Retenção e penetração de CCA em madeira de primeira e segunda rotação de Eucalyptus urophylla S.T. Blake

Mara Lúcia Agostini Valle, José de Castro Silva, Ricardo Marius Della Lucia, Wescley Viana Evangelista

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050989292

Este trabalho teve como objetivo avaliar a retenção e penetração de arseniato de cobre cromatado (CCA tipo C), bem como algumas propriedades da madeira em duas rotações de dois híbridos naturais de Eucalyptus urophylla S. T. Blake, visando a sua utilização como madeira tratada. O estudo foi realizado com material proveniente de plantações comerciais, com 63 meses de idade. Para a caracterização da madeira, avaliaram-se a relação cerne-alburno, a massa específica básica e as dimensões de fibras e vasos. Para a avaliação da madeira tratada, determinaram-se a penetração e a retenção de arseniato de cobre cromatado (CCA tipo C). Utilizaram-se quatro árvores por rotação e material genético, que, posteriormente, foram seccionadas em três toras, totalizando 12 toras para cada tratamento. O tratamento preservativo foi realizado através do processo célula cheia, em autoclave, utilizando solução de CCA com concentração de 2 % de ingredientes ativos. O processo de tratamento utilizado foi eficiente dentro das condições exigidas pela norma NBR 9480, apresentando valores de retenção superiores aos mínimos exigidos pela norma, que é de 6,5 kg/m3 de CCA por madeira tratada, além de proporcionar a penetração profunda e regular do preservativo no alburno de todas as toras tratadas. Não existem restrições quanto ao aproveitamento das madeiras de primeira e segunda rotação para tratamento preservativo, com base nas propriedades avaliadas. Não existiu correlação entre a retenção de CCA tipo C e as propriedades da madeira avaliadas.


Palavras-chave


CCA; eucalipto; preservação da madeira; rotação

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. Projeto de estruturas de madeira – NBR 7190. Rio de Janeiro: ABNT. 1997. 107 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Moirões de madeira preservada para cercas: norma NBR-9480. Rio de Janeiro, 1986. 18 p.

BORGES, C. C. Potencialidade do uso de cruzetas de madeira tratada. Curitiba, 2008. 105 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

BRASIL, M. A. M.; VEIGA, R. A. A. Variação da densidade básica da madeira de progênies de Eucalyptus urophylla em dois locais. Ciência Florestal, Santa Maria, v.4, n.1, p. 167-174, 1994.

CAMPOS-SALES, C.; VIANEZ, B. F.; MENDONÇA, M. S. Estudo da variabilidade da retenção do preservante CCA Tipo A na madeira de Brosimum rubescens Taub. Moraceae – (Pau-Rainha) uma espécie madeireira da região amazônica. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 6, p. 845-853, 2003.

DADSWELL, H. E. The anatomy of eucalypt wood. Forest Products Laboratory, Melbourne, n. 66, p. 1-28. 1972.

EVANGELISTA, W.V. et al. Caracterização anatômica quantitativa da madeira de clones de Eucalyptus camaldulensis Dehnh. e Eucalyptus urophylla S.T. Blake. Scientia Florestalis, Piracicaba, v. 38, n. 86, p. 273-284, jun. 2010.

FERRARI, M. P.; FERRARI, C. A.; SILVA, H. D. Condução de plantios de Eucalyptus em sistema de talhadia. Embrapa Floresta, Colombo, 28 p., 2005. (Documentos /Embrapa Florestas).

GALVÃO, A. P. M.; BARBIN, D.; CARVALHO, C. M. Contribuição ao estudo da eficiência dos processos de difusão simples e dupla no tratamento de eucalipto, através da análise química. Silvicultura em São Paulo, n. 6, p. 301-324, 1967.

GONÇALES, F. G. et al. Densidade básica e variação dimensional de um híbrido clonal de Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis. Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 2, mar./abr. 2009.

HUNT, G. M.; GARRATT, G. A. Wood preservation 3rd ed. New York: McGraw-Hill, 1953. 417 p.

KAUPPI, A.; KIVINIITTY, M.; FERM, A. Growth habits and crown architecture of Betula pubescens Ehrh. of seed and sprout origin. Canadian Journal of Forest Research, v.18, p.1603-1613, 1988.

LIMA, C. K. P. et al. Características anatômicas e químicas da madeira de clones de Eucalyptus e sua influencia na colagem. Cerne, Lavras, v. 13, n. 2, p. 123-129, abr./jun. 2007.

PANSHIN, A. J.; DE ZEEUW, C. Textbook of wood technology. 4th ed. New York: McGraw Hill, 1980. 722 p.

PIMENTEL-GOMES, F. Curso de estatística experimental. 15. ed. Piracicaba: FEALQ, 2009. 451 p.

R Development Core Team (2010). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. ISBN 3-900051-07-0, URL http://www.R-project.org.

REIMÃO, D. S. C. Impregnação de madeiras pelo processo de ascensão de soluções salinas. Nova Lisboa: Instituto de Investigação Agronômica de Angola, 1972 . 18 p. (Série Técnica, 28).

SANTINI, E. J. Biodeterioração e preservação da madeira. Santa Maria: UFSM/CEPEF/FATEC, 1988. 125 p.

SOUSA JÚNIOR, W. P. Propriedades físicas, mecânicas e anatômicas das madeiras de Eucalyptus cloeziana e de Eucalyptus urophylla oriundas dos municípios de turmalina e de Paraopeba (MG). 2004. 64 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2004.

TEWARI, S. K.; KATIYAR, R. S.; BALAK RAM, P. N. M. Effect of age and season of harvesting on the growth, coppicing characteristics and biomass productivity of Leucaena leucocephala and Vitex negundo. Biomass and Bioenergy, v. 26, p. 229-234, 2004.

TOMAZELLO FILHO, M. Variação radial da densidade básica em estrutura anatômica da madeira do Eucalyptus globulus, E. pellita e E. acmenioides. Piracicaba, IPEF, n. 36, p. 35-42, ago. 1987.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050989292

Licença Creative Commons