “Quadernidelcarcere”. Nápoles: Bibliopolis, 1984.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 1-6, 1999-2002.

GRAMSCI, A. La lengua única y el esperanto. Escritos sobre ellenguaje. Buenos Aires: Eduntref, p. 53-58, 2013.

IVES, P. Metáfora. In.: LIGUORI, Guido; VOZA, Pasquale (Orgs.). Dicionário gramsciano (1926-1937). São Paulo: Boitempo, 2017, 2017. p. 530-532.

MARX, K. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

NOGUEIRA, L.; FERNANDES, R. C. F. Linguagem e metáfora nos Cadernos do Cárcere de Antonio Gramsci. Entremeios, v. 14, p. 167-181, 2017a.

NOGUEIRA, L.; FERNANDES, R. C. F. A língua como um museu de metáforas: a influência de Michel Bréal em Antonio Gramsci. Paper apresentado no Colóquio Antonio Gramsci, Campinas, agosto de 2017b. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0BwD7_494xHN2MXVQUWpIQnBnWjA/view. Acesso em: out. 2018.

ORLANDI, E. P. Um fato, um acontecimento, uma história: idéias linguísticas no Brasil. Relatos. Campinas, n. 6, n.p., 2000. Disponível em: http.://www.unicamp.br/iel/hil/publica/relatos_06.html. Acesso em: 11 abr. 2018.

ORLANDI, E. P. Língua e Conhecimento Linguístico: para uma História das Ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2007.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, [1975]1995.

PÊCHEUX, M. Metáfora e Interdiscurso. In: Análise de Discurso – Michel Pêcheux: Textos Escolhidos por Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 2011. p. 151-161.

SCHIRRU, G. La categoria di egemonia e il pensiero linguistico di Antonio Gramsci. In: D’Orsi, Angelo (Org.). Egemonie. Napoli: Dante & Descartes, 2008. p. 397-444.

ZANDWAIS, A. O Funcionamento da Subjetividade: um contraponto entre estudos comparatistas e a filosofia da linguagem russo-soviética. Conexão Letras, v. 10, p. 47-5, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179219436589



ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook