Reflexões sobre o Programa de Escolas Interculturais de Fronteira como uma política linguística

Suelen Haygert, Eliana Rosa Sturza

Resumo


Este trabalho tem o objetivo de refletir sobre o Programa de Escolas Interculturais de Fronteira (PEIF) como Política Linguística. A partir do entendimento do espaço de enunciação em que funciona e de como se institucionalizou o Programa, busca-se entender em que perspectiva de língua se inscreve, como se relaciona com o Portunhol, qual é o seu conceito de Fronteira e que sentidos ele coloca em funcionamento com relação ao ensino-aprendizagem de língua.


Palavras-chave


PEIF. Política Linguística. Ensino-Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n. 11.161. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología e Ministério da Educação. Escolas de Fronteira. Brasília e Buenos Aires, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria nº 798. Brasilia, DF, 2012.

CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. Tradução Isabel de Oliveira Duarte, Jonas Tenfen, Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial: IPOL, 2007.

COLVERO, Ronaldo. A ocupação do território rio-grandense. In: COLVERO, Ronaldo. Negócios na madrugada: o comércio ilícito na fronteira do Rio Grande do Sul. Passo Fundo: UPF, 2004.

GADET, F. e PÊCHEUX, M. A língua inatingível. Trad. MARIANI, Bethania e MELLO, M.E.C de., Campinas, Ed. Pontes, 2004.

GUIMARÃES, E. Enunciação e Acontecimento. In: Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, Pontes, 2002.

_____________. Enunciação e política de línguas no Brasil n. 27. Dez. 2003. Disponível em: www.ufsm.br/periodicoletras Acesso em: 15 out 2015.

HENRIQUES, Eunice Ribeiro. “Distância entre Línguas e o Processo de Aprendizagem/Aquisição”. In: O Ensino do Espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. João Sedycias [org]. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

ORLANDI, Eni P. Língua Brasileira e outras histórias – Discurso sobre a língua e o ensino no Brasil. Campinas, Editora RG, 2009.

SEVERO, Fabián. Portunholando. 2015. Discurso em Mesa de Abertura do 16º CBPE, São Carlos, SP, 2015. Disponível em: http://www.fabiansevero.com/obras/articulos/ Acesso em: 15 out 2015.

STURZA, Eliana Rosa; FERNANDES, I. C. S. . A Fronteira como Novo Lugar de Representação do Espanhol no Brasil. Signo & Seña , v. 30, p. 207-228, 2009.

STURZA, Eliana Rosa. Línguas de Fronteira e Política de Línguas. Uma História das Idéias Linguísticas. 2006. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

________________. Línguas de fronteira: o desconhecido território das práticas linguísticas nas fronteiras brasileiras - Cienc. Cult. vol.57 n. 2 São Paulo Apr./June 2005

________________. Das experiências e dos aprendizados no Programa Escolas Interculturais de Fronteiras. In: Salto para o Futuro – Escolas Interculturais de Fronteira Ano XXIV, Boletim 1, maio de 2014.

ZOPPI-FONTANA, Mônica. É o nome que faz a fronteira. In: INDURSKY, Freda; FERREIRA, Maria Cristina Leandro (orgs.). Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 1999, p. 202-215.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849225514

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                              

 

Revista Qualis B4, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES).