A reescrita no processo de produção textual: respostas a bilhetes orientadores na educação básica

Cristiane Fuzer, Carla Carine Gerhardt, Letícia Oliveira de Lima

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar textos produzidos por alunos do ensino fundamental em resposta a bilhetes orientadores fornecidos como feedback no processo de produção de narrativas. São analisados cinco textos e suas respectivas versões, acompanhadas de bilhetes orientadores elaborados para auxiliar a reescrita de cada versão. Os procedimentos de análise foram: a) leitura da proposta de produção textual, da primeira versão do texto, do primeiro bilhete orientador e da segunda versão do texto; b) análise dos textos reescritos pelos alunos para identificação das respostas aos bilhetes orientadores nas categorias apresentadas por Penteado e Mesko (2006) e ampliadas por Gerhardt et al. (2013); c) análise dos dados obtidos. Os resultados apontam um índice expressivo de reelaborações de aspectos apontados nos bilhetes orientadores.

Palavras-chave


Processo de produção textual; Bilhete orientador; Formas de Resposta; Reescrita.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ et al. Contos e recontos: de leitores a escritores. Santa Maria: UFSM, 2013.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Fontes: São Paulo, 1997.

BAZERMAN, C. Gênero, agência e escrita. Trad. Judith Chambliss Hoffnagel. São Paulo: Cortez, 2006.

_____. Gêneros textuais, tipificação e interação. Tradução e organização de Angela Paiva Dionísio e Judith Chambliss Hoffnagel. São Paulo: Cortez, 2005.

BRASIL. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Ministério da Educação; Disponível em: . Acesso em: 12/11/2013.

CARVALO, F. C. A. Tecnologias que educam: ensinar e aprender com tecnologias da informação e comunicação. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

DELORS, Jacques et al. Educação um Tesouro a Descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Trad. José Carlos Eufrázio. São Paulo: Cortez, 1998.

FUZER, C. Ateliê de Textos: (re)invenção e (re)escrita de histórias no ensino básico. Revista da Anpoll, n. 37, p. 56-79, Florianópolis, Jul./Dez. 2014. Disponível em: https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/772/764. Acesso em: 09 jul. 2016.

_____. Ateliê de Textos: práticas orientadoras no processo de produção e avaliação de textos na perspectiva sistêmico-funcional. Projeto de ensino e extensão Registro GAP/CAL nº 040190. Santa Maria: CAL, UFSM, 2015.

_____. Ateliê de Textos: práticas orientadoras no processo de produção e avaliação de textos na perspectiva textual-interativa. Projeto de ensino e extensão Registro GAP/CAL nº 029622. Santa Maria: CAL, UFSM, 2011.

_____. Bilhete orientador como instrumento de interação no processo ensino-aprendizagem de produção textual. Letras, Santa Maria, RS, n. 44, 2012. p.213-245.

_____; WEBER, T. Um passo de cada vez. A (re)escrita em resposta a ‘feedbacks’ no processo ensino-aprendizagem de produção textual. Cadernos de Linguagem e Sociedade, Brasília, n. 13, 2012. p. 36-60.

GERHARDT, C.; LIMA, L.; ROSSI, A.; WEBER, S. Categorização de respostas a bilhetes orientadores na produção textual. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM LETRAS, 13, Santa Maria, RS, Brasil, 2013. (não publicado).

HALLIDAY, M.A.K.; MATTHIESSEN, C.M.I.M. An Introduction to Functional Grammar. 3nd ed. London: Arnold, 2004.

______. An Introduction to Functional Grammar. 2. ed., London: Arnold, 1994.

_____; MATTHIESSEN, C.M.I.M. An Introduction to Functional Grammar. 3. ed., London: Arnold, 2004.

______; HASAN, R. Language, context, and text: aspects of language in a social-semiotic perspective. Oxford: Oxford University Press, 1989.

MARTIN, J. R.; ROSE, D. Genre Relations: Mapping Culture. London: Equinox, 2008.

MILLER, C. R. Rhetorical Community: The Cultural Basis of Genre. In: Aviva Freedman & Peter Medway. Genre and New Rhetoric. London, Taylor & Francis, p.67-78, 1994.

MORAIS, Artur Gomes de. Políticas de Avaliação da alfabetização: discutindo a Provinha Brasil. Revista Brasileira de Educação. Dez. 2012, v.13, no 38, p.252-264. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2016.

PENTEADO, A. E. A.; MESKO, W. S. Como se responde a um bilhete? Movimentos a partir desse instrumento de intervenção nas produções textuais em processo de reescrita. In: SIGNORINI, I. (Org.). Gêneros catalisadores: letramento e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006.

ROSE, D.; MARTIN, J. R. Learning to Write, Reading to Learn – Genre, Knowledge and Pedagogy in the Sydney School. London: Equinox, 2012.

RUIZ, E. Como se corrige redação na escola. São Paulo: Contexto, 2010.

SOARES, D. A. Produção textual e revisão textual. Um guia para professores de Português e de Línguas Estrangeiras. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

TRIBBLE, C. (1996). Writing. Oxford, U.K.: Oxford University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849225510

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                              


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                                             

 

ISSN 1516-8492. Revista Qualis B4, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES).