O desenvolvimento profissional corresponsável da Teoria Holística da Atividade na elaboração simulada de um formato de curso Storyline

Felipe Freitag, Marcos Gustavo Richter

Resumo


Para a Teoria Holística da Atividade, designs e designers de material didático podem ser compreendidos como, respectivamente, metodologias de ensino e profissionalização enquadrativa, isto é, como tomadas de decisão do profissional em fundamentação paradigmatizada por conhecimento teórico-conceitual e prático. O Desenvolvimento Profissional Corresponsável da THA, forma pares profissionais para a reformulação de papéis sociais e de práticas docentes, no sentido de que, ao criar um conjunto organizado de profissionais em torno de um objetivo comum, há a emergência da identidade professoral por trocas, ou negociação de sentidos, assim como, há uma apropriação dessa identidade, de modo a direcionar-se para as necessidades, ou demandas do mercado. O formato de curso storyline, por seu teor aprioristicamente elevado, de tomadas de decisão dos profissionais diante da clientela, foi testado e simulado, sobretudo, como metodologia de ensino que une os educadores na busca por recursos, procedimentos e conceitos atrelados às identidades dos educandos.


Palavras-chave


Teoria Holística da Atividade; Desenvolvimento Profissional Corresponsável; Formato de curso storyline; Testagem (simulação) de design de curso como metodologia de ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


AEBERSOLD, J. A.; FIELD, M. L. From Reader to Reading Teacher: issues and strategies for second language classroom. Cambridge: Cambridge University Press,1997.

DUBIN, F.; OLSHTAIN, E. Course design: developing program and materials for language learning. Cambridge University Press, 1986.

ELLIS, R. The study of second language aquisition. 6ª Ed. Oxford; Oxford University Press, 1994.

FARNHAM-DIGGORY, Silvia. Cognitive process in education. Nova York: Harper Collins, 1992.

FRAWLEY, William. Vygotsky e a ciência cognitiva. Porto Alegre: ARTMED, 2000.

FREIRE, PAULO. Educação e Mudança. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1994.

FREIRE, PAULO. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1997.

FREIRE, PAULO. Ação Cultural Para a Liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.

FREIRE, PAULO. Educação Como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

FREIRE, PAULO. Pedagogia da Esperança. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1993.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FREITAG, Felipe; RICHTER, Marcos Gustavo. Diálogos com Felipe Freitag: entrevista com o criador da Teoria Holística da Atividade, Marcos Gustavo Richter. In: V Fórum de Estudos Interacionistas (PPGL-CEPESLI-UFSM). Entrevista audiovisual transcrita e editada por Marcos Gustavo Richter. Universidade Federal de Santa Maria, 2015.

FRIED-BOOTH, DIANA. (1986). Project Work. Oxford, Oxford University Press, 1990.

GARCIA, OTHON M. (1990). Comunicação em Prosa Moderna. Rio de Janeiro, Ed. Fundação Getúlio Vargas.

GERALDI, JOÃO W. (1984). O Texto na Sala de Aula: Leitura e Produção. Cascavel: ASSOESTE.

KEMMIS, STEPHEN; McTAGGART, ROBIN. (1988). Como Planificar la Investigación-Acción. Barcelona, Laertes.

LADOUSSE, GILLIAN P. (1987). Roleplay. Oxford: Oxford University Press, 1988.

LEFFA, V. Como produzir materiais para o ensino de línguas (22-12-2008). Disponível em:. Acesso em: 04 set. 2015.

LEFFA, V. J. Como produzir materiais para o ensino de línguas. In: LEFFA, V. J. Produção de materiais de ensino: teoria e prática. Pelotas: EDUCAT, 2003, p.13-38.

LONG, M.H. & CROOKES, G. (1993). Units of analysis in syllabus design: the case for the task. In: G. Crookes & S.M. Gass (Eds.). Tasks in a Pedagogical Context. Cleveland, UK: Multilingual Matters. 9-44.

LUHMANN, Niklas. Introdução à Teoria dos Sistemas. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2010.

MATEUS, MARIA HELENA MIRA et al. (1989). Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Caminho.

NUNAN, DAVID. (1988). Course Design. Oxford: Oxford University Press, 1994.

NUNAN, DAVID. (1988). The Learner-Centered Curriculum. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

NUNAN, DAVID. (1989). Designing Tasks for the Communicative Classroom. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

OLIVEIRA, MARTA KOHL de. (1995). Vygotsky. Aprendizado e Desenvolvimento. Um Processo Sócio-Histórico. São Paulo: Scipione.

RICHTER, M. G. “O material didático no ensino de línguas”. In: Linguagens e Cidadania, Santa Maria: UFSM, Ed.14, jul-dez 2005.

RICHTER, M. G. Ensino do português e interatividade. Santa Maria: UFSM, 2000.

RICHTER, M.G. O material didático no ensino de línguas. Linguagens & Cidadania, Santa Maria, RS, Vol. 14, Nº 1, 2006 (1-19).

RICHTER, M.G. Pedagogia de projeto no ensino do português (1998). Inédito.

RICHTER, M.G. Role-Play e ensino interativo de língua materna. Linguagem & Ensino, Pelotas, RS, Vol. 1, Nº 2, 1998 (89-113).

RICHTER, M. G.(1987). Em Direção a um Modelo Integrado da Narrativa. São Paulo, PUCSP, Dissertação de Mestrado.

RICHTER, Marcos Gustavo. Questionamentos para o Desenvolvimento Profisssional Corresponsável: DPC e Enquadramento. Material inédito. Universidade Federal de Santa Maria, 2015.

RUMELHART, D. E. “Toward an interative model of reading”. In: SINGER, H; RUDDELL, R. Theoretical models and process of reading. Newark, International Reading Association, 1985, p. 722-751.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2004, p. 21-39.

SILVA, MARIA CECÍLIA PEREZ DE SOUSA E; KOCH, INGEDORE GRUNFELD VILLAÇA.(1983). Lingüística Aplicada ao Português: Sintaxe. São Paulo, Cortez.

THIOLLENT, MICHEL. (1996). Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo, Cortez, 7ª ed.

TRAVAGLIA, L.C. Gramática e interação. São Paulo: Cortez, 1996.

VAN DIJK, TEUN A. (1985). “Semantic Discourse Analysis”. In: Van Dijk, Teun A. (ed.) Handbook of Discourse Analysis. London: Academic Press.

VYGOTSKY, LEV S. (1984). A Formação Social da Mente: o Desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

VYGOTSKY, LEV S.; LURIA, ALEXANDER R.; LEONTIEV, ALEXIS N. (1992). Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo: Ícone.

WIDDOWSON, HENRY G. (1991). O Ensino de Línguas Para a Comunicação. Campinas: Pontes.

WILLIS, D.; Willis, J. (2001). Task-based language learning. In: R. Carter; D. Nunan (Eds.). The Cambridge Guide to Teaching English to Speakers of Other Languages. Cambridge: Cambridge University Press, 173-179.

WHITE, RON; ARNDT, VALERIE. (1991). Process Writing. Longman, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849225511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                              


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                                             

 

ISSN 1516-8492. Revista Qualis B4, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES).